quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Campos dos Goytacazes: quem bancou a eleição do "libertador"?

Ainda não lemos nem ouvimos nenhuma informação que possibilite a população campista saber quem botou "tutu" na campanha do "libertador", don rafael bolívar...

É fundamental saber quem comprou "assentos" privilegiados no novo circo do poder...

Com tanto acesso e expertise em utilização das redes sociais, cadê a lista de "amigos", a "rede do bem" (desculpem, não posso conter os risos)...?

Não adianta encher linguiça e publicar lista de bens, propagandeando como se fosse uma grande coisa cumprir a lei...

Uai, esse não é o governo dos "novos hábitos", por que então celebrar quando são praticados, é um favor que o novo (velho) prefeito faz aos seus "súditos"?

Enquanto isso o ex-intelectual que ocupa a secretaria de educação vai ajudando na prestidigitação midiática...

Se não conseguem nem cumprir uma agenda mínima que recupere a cambaleante rede municipal, como se meter a tratar de ensino profissionalizante?

Esse governo é uma piada: como responsável por emprego e renda colocam um desertor dos patetas da lapa, que nunca teve um emprego digno desse nome...deve ser a promoção do ócio criativo (?)...

Vão "qualificar" os pobres para consertar cadeiras, limpar privadas e caixas de gordura, e quem sabe, cortar a grama das madames...?

Meu zeus...

De onde menos se espera, aí é que não sai nada mesmo...


5 comentários:

Anônimo disse...

Lendo seu blog percebo uma certa decepção quanto ao Brand New secretário de educação. Você inclusive o descreve como um ex-intelectual, o que certamente nada tem a ver com o doutorado que ouvi dizer que ele tem.
Bom, se ele é ex-intelectual hoje, algum dia deve ter sido... um intelectual! Como nunca ouvi falar dele nem de sua produção dita "intelectual", gostaria de saber o que o rapaz fez para tal. Você não chamaria assim um qualquer, portanto, a despeito de já iniciar sua gestão brandindo bobagens - e revelando a sua MARCA - o que o atual secretário já realizou na arena árida dos intelectuais.

Anônimo disse...

Completamente equivocado Caio!

douglas da mata disse...

O termo ex-intelectual é uma ironia e não tem uma correspondência com sua produção (ou ausência de) intelectual.

Se estás curioso em relação a isso, procure o curriculum lates dele.

O termo intelectual não está relacionado, sempre, com título acadêmico, embora essa seja uma boa referência.

Há bons intelectuais sem doutorado.

Minha crítica ao ex-intelectual é pelo fato de que suas crenças e antigas posições não coincidirem com o que anda fazendo e falando.

Não acho que seja requisito para ser um bom secretário "ter feito algo". Requisito indispensável, para mim, é coerência, justamente o que acho que anda faltando.

Anônimo disse...

Entendi Douglas.
Certamente você conhece o secretário e está vendo incoerência no pragmatismo da vida real.
Devo inferir que o novel político anda desdizendo o que dizia quando era um intelectual (de esquerda, certamente)?
Mas fica a dúvida e eu NÃO o estou defendendo, até porque achei ele um bundão: será que para a vida real acontecer não é preciso condescender com certas coisas?

Agradeço a sua resposta anterior.

douglas da mata disse...

Com certeza, para fazer política é necessário e indispensável fazer acordos e engolir sapos...

O problema é fazer discurso contra essa premissa da política, e se desdizer logo depois...

A minha crítica ao ex-intelectual nem é nesse sentido, porque eu acho que ele tem a dimensão dessa demanda para se fazer política, o que eu não entendo é como alguém que se disse de esquerda foi fazer em um governo desses...

Quer dizer...até entendo...