terça-feira, 1 de agosto de 2017

rafael diniz, ou o Manual do Pequeno Déspota do Caos...

Não há como negar...Uma boa parte dos eleitores que sufragaram o nome do atual prefeito nas urnas o fez com boas intenções...

Claro, delas o inferno está cheio, mas ironias à parte, o fato é que o atual alcaide, assim como todo vencedor, é fruto de uma bem arranjada estratégia de marketing...

Isso é óbvio, e não há nada demais em propagar uma mensagem, símbolos, significados...

Política é essencialmente isso: dar significados às escolhas e legitimar essas escolhas dentro de um espectro mais amplo possível, ainda que se trate de temas específicos...

Nesse sentido, boa parte das crises políticas advêm do descolamento da expectativa gerada e a realidade...

Aqui nenhuma outra novidade: todo mandatário ou grupo político enfrenta atritos e desgastes provocados pela incidência da "realidade" sobre o seu capital imaginário...

Poderíamos, grosso modo dizer, que a Política é sempre precária e assim tem que ser, porque a estabilidade completa ou algo próximo dela só acontece com a supressão das vontades de tantos outros grupos e interesses adversários, naquilo que conhecemos como regimes autoritários...

Por outro lado, a completa corrosão do eixo simbólico de um governo ou administração frente ao seu capital simbólico não é resultado de uma intensa atividade democrática, como pretendem os "ideólogos da crise", mas sim causa e efeito daquilo que chamamos de Ditadura do Caos...

Na atual conjuntura da cidade, parece que nada mais faz sentido, senão vejamos:

Tivemos um governo eleito para "dar o exemplo" de moralidade, e é justamente o contrário...

Tivemos um governo eleito sob a chancela da "competência"...nada feito...

Tivemos um governo eleito para trazer mais bem estar a população mais pobre, a partir da melhoria dos programas sociais e do modelo de gestão...bem...o que dizer?

Temos um governo de orientação "liberal", em tese e por princípio, contrário a tarifaços e aumentos de impostos...e vem por aí a batida na carteira dos contribuintes, e claro, sempre com carga maior sobre os mais pobres...

Nos últimos dias, nada mais conseguiu dar contornos a distopia que vivemos do que a assunção pela municipalidade da administração do aeroporto...

Ninguém em sã consciência dirá que uma cidade de porte médio como a nossa prescinde de um modal dessa natureza, mas o fato é que no meio de uma crise alardeada como dramática, não faz o menor sentido o Erário local, cuja maioria dos contribuintes NUNCA andará de avião ou terá algum bem ou serviço oriundo daquele local, bancar um "luxo desses"...

É o retrato da nossa "elite" caipira e canhestra...

É um quadro perfeito...

A cidade na merda, mas o prefeito fazendo média com a classe "mérdia" e os ricos que andam de avião...

Como todo regime, a Ditadura do Caos tem grupos de interesse e beneficiados...

E aquilo que parece sem sentido, tem sentido certo:

A moralidade é um truque, uma cortina de fumaça para esconder que a sacanagem tem que ficar restrita aos andares de cima ou "entre amigos"...lembra a farsa-jato, psdb, globo, e etc? 

Pois é...é o mesmo modus operandi...

A tal da competência ou rigor "técnico" nada mais são que outro embuste...afastam o centro das decisões das instâncias de controle democrático, por que, afinal, quem discute com a "ciência"?

E por fim, cada foiçada nos programas sociais sempre vem acompanhada das mais nobres justificativas ou, no nosso caso, na tragédia iminente...

Tudo isso para justificar o injustificável: que a conta recaia sobre os ombros dos mais pobres, enquanto aumentam as benesses aos mais ricos...

A Ditadura do Caos (ou da herança maldita), como toda ditadura, não aceita dissensos ou críticas e se (auto) alimenta da total alienação de qualquer forma de verdade...

Se nas disputas políticas normais a verdade pode assumir várias formas sólidas, de acordo com o referencial de cada grupo interessado em que a sua visão seja a mais universal possível, na Ditadura do Caos a verdade perde essa natureza "sólida", e passa a ser percebida como um líquido, um fluído que escorre pelas mãos da sociedade, deixando a impressão permanente de não há referência concreta possível...

Em outras palavras, se no jogo político normal a relatividade é um ingrediente, um meio para tentar a construção de novas verdade, na Ditadura do Caos a relatividade é um fim em si, como se nada mais fosse palpável, ainda que com formas distintas das quais imaginamos enxergar ou queiramos enxergar...

Imagine a seguinte cena: cidadãos imersos em uma piscina de águas límpidas, onde se tem a (falsa) impressão de que vemos nitidamente tudo ao nosso redor, e de verdade, podemos até tocar uns nos outros e nas coisas, podemos nos mover, etc...

Mas todos estão com o tempo contado (pela ausência de ar), veem embaçado, os gestos são demorados e retardados pela ação do empuxo da água, os sons não se propagam, ou seja, embora haja aparência, a realidade não é a mesma...

Bem, isso se consideramos que estamos submersos em água...há gente que imagina que estamos atolados na merda...

É mais ou menos isso...




10 comentários:

Anônimo disse...

Dá para fazer um pano de fundo do Claudio Andrade?

douglas da mata disse...

defunto ruim não vale a vela...

Anônimo disse...

Amo! Não vale mesmo.

Anônimo disse...

Quais as possíveis saídas para enfrentarmos o caos?

douglas da mata disse...

Fazer política, debater com a comunidade, ocupar os espaços...não é tarefa fácil, mas não há outro meio...

Não sou defensor das saídas pela ditadura do judiciário, com a destituição do prefeito...a vitória tem que ser na política...

Anônimo disse...

Ora,é nesse caso a Política não está atrelada ao judiciário?

douglas da mata disse...

Meu caro, Política atrelada ao Judiciário é ditadura...

Anônimo disse...

"Política atrelada ao Judiciário é ditadura"...como faz a Venezuela?

douglas da mata disse...

Rapaz, uma das maiores idiotices que se pode ler é a comparação de fenômenos diferentes como se iguais fossem...

De certo, não me arriscaria a tecer comentários mais densos sobre a Venezuela, muito porque quase toda informação que nos chega é suspeita...

Mas vou fazer como ensinou o velho Brizola: se a globo é a favor, eu sou contra...

E tem algo mais: eu nunca vi ditadura convocar Assembleia Constituinte...

Talvez o idiota possa entender que por lá, é justamente o contrário, o governo se recusa e ceder a golpistas armados e de toga, e resiste...apesar da enorme sabotagem sofrida durante esses anos...

Seria demais pedir a um cretino que entendesse o que é o espírito de resistência daquele povo...sendo o cretino um tipo de lesma parasita que vive a se alimentar das fraudes noticiosas do PIG e a se acomodar com a trozoba que os EUA e seus lacaios daqui enfiam na sua bunda todos os dias...

Anônimo disse...

Concordo plenamente.