sexta-feira, 7 de abril de 2017

A terra dos filhotes da cachorra de guarus ou twilight zone?

Resultado de imagem para twilight zone



Quem tem mais de quarenta como eu, ou é mais jovem e se interessa pela "arqueologia dos bens culturais de massa" vai entender a associação...

Twilight Zone exibia episódios onde a realidade se apresentava distorcida, um tipo de realismo fantástico misturado a ficção científica, e que hoje guarda alguma proximidade com a série inglesa Black Mirror, do Netflix...

A terra dos filhotes da cachorra de guarus tem ficado cada vez mais parecida com uma Twilight Zone, que no Brasil recebeu a tradução para se chamar Além da Imaginação...

Saindo do campo do entretenimento, indo para as Ciências Políticas e também as Sociais, nossa planície de lama está afundada no que se convencionou chamar Era da Pós-Verdade, ou para outros especialistas em comunicação, a Era das Bombas Semióticas (ver mais Wilson Ferreira em Cinema Secreto)...

Recentemente, os assessores do maior cretino do planeta, donald trump, lançaram mão de um conceito semelhante, "os fatos alternativos", que sacaram para tentar "provar" que o fato ou a evidência que mais gente foi a posse de Obama que a do chefe-imbecil  poderia ser desafiada por uma versão que os favorecesse e negasse o óbvio...

Lá como cá, a realidade como a enxergamos deixou de fazer qualquer sentido...

Aqui temos um prefeito que vai as redes e a mídia (que cumpre o sórdido papel de limpar orifício anal do alcaide após cada excreção) para dizer-se transparente, apenas porque regulamentou algo que era obrigação...

Enquanto isso, seus assessores que cuidam do "tutu" saíram debaixo do telhado de vidro (marcilene) ou fizeram sua expertise ao lado de um dos maiores mafiosos desse país, ricardo teixeira, ex-presidente de uma das maiores organizações criminosas, e de alcance internacional, a cbf, como provam várias investigações recentes, inclusive das autoridades dos EUA, onde estiveram ou estão presos vários dirigentes ligados àquela entidade... 

Junto a tudo isso, o atual (des) governo reedita cada método que criticava com desfaçatez ímpar...

Mas hoje eu confesso que fiquei deveras assustado...melhor dizendo, mais assustado...!

Fquei estarrecido ao ler o inteiro teor da decisão judicial que fez um samba do afro-brasileiro doido, prendendo e desprendendo acusados do nosso exemplar processo kafkaniano, baseado em expressões como: "menção a dossiê", dentre outras subjetividades consignadas no dispositivo da decisão, a despeito da citação de fatos concretos, como manda a lei (até porque, é essa narrativa que provocará a defesa, que não pode ser feita sobre "suposições")... 

Dentre as "convicções" está a suposta tentativa de suborno de um juiz...

Uai, o mais estranho é que as pessoas que supostamente transmitiram a suposta oferta de suborno de um outro juiz, estão soltas...livre, leve e soltas...

Eu nem vou citar a total ausência de qualquer premissa concreta associada ao que reza o artigo 312 do Código de Processo Penal...

Quando em muito a citação de que dois dos réus já foram condenados em outros processos (artigo 313, II do CPP), mas ainda assim, é preciso condenação DEFINITIVA, que não foi o caso!

Outra parte "twilight zone" da decisão é dizer que os réus destruíram provas...É para rir? 

Uai, se a CRFB/88 MANDA que se respeite o direito do RÉU em não produzir prova contra si, como esperar que um RÉU entregue provas intactas às quais ele tem acesso, a ponto de poder desfazer-se delas?

Ora bolas, nesse sentido, se não atingir esfera jurídica de terceiros, destruir provas é direito do réu, assim como mentir!

Na nossa terra Além da Imaginação, juiz adjetiva processo, como "o mais escandaloso esquema blá, blá, blá"...

Cacoetes típicos importados da república dos paranazi e seu ministério da propaganda global? 

Quem sabe...?

Eu pergunto de novo? Qual é o parâmetro para tal afirmação, e mais, para que serve? Como esperar isenção de um juiz que oferece sua opinião subjetiva sobre autos que deverá julgar com isonomia?

Pois é...

Nenhum comentário: