quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Dead Kennedys - Holiday In Cambodia Legendado PT-BR





A guerra é antiga, mas os motivos permanecem os mesmos...



Mas um pouquinho do "humor" do Dead Kennedys...

Dead Kennedys - Fresh Fruit For Rotting Vegetables (Full Album)





Olhando o estado das coisas, eu fico a pensar que os punks poderiam até ser chamados de otimistas nos dias de hoje...

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Rage Against the Machine - Full Concert - 07/24/99 - Woodstock 99 East S...



Esse aí deve ser quem o babaca-coxinha-comunidade  do falcão (o rappa) gostaria de ser quando crescer...

Sacudam a poeira, e divirtam-se...se sobrar alguma coisa...

domingo, 27 de setembro de 2015

Ei, Neymar, vai tomar no c*...

Pois é...

Depois de protagonizarem cenas dignas de mais pura selvageria, quando xingaram a Presidenta Dilma em jogo de abertura da Copa do Mundo, os coxinhas-dementes estão em silêncio quanto ao vexame do seu maior ídolo, Neymar Jr...

O bom garoto, símbolo de uma geração que adora se exibir publicamente, mas que professa um egoísmo atroz, salpicado aqui e ali de algum gesto assistencialista sentimentalóide e de emoção barata, cuidadosamente posado para as câmeras ou para as redes sociais, teve seus bens bloqueados no valor de R$ 188,8 milhões, em ação que cobra cerca de R$ 63,6 milhões...

É o que diz o El País... 

Claro que o moço pode ser inocente e assim deve ser considerado, até porque, no Brasil, os crimes contra a ordem tributária (Lei 8137/90) prevê que o recolhimento dos tributos devidos elide a ação penal...

Mas não deixa de ser irônico...

Como se vê, o futebol (ou outras papagaidas patrióticas) é o máximo de cidadania que esse pessoal consegue expressar...

Será que o pessoal coxinha-demente vai promover algum panelaço ou tuitaço quando o cretino do galvão bueno narrar alguma jogada do "bom moço"?

Quem sabe...?

Eu aposto que não, porque o esporte preferido dessa gente escrota é cobrar moralidade enquanto sonega impostos e/ou se apropria da coisa pública!


Deliciosa ingratidão...

Belo texto garimpado no Diário do Centro do Mundo...

Ei-lo:

“E ela vivia me agradecendo por tê-la ensinado a gozar com penetração”. Por Fábio Hernandez



