sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Elza Soares - A Carne (Negra).



Como classificar terrorismos, uma chave fundamental na sociedade moderna é definir (ou não definir, como e mais comum), os conceitos de raça e cor...

Comumente os cretinos e os imbecis que os cercam, vomitam conceitos que misturam genótipos com fenótipos, buscando primeiro negar a existência de raças ou de um discurso de raça, para depois, com muita insistência, admitir que há raças e preconceitos, mas resumindo as práticas racistas à alguma condição de debilidade moral ou psicopatologia, como no caso dos ataques terroristas dos brancos supremacistas estadunidenses...

Por aqui, aqueles que proclamam a "igualdade" atacam sistematicamente qualquer medida de reversão das injustiças históricas ou da construção de uma memória de luta por igualdade, vociferando contra as as políticas afirmativas até o feriado de hoje...

Os empresários, que se auto proclamam socialmente resopnsáveis, e refutam em público qualquer ato racista, sequer disfarçam seu desprezo pela data comemorativa, e correm para "negociar" a abertura de suas lojas...

Alguém imagina a negociação do feriado da suposta paixão do carpinteiro bastardo, a quem os fundamentalistas católicos chamam de "messias"?

Ou o dia da morte do inconfidente  mineiro, ele mesmo branco e apresentado como uma imagem do judeu crucificado por Pilatos?

Pois é...

A carne negra não é a mais barata, porque neste país ainda não tem valor algum...

São 70% entre os presos...

São quase 65% entre os assassinados por arma de fogo...

São a maioria entre os mais pobres e os analfabetos...

Ganham menos 1/3, em média, dos assalariados que desempenham as mesmas funções...

São a maioria entre desempregados...

E se for mulher e negra, os números só pioram, com exceção dos homicídios, porque a violência fatal ainda é monopólio machista...

A arma mais letal da Humanidade é a hipocrisia...


Um comentário:

Anônimo disse...

Excelente!!!