terça-feira, 1 de dezembro de 2015

"pezão" e sua tesoura seletiva: Silêncio na cretinolândia!

Quem enxerga um pouco além da superfície da conjuntura, e quem rejeita os juízos fáceis da mídia cretina já sabe que o atual arrocho das contas públicas não pode ser imputado apenas (eu disse apenas) a (má) gestão dos administradores dos diversos níveis de governo...

Aqueles que conseguem obter um pouquinho mais de informação sabem que boa parte do péssimo momento enfrentado por algumas economias é resultado direto das movimentações do capitalismo global, que atinge de forma mais dramática os Estados Nacionais com mais debilidade institucional e com economias mais dependentes, como é nosso caso...

No entanto, esta premissa não exime a parcela de responsabilidade de quem a tem, e muito pior, não esconde o fato de que nos momentos de precariedade, a maioria esmagadora dos governantes escolhe o caminho mais fácil: 

Penalizar os servidores, cortar investimentos sociais, etc...para manter intactos e/ou com com pouco impacto sobre contratos e obras dos "amigos empresários"...

Na outra ponta, disparam tarifaços que incidem de forma desproporcional sobre contribuintes, aumentando a carga sobre os mais pobres e eximindo os mais ricos, aliás, como sempre!!!

Então, na hora do sufoco, repete-se a lógica permanente: Aos mais ricos, tudo ou o que restou, aos mais pobres, FODAM-SE...

Só isso justifica que apenas os servidores da ralé, policiais, professores, etc, tenham seus salários parcelados pelo governador do Estado do Rio de Janeiro, enquanto delegados, promotores, juízes, etc, tenham seus vencimentos intocados...

Ninguém em sã consciência deixaria de considerar a necessidade de um esforço para superar a crise, caso ela fosse (com)partilhada a cada um de acordo com sua capacidade...

Mas o que ocorre é justamente o contrário...

Bom, como ninguém trabalha de graça, os servidores de tiveram seus vencimentos parcelados deveriam comparecer aos seus postos na proporção das horas já pagas...

Quem trabalha de graça é relógio...

No caso da vacância dos serviços, incluindo aqueles considerados essenciais, poderá o governador lançar mão dos servidores que tiveram seus salários intactos para substituir aqueles que sequer têm dinheiro para ir ao trabalho...

Nada mais justo que quem ganha mais dê um pouco mais de si, não? Uma boa oportunidade de voluntariado...sentimento cívico...!!!

Seria divertido ver estes servidores desempenhando tais funções: Juízes na sala de aula, promotores nas viaturas policiais, e por aí vamos, que tal? 

Sem mencionar que teríamos esses "deuses" descendo ao mundo terreno...

Pois é...mas fiquem tranquilos, nós policiais estaremos felizes e contentes, servindo a população no Ano-Novo, Carnaval e na Olimpíada...


Enfim, engraçado é (não) ver, ouvir ou assistir os seguidores do governador, os órgãos locais de imprensa que mamam nas tetas da publicidade oficial, tecendo uma consideração sequer sobre a tesourada seletiva do (des)governador...

E se fosse a prefeita e seu marido-prefeito que tivessem recorrido a tal medida?

Quais seriam as críticas e argumentos?

Seriam estes que não foram usados para falar do governador?


2 comentários:

Anônimo disse...

Mídia cretina! Mídia cretina!

Anônimo disse...

Alguns ainda tem a cara de pau de dizer que a culpa do Governo do Estado não ter pago integralmente o salário de seus servidores é da Dilma e do PT, impressionante.

Rapaz, virou mania agora no Brasil o pessoal só falar M...