quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Os servidores municipais de Campos dos Goytacazes e o sequestro...

Interessante notar como a narrativa, ou melhor, a luta pelo monopólio da narrativa sequestra a verdade, espancando-a até que confesse o interesse de quem conta a versão dela, da qual, é claro,  melhor se aproveitará...

O movimento sindical sempre é vítima rotineira desse sequestro...

Afinal, a ideia de que trabalhadores arrecadem alguma noção de classe, e com esse sentido coletivo passem a reivindicar melhorias e ganhos é um dos entraves mais sensíveis da ordem capitalista...

É quando a oposição capital e trabalho inicia  sua manifestação pública e seus significados...

A luta anticapitalista não se encerra aí, mas quase sempre é aí que começa...

No campo sindical do funcionalismo público, apesar do fator produção de bens não ser a natureza da relação que vincula patrões (nesse caso, governos) e empregados, temos uma situação análoga...

Então, se no movimento sindical privado sempre há o discurso da mídia e dos patrões de que se trata de manifestações incitadas por interesses outros (a tese da "manipulação"), no setor público não é muito diferente, ou seja, o servidor que "ontem" era a "riqueza" da cidade e da administração, passa a ser inimigo quando quem era oposição passa a situação...

Foi assim quando as forças de segurança tentaram alguma mobilização há alguns anos atrás, e o establishment (a quadrilha do cabral) e a mídia martelaram que aqueles servidores eram controlados pelo ex-governador, o napoleão da lapa...

Já um pouco mais adiante, quando os patetas da lapa estavam no poder em Campos dos Goytacazes, o movimento sindical dos servidores era cantado e decantado pela latrina editorial que limpa as "cagadas" do atual prefeito como símbolo de heroísmo e civismo...

E temos que ser honestos: a política salarial dos patetas da lapa, se comparada com a atual (existe alguma?) é como colocar dois pratos à mesa dos servidores: um com um baita filé (com dois dedos de espessura e rare - mal passado) com batatas douradas no azeite, arroz de brócolis e salada de legumes e ervas finas e o outro com um baita monte de cocô...

Mas agora os servidores passarão, na tentativa da mídia escrota de capturar a mediação do movimento, a figurar tanto como "teleguiados" a "radicais"...

Antes, quando negociavam aumentos de 7, 8 10%, a mídia de coleira conclamava a esticar mais e mais a corda...
Hoje, com a naba enfiada nos rabos dos servidores, a mídia de esgoto pede-lhes paciência e diálogo...algo como: "vai mais lubrificante aí?"

Tomara que o SEPE tome vergonha na cara e se livre da Síndrome de Estocolmo (nome gentil que arrumei para pelegagem mesmo) que tem lhe acometido desde o início dessa palhaçada que insistem em chamar de governo...

Oxalá que os demais servidores afastem os provocadores que, com certeza, estarão na Assembleia de hoje...

E por fim, esperamos que os servidores demonstrem que não estão no cabresto de ninguém, ainda que cada servidor tenha, em um país democrático e no Estado de Direito, ter suas preferências políticas e eleitorais e partidárias, que devem ser manifestadas em oportunidades próprias, isto é, sem se misturarem com as reivindicações do funcionalismo...

Nenhum comentário: