quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Ah, os alemães...DAS AUTO!

O escândalo das emissões dos carros movidos à diesel, produzidos pela VW para o mercado dos EUA só surpreende os tolos e os cínicos...Não creio mais em ingenuidade...

O fato revela não só o caráter pernicioso e o ambiente fétido dos negócios, que como as salsichas alemães carregam segredos insondáveis, mas joga por terra a crença de que o setor privado é um santuário de boas intenções e eficiência (ao contrário da política suja e do setor público impregnado de servidores e gestores preguiçosos e endemicamente corruptos), e pior: 

Destroça por vez o mito da seriedade alemã!

Como se não bastasse a História nos contar que empresas como Bayer, Hoescht, Bosch e etc usaram e abusaram da mão-de-obra judia fornecida pela SS e GESTAPO, e com o caso recente da SIEMENS nas licitações no METRÔ-SP, agora essa esparrela nos domínios do Tio Sam!

Pois é...DAS AUTO!

Leia a repercussão aqui, aqui, e aqui...

12 comentários:

Anônimo disse...

Alemães, ingleses... O país numa merda do caralho, indústria fechando, PIB negativo, dólar em recorde, inflação, volta da CPMF. Presente de 13 anos de PT e você não fala nada. Eu gostaria que você dissesse com toda sinceridade se acha que o PT e seus companheiros tem alguma culpa dessa crise. Ou se ela também é culpa de Fernando Henrique, PSDB, conjuntura internacional, Rede Globo,Sérgio Mota, etc. Eu nunca vi você colocar nada na conta do PT. Vou fazer aquela observação infantil que você faz de vem em quanto às avessas...Ah se fosse o PSDB!

Anônimo disse...

Se fosse o PSDB você ia postar 10 comentários por dia. Mas como é o PT, parece que nada tá acontecendo.

douglas da mata disse...

Aos pobres boçais, vamos aos fatos:

O texto é longo, portanto, só tentem ler se acharem que são capazes de digerir informação um pouco mais densa que a merda rala que vocês bebem da globo e seus cúmplices:

01- Em 1994, ou antes, em 1993, depois de um longo ciclo de expansão dos capitais voláteis pelos mercados mundiais, após o choque da OPEP (1973) e a explosão das dívidas dos países endividados em dólar (quase todos do chamado 3º mundo), os donos do mundo resolveram que era hora de enxugar as espirais inflacionárias, haja vista que a curva exponencial que levava os índices a inacreditáveis quatro ou cinco dígitos percentuais, e que já ameaçava a liquidez dos títulos, e a bem da verdade, vários países (aí o Brasil) pediram moratória no fim da década perdida (80). Ou seja: de tanto sangrar os países pobres, eles pararam de respirar.

02- Assim, o consenso de Washington, capitaneado pelos Chicago Boys, aqui representados pela turma do Malan (Fraga, Motta, Franco, Loyola, etc, hoje banqueiros bem sucedidos e nunca incomodados pela mídia pelas gordas comissões que levaram na privataria tucana), partiram para o "enxugamento" da inflação, venda de ativos (estatais) a preços módicos, juros extorsivos e corda bamba cambial, chamada de "paridade".

03- Montou-se a farsa do 1 real = 1 dólar, matou-se a economia do país (que naqueles anos "dourados", 94 até 2002, cresceu vegetativamente, e ainda assim terminou seu ciclo com inflação de 12% ao ano (2002), juros anuais de mais de 30% e desemprego na casa dos 12%.

Ressalte que o PIB não chegava a U$ 900 bi e o salário mínimo era de menos de 90 dólares.

Tínhamos U$ 14 bi de dólares de reservas cambiais, e o FMI "salvou" a reeleição de ffhhcc em 98 e tentou o mesmo para emplacar çerra.

Pois bem, veio 2002, a expansão chinesa proporcionou um "boom" no preço das comoditties (o que a gente vende, soja, minério, etc) e nos legou condições macroeconômicas bem favoráveis, que nos permitiram enfrentar a maior crise desde 1929 em condições bem melhores, pois vejam:

01- A inflação de hoje, 9.8% ao ano é menor que a inflação medida no fim da "década de ouro dos economistas e dos jornalistas do PIG" (94-2002), que batia em 12% (aproximados).

02- O desemprego é menor, os salários continuam maiores e o PIB do país é de algo em torno de 3 trilhões de dólares, ou seja, mais de três vezes o que era com os "jênios" do psdb.

03- No tocante a investimentos sociais, fica até vergonhoso comparar as 500 mil famílias que eram atendidas pelos programas de renda mínima com as 5 milhões de hoje, número que permitiu, como já comprovaram as pesquisas, que durante a crise em 2010, o país mantivesse seu níveis de consumo;

04- O PT abriu 200 escolas técnicas e outras 20 universidades, aumentando vagas em número considerável, enquanto na "época de ouro" não se abriu uma só universidade e nenhuma escola técnica (hoje chamados de IFF). Temos hoje milhares de estudantes no exterior, Ciência sem Fronteiras. O financiamento a educação, embora tenha diminuído com a crise, é muito maior que na "época de ouro".

