quinta-feira, 1 de junho de 2017

E na terra dos filhotes da cachorra de guarus: entre a crise (para os pobres) e as oportunidades (para os ricos)...

Uma das maneiras mais eficazes de enganar o público é criar factoides baseados em generalizações...

É o que tenta o prefeito da cidade de Campos dos Goytacazes, com ajuda dos seus porta-vozes nas latrinas editoriais que estão a seu serviço...

Querem fazer o cidadão acreditar que há uma crise de contas correntes (deve mais que arrecada)...

Dentre os objetivos da propaganda mentirosa, é claro, é usar esse (falso) argumento para justificar outro ataque a programas sociais, nesse caso, a passagem subsidiada...

O cheque-cidadão, devidamente criminalizado, preso, torturado, e depois disso, réu confesso, já foi guilhotinado pelos torquemadas da milícia federal e que tais...

Primeiro é bom que se diga, crises não são entidades espirituais, mas sim fenômenos concretos, que derivam de escolhas, que por suas vezes, empurram a novas escolhas...

Logo, se é escolha, sua natureza é antes política que econômica, uma vez que ao decidir preservar alguns setores em detrimento de outros, o governante está sinalizando a quem serve...

Foi assim com o filho-da-puta do pezão...que escolheu pagar o judiciário e o legislativo, manter e até conceder novos incentivos fiscais aos amigos-empresários (pobrezinhos), assim como fingiu não ver a enorme dívida ativa a ser cobrada, antes de cortar/atrasar salários, aumentar alíquotas previdenciárias, e o escambal...

Aqui na planície lamacenta não é diferente...

São escolhas...sempre as escolhas...

Os porcalistas e "especialistas" gostam de associar orçamentos públicos com os orçamentos domésticos, procurando tornar a didática a noção de que o setor público é perdulário e precisa cortar, cortar, cortar, como faria um gestor doméstico, seja ele ou ela...

Nada mais falso...

Primeiro, porque nenhum pai ou nenhuma mãe deixaria de atender as necessidades básicas da família para pagar juros ou dívidas...

Depois, se a esse pai ou essa mãe fosse facultada a chance de aumentar os ganhos, nunca recusaria essa possibilidade em nome de apertar mais o cinto...

A Prefeitura de Campos dos Goytacazes vai justamente no sentido cíclico da "crise" que diz querer combater, aumentando e disseminando seus efeitos...

Ao manter congelados os salários dos servidores, por exemplo, debilita mais ainda a chance de aumento da arrecadação, deprimindo a já paralisada atividade comercial local...

Simultaneamente, dá (mais) um tiro no próprio pé, quando também diminui a base de arrecadação previdenciária, causando impactos atuariais no já cambaleante PreviCampos...

Enfim, ataca mais ainda a atividade econômica quando diminui os recursos disponibilizados a programas sociais, como os de renda mínima e o de mobilidade urbana...Sabem os economistas (mas alguns cretinos escondem) que há um fator de reentrada importante nos cofres públicos para cada real investido em políticas sociais e de caráter redistributivo...

Nem é preciso dizer que os mantras neoliberais que pregam o arrocho fiscal são de uma tolice imunda!

Os efeitos dessas restrições aumentam a demanda por serviços públicos, e funcionam assim como um cachorro atrás do rabo, ou o dilema do ovo e da galinha: corta serviços e programas sociais para reduzir despesas, aumenta despesas com o aumento da demanda pelo corte dos serviços e programas sociais...

De outro lado, os "jênios" liberais pregam a supressão da base de arrecadação, ou pior, defendem o aumento da regressão das estruturas tributárias...Explico melhor:

Esses boçais dizem que ao mesmo tempo que se deve cortar custos (programas sociais e direitos apenas!), devem os gestores reduzirem os impostos cobrados aos mais ricos (porque eles "geram riqueza"), enquanto aumentam ou mantêm a carga alta sobre os mais pobres, direta ou indiretamente...

É essa a receita "jenial" seguida pelo nosso protótipo de prefeito...

Para aumentar a saúde financeira da Prefeitura, bastava aplicar o velho e esquecido princípio constitucional da capacidade contributiva, que quer dizer: quem pode mais (os ricos), pagam mais (impostos), quem pode menos (pobres), pagam menos (impostos)...

Imagine uma mãe ou um pai que diante de uma crise orçamentária doméstica, continuasse a concentrar a riqueza nos filhos já ricos, enquanto sacrifica ainda mais os que estão à míngua, sob a desculpa de equilibrar as contas?

É isso que a Prefeitura anuncia que vai fazer...pau no lombo dos pobres...

Um aumento escalonado (não linear) de IPTU e ISS, com o paralelo esforço de cobrança dos devedores inscritos na dívida ativa local, traria um  alívio imediato e necessário...assim como fazem mães e pais, ou seja, redistribuem os recursos dos filhos mais ricos ajudando todos dentro da casa...


Mas para fazer isso é preciso dois requisitos:

Interesse em contrariar os mais ricos, e culhões para tanto...

E, infelizmente, no nosso caso, faltam as duas condições...


4 comentários:

Anônimo disse...

Pois é meu caro e a latrina editorial usa em seu nome fantasia o nome empresarial da Folha de São Paulo, até nisso eles foram ordinários.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Folha_da_Manh%C3%A3_(S%C3%A3o_Paulo)

Anônimo disse...

"Os porcalistas e "especialistas" gostam de associar orçamentos públicos com os orçamentos domésticos, procurando tornar a didática a noção de que o setor público é perdulário e precisa cortar, cortar, cortar, como faria um gestor doméstico, seja ele ou ela..."

Campeão de fazer isso é Lula. Ou não?

douglas da mata disse...

Bem, eu nunca vi Lula associar orçamento público com doméstico para aduzir a receitas de cortes como solução...

Veja bem, beócio, o problema não é a metáfora feita pelos porcalistas, pois todo mundo deve procurar uma maneira mais fácil de dizer as coisas, ainda mais quando se dirige ao grande púbico...

O problema é o teor FALSO do que associam como premissa...

Eu mesmo no texto fiz uma associação, ou seja, disse que um gestor doméstico nunca deixaria de arcar com as necessidades básicas de seus entes para pagar juros ou fornecedores...ao contrário do que pregam os fiscalistas e rentistas...

Agora, enfim, se o Lula fez isso em algum momento, como na sua provocação imbecil, o problema é dele...

Anônimo disse...

ARRECADAÇÃO DE ISS DESPENCOU , INCOMPETENCIA!!!!!!
NAO ESTAO COBRANDO ISS DE SHOWS, ACADEMIAS, SALAO DE FESTAS, BILHETERIA DE BOATES,ESTACIONAMENTOS,
EMPRESAS QUE NAO SAO INDUSTRIAS NA CODIN, ISS DE ONSTRUTORAS QUE FAZEM PREDIOS, UMA BAGUNÇAAAAAAAAAAAAAAA