domingo, 18 de dezembro de 2016

Campos dos Goytacazes, velha oligarquia se renova: quem não sai aos seus são os monstros...

Como ensina nossa História recente, não é novidade que prefeitos sejam eleitos com artifícios proporcionados por golpes institucionais e ferramentas autoritárias...

Assim como o neto do avô se elegeu a bordo dos "atos institucionais" da franquia local da república morista, também o avô se elegeu na carona do golpe cívico-militar de 64...

É claro que a mídia cretina e os apoiadores passaram a ilustrar a biografia do avô como um democrata, um gestor que fez o que pode no seu tempo...

Falácia...mentira...

Tal e qual fazem com o neto...um arquétipo fascistóide caiado com votos da negação da política, alimentada pela massificação escrota do moralismo hipócrita...

O avô do futuro prefeito apoiou o regime militar e iniciou seus mandatos de prefeito filiado a ARENA...Ou seja, comeu na mão dos gorilas...

Em 1967, mesmo não tendo sido o mais votado, o avô do pequeno príncipe foi nomeado prefeito de Campos dos Goytacazes...

Naquela eleição, o mais votado foi o candidato do MDB, José Alves de Azevedo, um conhecido líder trabalhista local, que já havia exercido outros mandatos de prefeito (1950-54 e 1958 e 1962) e deputado federal (1954-1958)...José Alves teve 28 mil votos...

O avô do prefeito, segundo mais votado, assumiu em virtude da então nova regra do AI-2 (Ato Institucional nº 2), uma fórmula autoritária para conferir aos candidatos do regime (ARENA) o que as urnas negavam...

Hoje em dia os esquemas do neto do avô são mais sutis, mais sofisticados, mas não menos perigosos a Democracia...

Cantado em verbo e verba como "novidade", pelo que se vê, o neto do avô é só uma "atualização" de velhos métodos...

Dizem por aí que o herdeiro de José Alves de Azevedo, com a vitória do pequeno oligarca, animou-se para vingar esse golpe da eleição de 1966...

Se for verdade que o cavaco não voa longe do pau, será que o neto do avô vai apoiar um golpe militar que o mantenha no poder quanto tiver que enfrentar esse acerto de contas com a História?

Nenhum comentário: