domingo, 12 de fevereiro de 2017

Aviso aos eleitores dos filhotes da Cachorra de Guarus: Democracia não é brinquedo!

Há, e sempre houve, e sempre haverá uma tentativa de certos setores da intelectualidade, assim como de nossa parte mesmo, uma busca pela definição do "caráter de uma geração"...

Virou moda adjetivar com letras, geração "y", "z", "a"  o escambal... 

Processo inteligível, mas totalmente descartável...Afinal, definir outras gerações, ou qualquer outra coisa, revela mais de nós mesmos do que daquilo que desejamos rotular...

Frases como: "naquele tempo", ou "no meu tempo" são comuns a quem de fato envelheceu, não por ter mais passado que futuro, mas principalmente porque esqueceu que todo tempo é agora...

Processos históricos, como manda a boa dialética hegeliana (até hoje não superada), carregam em si um tanto de outros passados, e muito mais do que está por vir...

Mas é irresistível rotular, classificar e encaixar em limites temporais...

Assim, imaginamos que nos dias de hoje, quando tudo parece desmoronar, que houve uma época onde tudo funcionava a contento, onde a Democracia era algo fácil e se resumia a colocar voto na urna, onde os conflitos eram resolvidos de forma "civilizada"...

Não foi, e pelo jeito, nunca será...

A História da Humanidade é um legado de conflitos, que pode ser reduzida a uma luta entre os poucos que têm quase tudo e os outros muitos que não têm quase nada...

Essa lógica se espalha pelos Estados Nacionais, onde mais estáveis são os menos desiguais, ao mesmo tempo que a instabilidade grassa pelos mais desiguais...

De tempos em tempos, esse suposto "equilíbrio" entre a minoria rica e esmagadora maioria pobre , seja no seio dos países, seja no tabuleiro geopolítico, gera ruídos, tensões e espasmos de violência, aparentemente incontroláveis...

É a sensação que temos agora...

Desde o planalto até a planície...Ao Norte até o sul do mundo...

Por motivos já conhecidos e que não cabe aqui repetir, uma grande parcela de pessoas, em várias partes do planeta, e especificamente aqui no Brasil e em seus cantos, como Campos dos Goytacazes, embarcou em uma onde conservadora que atribuiu a Política todos os males da vida moderna, atacando instituições, ou pior, reivindicando a sobreposição indevida de instituições não-eleitas sobre as eleitas, abdicando da prerrogativa de decisão sobre seu próprio destino...

Claro que isso não aconteceu de forma linear...e nem é um tema acidental...O desmonte da utilidade da Política no imaginário médio, o senso comum, é antigo e perene...

Em suma, os golpes à Democracia, como sempre, se deram para reduzir a pó tudo aquilo que permitisse o empoderamento das classes mais pobres, ainda que, por um truque semiótico e ideológico, essas classes fossem levadas a acreditar que tudo era feito em nome delas...

Deixo de lado um pouco o golpe no planalto ou a eleição de trump nos EUA, e me refiro especialmente ao golpe dado em Campos dos Goytacazes...

Aos que imaginam que golpes não possam ser executados com o auxílio das urnas, relembro a chegada de Hitler ao poder em 1933...

Usando essa útil analogia, rememoro os inúmeros documentários que vi sobre o fim da II Guerra Mundial, mormente as cenas de libertação dos campos de concentração e dos alemães atônitos pelas ruas...

Também lembro os filmes, como O Leitor, O Menino de Pijama Listrado, A Queda, e tantos outros destinados a pesquisar e debater o nível de consciência e culpa do alemão médio naquela carnificina...

Mas esses processos não são exclusivos da Alemanha Nazista, como gostamos de imaginar para afastar de nós esse cálice...

1964 está ali, na esquina da História...

2015/16 idem...

Resolvi escrever essas linhas por causa de um certos "movimentos" que aparecem nas redes sociais, onde supostos eleitores arrependidos dizem: "quem elegeu pode tirar"...referindo-se a decepção com o atual governo fascista da planície, aquele que a todos salvaria...ou nas "modestas palavras" do pequeno alcaide, o governo da Libertação!!!! 

Ei-lo: O libertador da cidade!

Não, meninos e meninas, Democracia é (ou deveria) ser coisa séria...

É preciso sofrer e engolir cada efeito da escolha errada e irresponsável que fizeram, e não adianta gritar para expiar culpas...

A merda é de vocês...embora ela cheire mal para todos nós...