Postado em 26 set 2015
image
Meu tio Fábio, um homem sábio do interior, um dia me entregou um livro do Plutarco. Confesso que tremi diante da idéia de enfrentar, na inexpugnável solidão da leitura, as páginas com certeza brilhantes mas inevitavelmente árduas do grego. Mas, prático que é, e conhecedor das limitações de seu sobrinho como leitor, tio Fábio me avisou que desejava que eu lesse somente um trecho marcado numa determinada página.
Ali se contava a história de um soldado que salvara a vida de um rei numa batalha. Um sábio imediatamente aconselhou o soldado a fugir. O soldado preferiu ficar, na esperança de ser recompensado pelo rei que salvara. Acabou morto. E logo. Quando terminei de ler essa história, imediatamente me lembrei de outro trecho de livro que tio Fábio me passara. Platão – tio Fábio sempre bebeu na sabedoria grega – contava que Sócrates disse mais ou menos o seguinte aos homens que o condenaram a tomar cicuta: que bem fiz eu a vocês para que me tratem assim?
As duas história tratam do mesmo tema: a ingratidão. E francamente: não sei por que iniciei minha coluna com a dupla história grega de ingratidão humana. Ou melhor. Sei sim. É que eu queria fazer uma conexão entre aqueles episódios e a vida amorosa. O fato cruel e inescapável é o seguinte: o amor é ingrato. O amor tem uma série de virtude: ele ilumina, ele embeleza a vida, ele torna divertido um congestionamento. Mas ele é ingrato como o rei que matou o soldado que o salvara e os atenienses que fizeram Sócrates beber cicuta.
Um amigo meu, Roni Maldonado, outro dia veio desabafar comigo. Ele acabara de romper com a namorada, uma loira de fazer cego olhar para trás, e ela além de gritar-lhe insultos arrebentou a pontapés a porta de seu carro. Roni é essencialmente um ingênuo do amor, um otimista das relações sentimentais. Ele sinceramente achava que, por fatos como ter arrumado um bom emprego para a namorada e num período de depressão ter-lhe até financiado um terapeuta de 400 reais a hora, receberia de volta alguma gratidão, e não uma porta de carro arrebentada a golpes de salto alto.
Tive vontade de apresentar Roni a tio Fábio e pedir a ele (meu tio) que falasse um pouco a meu amigo sobre a gratidão humana. Tive vontade de falar um pouco do soldado e de Sócrates, do rei assassino e da cicuta. Mas apenas balancei a cabeça numa muda expressão de solidariedade a meu amigo ferido na alma. Roni, refleti, passará a vida inteira atrás de uma ilusão, de uma fantasia tão irreal quanto a espada de Artur: a gratidão amorosa. O que você possa ter feito de bom a alguém numa relação amorosa não conta no final. O que vale são apenas os crimes, geralmente imaginários, que você cometeu. Não conheço caso de amor que termine com uma declaração sincera de agradecimento pelos serviços prestados.
Roni me contou, em sua estupefação tola, que até em relação ao sexo ouviu palavras que quase o reduzem a um eunuco da corte de Ramsés. “E ela vivia me agradecendo por tê-la ensinado a gozar com penetração”, me repetia ele. “No final me disse que eu não tinha nenhuma imaginação quanto a sexo. Que eu era um idiota sexual.”
O meu ponto é o seguinte: faça sempre tudo que puder por sua namorada, mulher, amante. Tudo. Agrade-a de todas as maneiras possíveis. Flores, beijos, bom sexo, atenção. Dê tudo. Mas jamais cometa o erro fatal do soldado. Não faça nada esperando gratidão. O amor é ingrato como o rei que matou o homem que o salvara da morte.
(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).
Sobre o Autor
O cubano Fabio Hernandez é, em sua autodefinição, um "escritor barato".

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Ah, os alemães...DAS AUTO!

O escândalo das emissões dos carros movidos à diesel, produzidos pela VW para o mercado dos EUA só surpreende os tolos e os cínicos...Não creio mais em ingenuidade...

O fato revela não só o caráter pernicioso e o ambiente fétido dos negócios, que como as salsichas alemães carregam segredos insondáveis, mas joga por terra a crença de que o setor privado é um santuário de boas intenções e eficiência (ao contrário da política suja e do setor público impregnado de servidores e gestores preguiçosos e endemicamente corruptos), e pior: 

Destroça por vez o mito da seriedade alemã!

Como se não bastasse a História nos contar que empresas como Bayer, Hoescht, Bosch e etc usaram e abusaram da mão-de-obra judia fornecida pela SS e GESTAPO, e com o caso recente da SIEMENS nas licitações no METRÔ-SP, agora essa esparrela nos domínios do Tio Sam!

Pois é...DAS AUTO!

Leia a repercussão aqui, aqui, e aqui...

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Ah, esses ingleses...!

Não é de hoje que os ingleses detêm o humor mais refinado do planeta...Não há quem se aproxime deles nesse quesito...

Monty Python é impagável, e brutalmente atual, apesar de algumas piadas datadas...Dali saiu o hilário Peter Sellers, dentre outros...

Howard Atkinsons (o Mr Bean, também confundido com um triste deputado local) é outra cria deste humor ácido, que rejeita o riso fácil, ainda que pareça pastelão...

Chaplin é o pai de todos...

Não conheço profundamente Shakespeare, mas há quem conheça e diga que ele também trazia muito humor em sua obra!

O caso é que os ingleses são muito engraçados, e talvez porque sejam engraçados na vida real...

É a terra dois tablóides, que para o bem e para o mal, levaram as últimas consequências a xeretice, a ponto de matar uma princesa...

