domingo, 29 de janeiro de 2017

Os filhotes da Cachorra de Guarus e o que está por trás do "verão da família"...

Parece não haver mais dúvida alguma de que o fenômeno social e político que deu sustentação a vitória dos coxinhas na cidade de Campos dos Goytacazes é bem semelhante ao que aconteceu em outras paragens, como a capital de São Paulo, e a grosso modo, na nossa matriz, os EUA...

Dentre tantas similaridades, o que causa mais asco é o discurso higienista, que associa sempre a pobreza como causa do caos urbano, quando na verdade, esses cretinos da mídia e sua legião de midiotas que infesta o feicebuquistão e outras redes sociais sabem que a pobreza e o caos urbano são efeitos de escolhas políticas definidas...

A voga agora é louvar o "sossego" e a "paz" do Farol de São Thomé, único balneário campista, que por anos recebeu enorme afluxo de gente por causa dos shows e da facilidade de mobilidade proporcionada pelo subsídio das passagens do transporte coletivo...

E claro, nesse discurso estão embutidos todos os preconceitos, racismo e xenofobia possíveis, como se a violência, as brigas, os roubos, os assassinatos, os problemas do trânsito e o cheiro de urina fossem exclusividade dos eventos destinados às classes mais baixas...

Na cabeça oca desses colonistas do holocausto, os pitbostas"e patriçoilas todos cevados a danoninho e todinho por papis e mamis, e depois inflamados a esteroides e outras substâncias, são anjos de candura, ordeiros e pacíficos, circulando em seus bólidos com urbanidade e respeito às leis, enquanto cabe a turba de pobres e pretos amassados em ônibus a pecha de flagelo público número um...

De certo, todo ajuntamento de gente, seja de qualquer classe for, alimentado por ingestão de substâncias entorpecentes (legais ou não), seja onde for, em boates ricas, estádios ou ao ar livre, seja pago ou gratuito, tende ao tumulto...

É um problema atual e contemporâneo o enfrentamento de jovens (de 15 até 24 anos, na sua maioria) que reivindicam filiação a algum grupo ou facção...

Esse não é um problema de Campos dos Goytacazes...São esses mesmos imbecis campistas que se queixam do Farol mas acham lindo e trés-chic o Reveillón em Copacabana, ou os blocos de rua do Rio de Janeiro, onde estão presentes os mesmíssimos problemas...

No entanto, dizer que a maioria dos jovens mais pobres, que se deslocava para a referida praia campista para ter algum lazer no verão é constituída de criminosos é de uma escrotidão sem limites...

Ao mesmo tempo, também é de uma estultice atroz imaginar que confinar esses jovens em seus guetos, reforçando a segregação, transformando-os em párias da cidade,  resolverá o problema...Na verdade, só trocará o problema de lugar...

Ahhhh, mas que se matem nas periferias (e talvez nos presídios, não é mesmo?), dirão os coxinhas do alto de suas varandas gourmet climatizadas...

Esse blog nunca foi partidário, diga-se de passagem, da política que privilegiava grandes eventos, com os desvios de dinheiro no pagamento dos cachês, e com enormes recursos públicos (segurança, atendimento de saúde, controle de trânsito, etc) alocados para o lucro de empresários que exploram as atividades periféricas desses eventos...

Mas os defensores daquela política alegavam, com certa razão, que para esses jovens (e para outros nem tão jovens) esses shows eram a única chance de que essas pessoas tivessem acesso aos artistas preferidos, uma vez que não detêm o poder aquisitivo para adquirir ingressos para apresentações privadas...

Por outro lado, se parte dos comerciantes e moradores do Farol se queixavam de que só havia atenção àquele balneário no verão, agora nem isso...

O abandono será 365 dias por ano...


O governo coxinha da planície lamacenta, incapaz de pensar algo fora da caixinha modelo dória-trump, jogou fora o bebê junto com a água suja do banho...

Um bando de fascistas, hipócritas de miolo-mole...

Se antes era cultura do jogar pão para os pobres nas arquibancadas do circo, agora a política é jogar os pobres como alimento para os leões para diversão da elite...

Nenhum comentário: