segunda-feira, 28 de novembro de 2016

O PT de Campos dos Goytacazes vai reeditar a boquinha?

Eu ando totalmente afastado da vida orgânica do PT nessa cidade (tem alguma?), e portanto, posso estar completamente errado, e antecipadamente me desculpo, se for o caso...

Mas eu não tive notícia de que houve alguma deliberação do Diretório Municipal, e/ou de alguma instância com poderes para tanto, a fim de autorizar algum petista a integrar o governo recém-eleito na cidade...

Há sim determinação expressa de proibir qualquer aliança ou participação em governos do PPS, que integram com outros arquétipos de partido o conjunto de forças fascistas que depuseram a Presidenta eleita...

Logo, eu fico a imaginar se, no fim das contas, em se tratando do PT de Campos e do RJ, o napoleão da lapa tinha razão em tascar a alcunha de "partido da boquinha"...

A participação em administrações e/ou equipes de transição em governos dos partidos que integram a base golpista é caso de processo em Comissão de Ética e expulsão...

2 comentários:

Luiz de Pinedo disse...

Acho que temos de ter alguns cuidados nas nossas análise, concordo com vc que o PT de Campos está mais para um PT que tem práticas muito próprias. Eu sou filiado em Santo André, um PT que vem da Primeira cidade que elegeu um Prefeito do Partido Comunista em 1947, elegeu 13 vereadores, o Prefeito foi cassado com a ilegalidade do partido Comunista, mas a cidade se chamava Vermelha, era um reduto da esquerda, a História tem peso. Podemos fazer analogias e inúmeras reflexões. Militei no ABC Paulista de 1990 a 2007. Acho que concordo com vc quando diz que o PT de Campos de Goytacazes, está para aquilo que Wanderlei Guilherme dos Santos coloca que a Estrutura Partidária tem nuanças, e concordo em Campos, vai além de nuanças. São adaptações as questões locais. Como discutir isto, e concordo, tem de chamar um reunião do Diretório Municipal e discutir qual é a posição, apoiar o Governo Municipal eleito e discutir de acordo com as Deliberações. Acho correto o vereador Marcão sair do PT, pois ele tem um projeto pessoal que não passa pelo PT. A direção fegional deverá enquadrar o Diretório, pagamos um preço. Agora Boquinha é uma enorme generalização de quem só conhece o PT do RJ. Acredito no PT e na sua capacidade de continuar a organizar segmentos importantes da Sociedade. Aprendi na Sociologia que existem relações orgânicas entre Partido e Sociedade e acho que gostemos ou não o PT tem uma relação orgânica com os movimentos sociais. Que tem gente que gosta de boquinha tem, mas generalizar é outra coisa.

douglas da mata disse...

Caro amigo, o nome em questão é presidente local da legenda, e por mais que eu possa advogar a sua tese, de que o ethos particular de cada militante não pode ser confundido com o ethos coletivo, o fato é que a Sociologia também os ensina que os atos simbólicos, mesmo que restritos a um indivíduo, acabam por refletir o corpo no qual ele está inserido e representa.

Por isso há a figura (simbólica) do decoro e da liturgia de certos cargos, que proibem certas condutas para impedir que o senso comum enxergue nos atos isolados um ato de representação.

Quando o presidente do PT se prostitui sem que o o PT local o censure, vale o gesto (a prostituição).

Fazer acordo com o PPS é algo que nem merece ser discutido, mesmo respeitando particularidades locais.

Não vale dizer que temos alianças pragmáticas mais indigestas, como foi o PMDB, porque ali estava em jogo (pragmaticamente falando) a governabilidade.

O que o PPS nos oferece a nível nacional e regional que mereça essa relativização? Nada!

Ainda mais quando a plataforma do novo alcaide está estruturada no mesmo anti-petismo moralóide-midiático-jurídico-policialesco que nos vitima a nível nacional (e local também, por óbvio).

Um abraço.