Choraram lágrimas de crocodilo, as vendas caíram um pouco, mas depois tudo voltou ao normal...

Depois do "escândalo" do Lord cheirando todas com prostitutas e reclamando das "altas despesas", agora é David Cameron, o Primeiro Ministro que foi pego pelo humor fatal dos britânicos...

Em uma biografia não autorizada, um dos seus aliados e doadores, o conservador Lord Ashcroft. disse em seu livro que Cameron fumou maconha, quando jovem, em uma festa de "iniciação" em Oxford, e depois fez sexo com um pouco morto...uma espécie de necroporcofilia...

Atire a primeira pedra, penso eu...Quem não teve dias "muito loucos"?

Mas o pior, e talvez nem tão engraçado, foi a revelação do próprio Ashcroft (amigo da onça) que Cameron escondeu dos eleitores, em 2010 estripulias fiscais do Lord A. para escapar do pagamento de tributos em seus investimentos no exterior...

Como se vê, não há limites para a sacanagem e a hipocrisia conservadora!

Bem, para o bem do pobre porco, pelo menos tiveram a decência de matá-lo antes!

Leia a matéria aqui e aqui...

Agora eu fico imaginando o que diriam a Financial Times, a The Economist ou The Observer se fossem o Lula ou a Dilma...

O mito da qualificação versus empreguismo: Como diminuir (ainda mais) o Estado para entregá-lo aos de sempre!

Cada época, sabe-se lá se por uma lógica orientada ou aleatória, ou os dois, as mídias nacional e local dedicam-se a requentar consensos ideológicos travestidos de preocupação republicana...

A bola da vez, e de sempre, é o tamano da máquina pública, sua chamada eficiência, e por fim, a necessidade de torná-la mais técnica, e por conseguinte, menos "política"...

Há vários erros e cinismo embutidos na linha de raciocínio derivada destes postulados, e muita gente boa que admiro, não raro, acaba por cair na armadilha ideológica proposta pelos cretinos das redações...

Primeiro erro: Supor que haja um Estado que esteja acima da luta de classes, e deste modo, possamos ter um Estado construído com uma burocracia neutra, ou "técnica", capaz de estar insensível ou alheia a disputa pelo controle do aparato estatal...

São as chamadas "ações de Estado", atemporais e perenes, que devem sempre superar as "ações dos Governos", sempre datadas e sazonais...

Colóquio para embalar bovinos...

Não há política de Estado que não tenha como origem um princípio caro a uma denominação ideológica ou a um partido que represente uma classe...

As políticas de Estado, entendendo este ente como um sistema hegemônico de dominação de uma classe sobre as demais, sempre trará um conteúdo conservador e opressor em sua gênense, se considerarmos a natureza de quem o controla há séculos: A elite.

As políticas contra-hegemônicas, e que são implantadas raramente, quando o modelo representativo permite a chegada ao governo de forças contra-hegemônicas, serão sempre consideradas de "governos" , ou "partidárias", porque atacam a orientação intrínseca do Estado de servir aos poderosos...

Feito este preâmbulo, é preciso dizer: Não há nenhuma garantia, em nenhum modelo administrativo do mundo, seja nos EUA, na Alemanha ou em Burquina Fasso, que servidores concursados e "treinados" conseguirão garantir um serviço público que contrarie os interesses patrimonialistas...

Aliás, esse é o verdadeiro problema "esquecido" pelos "analistas":

Antes de determinar o tipo de servidor que terá, o Estado deverá antes definir a quem servirá...

E aí, em um Estado que tributa pobres e renuncia os tributos dos ricos, que mata 50 mil pobres e pretos por ano, financia a saúde e educação privada (dos ricos e da classe média) através de deduções fiscais, e que gasta seu dinheiro para favorecer empreendimentos privados, enquanto arrocha a população e servidores, de nada adiantará ter servidores com PhD...

Um dado curioso:

Países como EUA e Alemanha, França ou Inglaterra, não há a disseminação de "concursos" e até policiais são contratados e não têm estabilidade alguma...