05- A lista de comparações é interminável, mas principalmente, é preciso ter honestidade intelectual (o que vocês não têm) para entender que o que difere, principalmente, os dois governos são as escolhas:

fhc queria "arrumar" as coisas para entregar aos bancos.

o PT até admite arrumar as coisas (arrocho fiscal, chamado de "ajuste") do jeito ortodoxo, mas o objetivo é beneficiar os mais pobres.


Enfim, com fhc, a roubalheira comeu frouxa ("no limite da irresponsabilidade", lembra?) e a PF e o MP, ou os Juízes nada fizeram.

Já agora, a sensação deveria ser de alívio pelos esquemas descobertos, mas aí vem a lama editorial convencer idiotas como você de que nunca se roubou tanto como agora.

A pergunta é:

Como saberíamos do roubo se não houvesse investigação?

Anônimo disse...

Porque não investigaram o governo fhc quando o pt assumiu o poder?

Anônimo disse...

Ah ta... Tudo bem. Mas você não respondeu minha pergunta. Acho até que foi de propósito. Vou tentar mais uma vez...Que culpa tem Lula, Dilma (a presidente), e o PT (há 13 anos no poder) na gravíssima crise atual? Nenhuma? Foi isso que perguntei. E acrescentei que se fosse o PSDB no governo a culpa seria toda dele.

douglas da mata disse...

Cavalgadura,

Eu acho que vou ter que desenhar: eu acredito (e acho que esse foi o sentido de minha resposta) que não podemos buscar "culpados" quando se trata de ação política e de Presidentes da República.

O que podemos investigar e responder é quais são as escolhas que eles fazem, e quais são as consequências e quem são os mais atingidos.

É esse o mote, seu asno!

"Gravíssima crise atual?", Comparada a que crises anteriores, àquelas que estávamos pedindo esmolas ao FMI, e que este fundo cagava em nossas cabeças? Há ambiente parecido hoje em dia?

O) capitalismo é um modelo de crises lineares permanentes, onde sua construção, destruição e (re)construção concentram mais e mais riqueza, sendo assim, nenhum Presidente de país de periferia vai poder ser culpado, a não ser pelas escolhas sobre quem recairá o ônus destas crises.

ffhhcc escolheu combater a inflação pagando salários de fome, e com desemprego recorde, sucateando universidades, vendendo estatais a preço de banana, e esquecendo os mais pobres.

Lula e Dilma podem até não ter se afastado da ortodoxia exoncômica, mas a escolha é clara pelos mais fracos, e por isso são combatidos por idiotas como você!

Ao outro beócio:

Filho, não confunda o PT com Governo. Governos, embora tenham plataformas e programas orientados pelos partidos, são entes que representam TODOS os eleitores, é o que chamamos de Republicanismo.

A Presidenta não poderia dirigir investigações para este ou aquele partido, isso não cabe a ela, nem a nenhum mandatário, assim como não pode mandar parar ou atrapalhar investigações sobre este ou aquele partido, ainda que seja aquele o qual ela está vinculada.

O problema é que TODAS as investigações foram barradas pelo Judiciário (que partidarizou-se) quando se tratou de psdb.

O caso do "mensalão" começou em MG, com Eduardo Azeredo, e até hoje nada, foi desmembrado e jogado na justiça comum (justamente a tese que foi negada a defesa dos petistas sem prerrogativa de foro, lembrea?).

O caso Alstom-Siemens/Metro de SP e psdb não atingiu nehum figurão do psdb, embora estivessem todos metidos até a medula, por 20 anos!!!!

Agora, na Inquisição do Paraná, TODOS os citados com ligações com o psdb foram cuidadosamente poupados!!!!

Apesar das robustas PROVAS DOCUMENTAIS apresentadas por Amaury Jr em seu livro Privataria Tucana, nenhum integrante do MP sequer cogitou pedir investigação alguma a PF...Já quando alguma revista semanal de merda publica qualquer ilação sem qualquer provas, o mundo desaba!!!

É por isso que não se investiga o psdb, micróbio!

Meu filho, melhore seus argumentos, se informe, pare de se intoxicar com a lama editorial que sai do esgoto do PIG!!!

Anônimo disse...

Douglas, você poderia escrever sobre essa nova crítica que vem sendo feita contra os governos do PT, que foi o financiamento dado pelo BNDES à obras realizadas fora do nosso país. Dizem que o PT quebrou o BNDES com esses financiamentos que não trouxeram nenhum benefício ao país. Queria ler sua opinião sobre o assunto.

Anônimo disse...

