domingo, 1 de janeiro de 2017

Sugestões ao pequeno príncipe...

Não adianta espernear...Se há algum déficit orçamentário a ser contornado, jogar a culpa nos antecessores não resolve...

Afinal, se foi eleito para solucionar problemas, por que fugir deles?

Também não vale usar a mídia (agora) oficial para criar um clima de catástrofe, buscar bodes expiatórios (são sempre os servidores públicos), a fim de manter os privilégios de sempre, enquanto corta direitos adquiridos...


Quer dinheiro?

Simples, se o prefeito neto do avô tiver colhões suficientes:

01- Aumentar os impostos municipais dos mais ricos...Quem mora nos melhores bairros não pode pagar alíquotas proporcionais às dos moradores dos bairros mais pobres...

Empresas maiores devem pagar (muito) mais ISS que as menores e por aí vai...

02- Outra boa fonte é o ISS da empresa concessionária da rodovia BR 101...é atribuição municipal legislar sobre esse tributo, e não cabe a empresa a choradeira, até porque, por anos ela (a empresa concessionária) vem enrolando com obras intermináveis de duplicação...

Então, se eles lucram enquanto mantêm a estrada precária, matando e ferindo nossos munícipes, nada mais justo que paguem mais para ajudar a salvar vidas que colocam em risco com a morosidade das obras...embora saibamos que vidas não têm preço, atendimentos em urgências, remoções e reabilitações têm e custam caro...

Está aí inclusive a justificativa para combater o surrado argumento do "equilíbrio do contrato"...

Juízes protagonistas não faltarão para angariar "popularidade" com a medida, resta saber também se terão os colhões necessários...

03- Fazer vigorar, de fato, a lei que obriga os planos de saúde a restituir aos cofres municipais todo o dinheiro público gasto com atendimento aos usuários dessas empresas privadas...A lei já existe, só falta pegar (bem, levando em conta que um dos "palanques" foi uma empresa privada de saúde, vai ser difícil)...

04- Acabar com todas a verbas de publicidade oficial ou aumentar o ISS dessas empresas, pelo menos dobrando a alíquota...O jabá não pode sair do bolso do contribuinte, que afinal, paga para ser engando pelos veículos "oficiais", que trocam o verbo pela verba...

Se querem nos enganar, pelo menos nos paguem bem...

05- Instalar GPS ou algum "aplicativo" nos ônibus e cobrar tarifas por quilômetro rodado, abandonando os cálculos esotéricos das tarifas (verdadeiras caixas-preta que ninguém questiona, muito menos a mídia domesticada pela FETRANSPOR)...

Impor as empresas uma fatia maior do custo do subsídio das passagens, e acabar com a lógica onde é o poder público e o usuário que arcam, exclusivamente, com o custo da atividade...

Como o cálculo de ISS é sempre feito por estimativa (passageiros transportados e não uma grandeza mensurável, como quilometragem), todo mundo sabe quem é que acaba tomando no c*, e não são os empresários do setor...

06- Acabar com todos os contratos de terceirização nos serviços públicos, em todas as áreas que isso for possível, como Educação, principalmente na atividade-fim, com a aberração que consiste na aquisição de "pedagogias prontas"...

07- Recompor a carreira dos fiscais de rendas, obras, etc, da municipalidade, recuperado o poder de polícia da municipalidade, ordenando a urbi e arrecadando...

Enfim, há muito dinheiro disponível, basta romper acordos com as oligarquias...

Eu tenho certeza, no entanto, que o petit prince vai continuar chorando no diário oficial...

4 comentários:

Gustavo Landim Soffiati disse...

Bebesse, foi? Como ele vai governar contra quem o elegeu?

Anônimo disse...

Rapaz... Você sabe como fazer. Tem boas ideias. Mas eu pergunto: porque você as mantém confinadas aqui? Você não participava da política? Porque deixou? Hoje, o Marcão, que era do seu partido, se elegeu presidente da Câmara de Vereadores (por outro partido claro). E você? Você é um bom "brigador", intelectualmente superior a maioria que se elegeu. E infelizmente não o vejo na vida política da cidade. Uma pena. Uma perda.
Você dirá que é tão radical que seria execrado politicamente. Talvez sim. Mas aí também entraria o exercício da convivência política, não é?
Penso que perdemos quando prescindimos de gente como você, Roberto Moraes, Helio Gomes e tantos outros que poderiam contribuir, mas que limitam-se a escrever e/ou criticar.

Você perguntará indignado, e com razão: e você(eu) cara pálida? Também só comenta no blog e não faz nada?
E eu adianto a resposta: sim, você está certo. Só comento, e não faço nada.

O que há de errado conosco?

douglas da mata disse...

Meu caro, eu compreendo sua aflição...Já tive essa dúvida, e posso te falar francamente: tudo no seu tempo certo.

Mas, por outro lado, aquilo que você despreza como mera "falatório", é ação indispensável nesses tempos de guerra de informação.

Cumpro o meu papel, e não me furtarei a aumentar minha contribuição quando for chegada a hora...

douglas da mata disse...

Pois é, Gustavo, pois é...