Não é o caso de imitar outras experiências, pois é cediço que estamos em estágios de maturação institucional e históricos diferentes...Porém, esta constatação abre chance a uma reflexão, haja vista que os serviços por lá parecem melhores...

Também parece que ter ou não ter "concursos" não criou uma noção "republicana" nos servidores de lá, ao contrário, afastaram a perversa ideia de "meritocracia", um legado liberal fajuto, que anda impregnando a cabeça de bons quadros políticos por aqui...

No Brasil, e em outros países onde o certame público define o acesso aos cargos públicos, tudo indica a formação de corporações cada vez mais refratárias a adoção das políticas consagradas pelos programas partidários, outorgados pelo poder mais significativo em uma Democracia, o voto...

Sob o (falso) argumento de equiparar as chances de acesso (balela, porque os concorrentes sempre estão em condições assimétricas, principalmente por questões de classe), os teóricos da meritocracia criaram um nicho de poder paralelo dentro do Estado, que sempre tende ao conservadorismo e a manutenção das castas patrimonialistas dentro deste aparelho...

Não é à toa que nenhum ganho de qualidade de vida ou diminuição dos índice de desigualdade pode ser aferido pelo surgimento da exigência do concurso público como premissa exclusiva para ingresso no serviço público...

Algumas considerações finais:

No Brasil, a relação servidor público habitante é uma das menores do mundo, ao menos entre países com economias "semelhantes"...( O IPEA tem estes dados, senão me engano)...

Em Campos dos Goytacazes, apesar de enorme gama de recursos disponíveis desde o incremento das receitas com os royalties, foi o setor público que conseguiu manter o nível de emprego, uma vez que o "valoroso e arrojado" empresariado, "liberais com o dinheiro alheio", não geraram riqueza alguma, a não ser para concentrá-la ainda mais, tornando nossa região uma das mais desiguais do país...

Não seria leviano supor que o "empreguismo" não é causa, mas sintoma de uma desta brutal desigualdade, que por sua vez é fruto da ação predatória do capital por aqui, que leva a grana e deixa a conta para o Erário...

Aos teóricos da meritocracia e do desenvolvimentismo, um  alerta: Quem muito fala, dá bom dia a cavalo!


domingo, 13 de setembro de 2015

PT de Campos, ou pode chamar de cabeça de bacalhau!

O PT de Campos é algo que existe, mas nunca é visto, assim como a cabeça do famoso peixe salgado, e universalmente popularizado pelas expedições portuguesas desde o século XVI...

Dá pena assistir a indigência política do PT local, que dentre outras coisas, permite que sua presidenta, e seu maior líder, Lula, continuem a ser sistematicamente atacados pela mídia cretina local...

Mas o pior não é isso: O pior é constatar que os líderes petistas locais adotaram como postura a colaboração (sistemática) com essa mídia escrota, fazendo daquela vala comum editorial espaço para vocalizar os anseios do partido...

Típica atitude de quem rasteja na indigência política, e por este motivo mendiga espaços que têm um preço sempre muitíssimo maior que o alcance que dizem ter...

É injustificável que um partido político tenha abdicado de sua tarefa seminal, que é fazer política, debater política, buscar o convívio comunitário...

Para sermos justos, este processo não é local apenas, mas aqui encontrou um nível de dramaticidade específico, ainda mais quando se trata da região dominada por uma dinastia política que elegeu dois governadores, deputados, prefeitos e levou seu líder a 15 milhões de votos em eleição presidencial...

Também é preciso dizer que boa parte da dilapidação do capital político petista local é resultado da atuação desastrosa das duas últimas direções partidárias...

Porém,  esta atual direção não parece inclinada a fazer diferença alguma às suas antecessoras...

Não há qualquer sinal de comunicação do Partido com sua militância (?) e bases partidárias...Nenhuma inserção nos movimentos sociais locais, debates acadêmicos, etc...

Nenhuma liderança política capaz de seduzir e recrutar novos quadros...

Apenas a mediação viciada da mídia...

O vereador petista local desconhece a lógica da vida interna partidária, e toca seu mandato como se tange boiadas, levando seu pequeno séquito de lá para cá, como peças de um cenário qualquer...

