sábado, 18 de fevereiro de 2017

O que houve com o mundo que supúnhamos conhecer?

É uma sensação generalizada...Qualquer pessoa que dê uma olhada nos últimos acontecimentos, seja no planalto, seja na planície, tem a percepção de que a realidade se desintegra a olhos vistos...

Nem vou mais martelar no papel escroto e cretino cumprido pela mídia comercial, nas pocilgas editoriais que vomitam seu esgoto para afogar reputações, sem o menor traço de senso público ou dever social na produção de conteúdo para comunicação de massas...

Desses porcalistas e seus patrões, que os cevam com uma mistura de auto-bajulação e notoriedade fugaz, nada mais resta falar...são uma sub-espécie com a qual teremos que conviver, como ratos, baratas e outros seres nauseantes...

Falemos de todo resto...

A corrosão institucional não é fenômeno recente, e nem as chamadas crises épicas, que delimitam o passar de um tempo a outros, fraturas cronológicas como gostamos de imaginar...

Em toda a História da Humanidade enfrentamos essa sensação, esse esgarçamento do tecido social, a captura de valores coletivos pelo individualismo exacerbado, motor da acumulação de riqueza...

Conflitos não faltam para pontuar essa narrativa...

Mas fiquemos com o que temos nos últimos anos...

Em 2013 tivemos manifestações gigantes, cuja natureza nenhum especialista conseguiu analisar a contento, e nem poderia, haja vista a proximidade com o fenômeno...

Temos pistas, afinal, a situação do país estava, no mínimo, um zilhão de vezes melhor que hoje, e não temos um ruído sequer....

Panelas? Não ouvimos...

Camisas verde amarelas? Nada...

Só a monocromia do silêncio dos (m)idiotas...

Desde então, a realidade cedeu lugar a um forma estranha de para-realidade...

Surgiu então, outro ser sem dono e sem nome, sem interesses, sem prejudicados e sem privilegiados, como "mercado", "globalização", "modernidade", "povo", "pátria" etc:

A pós-verdade!

Antes negada e ignorada, agora a mídia comercial tenta se apropriar do conceito...e pior: promover seu isolamento...

Claro que a era da pós-verdade existe, e surte efeitos, mas descrevê-la apenas é de uma canalhice sem par, quando falta a profundidade para determinar que por detrás de uma versão do fato, há um interesse, uma lógica, uma causa e um resultado esperado por quem dissemina essa versão!

Como não podem mais negar os malefícios do que ajudaram a produzir, mancomunados com os interesses inconfessáveis de sempre, os cretinos da mídia comercial, tanto os de lá, como os daqui, tentam isolar o fenômeno com meras elocubrações estéreis...e tome "punheta discursiva"...

Se na esfera da disputa política existe o golpe dentro do golpe, na mídia temos a pós-verdade da pós-verdade...um tipo de metalinguagem da metalinguagem, tudo com o objetivo de turbar ainda mais a percepção da sociedade...

E  que isso traz de efeitos práticos?

Uai, vivemos no país onde a mídia e seus cúmplices derrubam uma presidenta por supostos atos de corrupção (nunca provados) e silencia frente aos crimes dos déspotas que essa mesma mídia escolheu como governantes...

Esse mesmo país saiu as ruas por 0,20 centavos na passagem, por melhoria de tudo ao mesmo tempo agora, e hoje, quando tudo está uma merda absoluta, o país está sossegadinho em casa...

Elegem prefeitos para acabar com a tirania, e eles se portam dez vezes pior que os tiranos derrubados nas urnas...

Na região, mesmo sabendo ser ilegal, e mesmo alegando não ter dinheiro para pagar dos direitos aos seus servidores, um prefeito quer pagar policiais militares....

No Estado, o governador alega falência, e dá dinheiro público para patrocínio de torneio de tênis...

juízes e promotores agem como atores partidários e se prostituem para entregar o país a donos externos...

A lista não caberia aqui...

Ao lado de tudo isso, leio gente boa reivindicando "respeito à opinião", construindo um novo termo semiótico da era da pós-verdade...

Como se "opinião" e o seu exercício não estivessem também a serviço da disputa ideológica e da luta de classes...Bem, para esse pessoal, ideologia e classes não existem mais...

Logo, o "respeito à opinião" funciona como um tipo de blindagem para que uma turba enfurecida de fascistas e nazistas, todos dedicados a destruir a democracia da qual usufruem...

Algo como sentar à mesa para jantar com canibais...

Vivemos sob o Novo Reich, o Império da Opinião...

São esses ingredientes que fermentam o caldeirão do autoritarismo...mas eles, espertos que são, dizem que autoritários são os que revelam seus truques!





4 comentários:

Anônimo disse...

Ótimo texto

Anônimo disse...

"com apenas um mês e meio conseguimos essa vitória.

A Cooperativa de Recicláveis e Compostagem Renascer"

O Prefeito não teria algo melhor para inaugurar!
Inaugurou o reciclável porque só pensa em reciclar, renascer! Não pensa em nada novo, muito menos em fazer o que prometeu tanto. Diante da Vida de administrar uma Cidade e sem experiência, se junta a tolos rebeldes, a bobos da corte, a turma do pó de arroz!
E inaugura o reciclável!
Este é o governo do reciclar. Reciclar governo anterior, já que não tem o que fazer, vamos desmanchar e fingir que fizemos. O pior é se além de desmanchar não colocar nada no lugar.

Cresce, diniz!

O que houve com o prefeito que supúnhamos conhecer?

Anônimo disse...

Os almofadinhas da educação é um vexame.Que triste fim uma das mais importantes secretarias nas mãos de arrogantes e ignorantes em todos aspectos! Antes não tinham material também, porém havia amor,arrecadava dinheiro e do nada tudo aparecia!Hoje é um desleixo vergonhoso!gente zangada,cara de superioridade,tristeza e muita decepção! Fora cochinhas.......

Anônimo disse...

Vergonha desse município tão rico !,Tantas esperanças perdidas!Como professor ,estou sem estimulo e sem a quem recorrrer.Quando consigo falar,coisa muito difícil e vc ter com quem falar naquele lugar!Sempre as mesmas respostas :Não sei !Estão economizando até na voz!Que falta de Respeito! AÍ tem um problema mais grave ainda,vai fazendo como sabe.É mole? Falta respeito com professor,aluno e pais!É Campos minha gente!