terça-feira, 22 de março de 2016

A "crise" seletiva...

Engraçado ouvir o "silêncio ensurdecedor" da mídia local e nacional, junto com os blogs de coleira, sobre os cortes seletivos executados pelo (des)governador do pé grande...

Criminosa a sua conduta (do desgovernrador), se o mp estadual e o judiciário tivessem o mínimo de coragem para atacar os atos de (des)governo...Como se sabe, coragem institucional desse pessoal só se o alvo for o PT e aliados...

A mídia então nem se fala...há motivo$, muito$ motivo$ que sequestram o verbo e o bom senso...

Mas nada escapa a rede...

Veja o texto que trouxemos lá do blog do Nassif...

O os cretinos falam em crise...crise para quem, imbecis?

Pezão dá isenção fiscal para empresas e corta verbas da educação

Jornal GGN – Ontem, 21 de março, alunos e professores da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) protestaram contra as políticas do governador Luiz Fernando Pezão para a educação.
Na convocação para o ato, os organizadores denunciaram uma série de problemas na gestão da educação pública: “Terceirizadas demitidas sem pagamento, bolsas e salários atrasados, restaurante universitário fechado, corte na FAPERJ (Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro) e HUPE (Hospital Universitário Pedro Ernesto) sucateado”, listaram.
Para eles, “são ações sequenciais que só demonstram o interesse de desmontar o ensino gratuito”. Os manifestantes consideram inviável que o governo decida penalizar a educação pública do estado pela crise econômica. “A educação deveria ser prioridade e as escolas e universidades não vão pagar pela crise!”.
Na manhã de 16 de março, professores e pesquisadores que dependem de financiamentos da FAPERJ lotaram a Comissão de Educação da Assembleia Legislativa. Uma audiência pública tratava do atraso no pagamento de bolsas e cortes no orçamento da entidade.
O governo encaminhou ao Legislativo uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC 19/2016) prevendo o corte de R$ 210 milhões, metade das verbas que seriam destinadas à FAPERJ até o final de 2018.
Críticos da proposta entendem que o governador está realizando cortes em áreas estratégicas e essenciais para tentar compensar a queda na arrecadação e a crise econômica.
“Quem manda uma PEC dessas para cá perdeu o bom senso. A justificativa da PEC é absurda. Está escrito que este corte é para promover políticas públicas e estimular o crescimento econômico. É melhor deixar em branco do que escrever isso. É mais honesto. Não investir em ciência, tecnologia e pesquisa não representa crescimento econômico”, afirmou Marcelo Freixo durante a audiência.
A FAPERJ está no vermelho. A entidade tem uma dívida de R$ 136,5 milhões a 1200 projetos de pesquisa aprovados em 2015. A falta de verbas paralisa iniciativas vitais, como a pesquisa do zika vírus realizada pelo Laboratório de Virologia Molecular da UFRJ.
Além disso, desde janeiro, a instituição está devendo os valores das bolsas de cinco mil pesquisadores, muitos deles em regime de dedicação exclusiva, ou seja, sem outras fontes de renda.
“O prejuízo é para o Rio de Janeiro, não somente para os profissionais. Essas pesquisas não começam no mestrado ou doutorado, são sonhos de uma vida inteira que o governo está atingindo”, disse Freixo.
Enquanto isso, Pezão já concedeu a empresas isenções fiscais que somam R$ 138 milhões. Recentemente, o governo assumiu dívida de R$ 39 milhões da Supervia, que é controlada pela Odebrecht, com a Light. “O governo diz que não tem R$ 9 milhões, mas dá isenção de R$ 138 bilhões para empreiteiras corruptas que financiaram campanhas eleitorais. É muita isenção para bancar determinados lenços e guardanapos na cabeça”, afirmou o deputado.
Nova audiência pública sobre o assunto deve ser realizada no plenário da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ). Os deputados dizem que vão apresentar projetos de lei para que o pagamento dos bolsistas seja obrigatoriamente realizado nos mesmos dias do pagamento dos servidores públicos e para que seja criada uma vaga para os bolsistas no conselho da FAPERJ.
Os secundaristas também estão protestando no Rio de Janeiro. Cerca de 200 estudantes ocuparam o Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha do Governador. Eles apoiam a greve dos professores e exigem que a Secretaria Estadual de Educação abra diálogo sobre as reivindicações dos servidores e dos alunos.
A Secretaria Estadual de Educação entrou em contato com os alunos para negociar a desocupação. O gabinete disse que se reuniria com eles hoje (terça-feira, 22) se eles saíssem da escola ainda ontem.  Em assembleia, os estudantes negaram a proposta.

2 comentários:

Anônimo disse...


A Globo não dá ponto sem nó. Ministra do STF, Cármem Lúcia, depois de receber o premio da Globo declara: Impeachment não é golpe! Ministro Joaquim Barbosa, também premiado pela Globo, dirigiu o mensalão, esquecendo de julgar o do PSDB, anterior ao do PT que está prescrevendo sem julgamento. Juiz Sérgio Moro, outro que também foi premiado pela Globo, pelo governo dos EUA e agora pela revista americana Fortune está cotado também para ganhar o “Oscar” de Hollywood por efeitos especiais. Pena que o mais badalado da operação Lava Jato, o agente Newton Ishii (o japonês) tenha sido condenado pela STJ.

Pelo andar da carruagem, o juiz Sérgio Moro vai ganhar todos os prêmios dos EUA, pois ele faz muito mais do que faria um agente da CIA.

Convocou os procuradores americanos para fiscalizar a Petrobrás, na verdade legalizou a espionagem. Para ser sério, Moro teria que mandar os procuradores brasileiros para investigarem a petroleira americana Chevron.

A Chevron foi denunciada pelo Wikeleaks na interceptação da troca de correspondência entre o então candidato tucano derrotado, Jose Serra a presidência em 2009 e a Chevron. Nessas correspondências, Serra prometia favores a Chevron em prejuízo da Petrobrás.

Anônimo disse...

AS DESCULPAS DE MORO PODERIAM SER SINCERAS SE DIRIGIDAS AOS GRAMPEADOS E NÃO AO STF.