O pt quando assumiu o poder tinha base política suficiente para abrir a cpi da privatização.
Porquê não fez?

douglas da mata disse...

Anônimo de pensamentos chulos, pense antes de falar (escrever) asneiras:

O PT em 2003 (janeiro) assumiu sob a chantagem do câmbio, quando no fim da era ffhhcc, os credores empurraram o dólar a mais de 4 reais, mas com uma crucial diferença para hoje: as reservas estavam no "volume morto", e o país dependia do FMI e suas "exigências".

Tanto é verdade que o PT, durante a era Palocci assumiu a agenda ortodoxa na economia (política econômica) e equilibrou as contas com manutenção da taxa de juros alta (que foi baixando depois) para acalmar a fúria dos mercados.

A base parlamentar do PT não contava 300 deputados (o próprio PT elegeu em 2002 algo em torno de 70 deputados).

O vice era José de Alencar, um nome "do bem", mas com raízes no conservadorismo mineiro, justamente, o aval pretendido por Lula (e Zé Dirceu) para manter diálogo com a base empresarial.

Se o PT ousasse tocar nas privatizações (com uma CPI) a mídia e cretinos como você diriam que estávamos pretendendo uma (re)estatização.

Chega, meu filho, chega, você não conseguirá nada por aqui, vá passear sua idiotia por outras plagas!

Ao outro comentarista:

Meu amigo, não conheço os balancetes do BNDES para analisar, mas veja:

O governo (é diferente do PT) assumiu a tarefa de fazer o que o setor privado não fez: aportar investimentos em diversos setores para dotar o país de uma nova (infra)estrutura, que foi demolida pelos anos "dourados" de ffhhcc e sua privataria.

Podemos questionar as escolhas dos setores agraciados com os incentivos, a estratégia adotada, mas o governo Lula e Dilma deram uma dinâmica à economia que estava estagnada.

Várias empresas passaram a funcionar como multinacionais, trazendo recursos para suas matrizes (brasileiras).

Todos os empréstimos são feitos de acordo com as regras do mercado, e não há dinheiro público, e sim recursos do BNDESpar, um fundo composto por investidores e em parte pelo governo, que remunera seus títulos de acordo com prazo e risco.

Se vão haver perdas? Possivelmente, mas não é o mercado que querem?

O BNDES não está quebrado, a não ser para as pitonisas que apostam na sua quebra ou enfraquecimento para que deixe de ser um instrumento estatal de intervenção.

O que é espantoso é que o BNDES (naquele época sim, dinheiro público, com recursos diretos do Tesouro) e os fundos de previdência dos funcionários das estatais, foram usados à larga para financiar a privataria tucana (no "limite da irresponsabilidade") e não houve um ruído sequer.

Anônimo disse...

Realmente é difícil entender, apesar de suas explicações, como pode o governo ter autorizado o repasse – a fundo perdido, pois foi um subsídio, sem necessidade de ser pago - para o governo de Cuba modernizar o porto de Mariel. O governo não diz o total que foi repassado, mas pelo que foi apurado, valores de um programa que usa recursos públicos para incentivar exportações brasileiras mostra que Cuba recebeu US$ 107 milhões (o equivalente a R$ 239 milhões) no período da reforma do terminal. O empreendimento teve um financiamento de US$ 692 milhões (R$ 1,5 bilhão) do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Ao todo, o porto custou US$ 957 milhões.

Anônimo disse...

No que diz respeito a esses escandalosos contratos do BNDES, queria saber como uma operação como essa, feita com dinheiro dos contribuintes brasileiros, era vantajosa para o nosso banco? E o mais importante, qual era o benefício econômico da obra para os interesses brasileiros?

douglas da mata disse...

Minha paciência esta quase no limite, acho que estou falando (escrevendo em) grego, ou aramaico...

O dinheiro não é do Tesouro (nem poderia), mas sim do BNDEpar, um fundo semi-privado, onde o banco é participante, junto com outros particulares.

O Porto de Mariel é considerado estratégico, e desperta o interesse de vários players internacionais, ainda mais com a perspectiva de levantamento dos embargos.

Os juros e condições, bem como as garantias atendem ao que o mercado já conhece nestas transações.

Eu fico pasmo: os imbecis gostavam quando o Brasil vivia de pires na mão, pedindo esmolas ao FMI.

Agora que conseguimos e partimos para agir de acordo com o tamanho da nossa economia e relevância geopolítica, a síndrome de vira-latas ataca com força...

Digo e repito: não foi subsídio, foi contrato de empréstimo tendo como contrapartida a preferência dos investidores (BNDESpar) nas operações do terminal.

Mesmo assim, fica a pergunta: como é que os idiotas imaginam que o capitalismo dos EUA tronou-se o que é? Só com o espírito "desbravador" dos capitalistas? Vai ser burro assim em Guntánamo...