Não adianta dizer que foram enganados, que acreditaram na lenga-lenga anti-politica a golpista do pequeno-führer, na embalagem de moralidade hipócrita reforçada por uma mídia cretina e pelo aparelhamento de policiais, juízes e promotores...

A merda está feita e a cidade está à deriva...

Não foram enganados, ao contrário, se deixaram enganar, o que é muitíssimo diferente...

Quiseram acreditar que problemas complexos, decisões políticas, definições sobre a quem favorecer ou a quem favorecer menos são simples, tocadas a modo voluntarioso, e que podíamos trocar um déspota gasto e demodé por um ditador novinho em folha, com mais identidade de classe, mais sofisticado...

Não deu...

Então, minha gente, antes de começarem a pregar o golpe dentro do golpe aqui em nossa cidade, parem e reflitam:

Às vezes parece piada, mas Democracia é algo que de tão sério, chega a ser dramático...

7 comentários:

George Gomes Coutinho disse...

Bem Douglas... Reflexão oportuna e urgente...

Compartilho dela em duas direções:

1) Quem com judicilização fere, com judicialização será ferido. Acho que não preciso aprofundar esta questão, ela é auto-explicativa;

2) Na surpreendente eleição em primeiro turno de Rafael vi aqui no boteco da minha rua (você sabe qual) a seguinte cena: o proprietário ofereceu um churrasco para os presentes em comemoração ao resultado das eleições. Entre sorrisos e euforia a minha expressão era a de "cara de cu". Vi que ali se apresentava um cenário de hipertrofia de expectativas. Quando notei isso, percebi que a legitimidade de Rafael se assentava em uma base muito frágil.... No momento em que as expectativas não fossem atingidas, o que envolvia nada mais e nada menos do que a reinvenção de uma sociedade inteira a partir de um rito eleitoral periódico, vi que a coisa poderia feder... Junto ao clientelismo local, estrutural e orgânico da sociedade campista, vi que a hipertrofia de expectativas seria o outro grande óbice a ser enfrentado pelo novo governo. Pelo visto infelizmente eu estava correto;

3) Com tudo isso, junto a você e a de muitos outros neste momento, concordo integralmente que o modelo de democracia representativa liberal entre nós segue ferido e na UTI. O que virá? Não tenho a menor ideia...

Eduardo disse...

Mas não estou vendo nenhum movimento na cidade de descontentamento generalizado com o atual prefeito! Nem movimento contrário achando o cara o messias prometido para nos salvar do garotismo e dos maus hábitos campistas... Tá tudo ainda tão neutro! O texto parece a trombeta do apocalipse como se a cidade de repente ficasse pior na politicagem do que já era com o governo anterior! Sinceramente não me convence que manter o grupo anterior ou a galera do Arnaldo Vianna também cheia de vícios seria a melhor solução...

douglas da mata disse...

Eduardo, acho que tens um problema, será dislexia ou burrice mesmo?

Vamos lá, que estou com paciência:

- Me referi ao descontentamento expresso nas redes sociais, e sei, claro, que essas manifestações nunca podem ser consideradas espelhos amplos da realidade, embora o prefeito cretino e sua entourage gostem de dizer que ganharam as eleições a partir dessas plataformas...

- Não disse em lugar algum do texto que deveríamos manter os grupos anteriores, o que disse, e repito, ó beócio é que de nada adianta trocar um ditador velho por um novo...

Por fim, o texto, imbecil, é justamente um chamado para afastar as pessoas que enxergam a política como "politicagem", e que por esse motivo, acreditam nessas merdas de campanhas moralóides, e depois ficam com cara de bunda, ou têm que enfiar as panelas no c*...

É isso...só isso...mas pelo visto, você não entendeu porra nenhuma, mas fazer o quê, né mesmo?

Anônimo disse...

Podia ter dormindo sem essa. Uma porrada bem colocada. Muitas pessoas quando assumem determinado cargo (DAS), finge que ficaram burras.

Anônimo disse...

É estarrecedor a situação da sectetaria de "educação ".Nunca em minha vida presenciei tanto despreparo e arrogância de um secretario!Vergonha!!!Está demorando muito esse ser na "Educação" !!!Foraaaaaaaaaaaaa!!

Anônimo disse...

Escambau é com U, que rima com.... deixa prá lá.
Não sou erudito como podes ver pelo meu texto. É só uma observação.

Anônimo disse...

Triste fim da educação desse municipio.Vem ser administrada por gente que não conhece nada de escola pública e ainda não faz a mínima questão de conhecer!O caos está insuportável e insuperável ...Vocês não tem noção do clima hostil e nogento!