Um mandato que não discute orçamento, política econômica local e nacional, socialismo, capitalismo e suas crises, perspecticvas e alternativas, formação política, movimentos sociais, etc, etc, etc...

Uma lástima...

Em 2016, assistiremos apenas mais do mesmo...

Angela "Führer" Merkel avisa: quem entrou, entrou, quem não entrou...foda-se!

Veio rápido até demais...Passada a comoção hipócrita promovida pelos cretinos da mídia local, nacional e internacional, a partir da foto do menino morto na praia, após a tentativa frustrada de fugir da Síria, a Alemanha reintroduz os controles de fronteira, neste caso na parte limítrofe com a Áustria, como nos informa o o jornal inglês The Independent...

Milhares de policiais alemães foram deslocados para pontos de controle na região da Bavária, impedindo o fluxo migratório até Munique...

A justificativa? Possibilitar alguma "ordenação" na entrada...

Ahan, contem outra, chucrutes...

Recentemente, este blog publicou um texto (Crise humanitária ou cinismo globalizado), questionando a chantagem emocional calhorda promovida pela mídia, inclusive pelos fieis defensores do liberalismo capitalista, como se fosse possível separar a morte e sofrimento dos refugiados das diferenças globais provocadas por este sistema econômico...

Reduziram tudo à emoção...Pois bem, a emoção acabou, avisou Merkel...

Um comentarista imbecilizado pelas fossas editoriais da mídia comercial tentou nos dizer, na caixa de comentáario daquele post, que o mundo está uma maravilha, o capitalismo enfim venceu, e possibilita até a solidariedade europeia...

Santos demônios, quanta burrice...

Eu confesso que estou ficando cansado de desmascarar a idiotia dessa gente...arf...

sábado, 12 de setembro de 2015

A Bandeira Vermelha...

Jeremy Corbyn é o novo líder do Partido Trabalhista na Inglaterra, o Labour Party...

Em um sistema parlamentarista, a liderança partidária compõe um cenário relevante na definição da atuação do partido, e influencia dramaticamente os rumos da relação deste com o Parlamento, e com o próprio governo, que neste caso, está em outro espectro ideológico...

Há muito tempo, o ambiente político britânico estacionou naquilo que se costumou chamar de crise de representatividade, onde todas as bandeiras convergiram para um centro político dominado por dogmas econômicos...

Desde Tony Blair, e sua inquietante subserviência a agenda externa dos EUA, junto com a trágica submissão a agenda neoliberal, o inglês tem a impressão de que as eleições se sucedem, e as coisas tendem a inércia...

Nem a crise subprime de 2008 foi capaz de abalar este estranho equilíbrio, que nada tem a ver com a crença ou estabilidade política calcada nos fundamentos macroecômicos ortodoxos, mas sim na (in) capacidade dos sistemas representativos em escapar ao sequestro promovido pelo capital...

Sim, isso se passa no Brasil, na GBR ou EUA, passando por Alemanha, Portugal ou Grécia...

Ao que tudo indica, a eleição do outsider Corbyn é uma leve sacudida para a esquerda, e surpreendeu vários "analistas", e indica que os trabalhistas parecem acordar de seu longo e tenebroso período de hibernação...

Na comemoração, Corbyn cantou um tema socialista chamado A Bandeira Vermelha...

Veja a matéria aqui e aqui... 

Talvez fosse a hora de uma guinada semelhante no PT...Quem sabe?

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Elizeth Cardoso canta "Canção de Amor" - Show do mês - 1981





Gerações anteriores a minha foram encharcadas de música brasileira pelas ondas do rádio...Ângela Maria, Marlene, Emilinha, Francisco Alves, Orlando Silva, Lupicínio Rodrigues etc...



Era o rádio uma plataforma de produção de contéudo que pretendia a "união" do território nacional tendo como base a exploração de um mercado popular que, ainda que com alguma influência estrangeira, tinha raízes claras na chamada "cultura nacional"....



Esse projeto afiançou, inclusive, a acumulação de capital político de programas de matiz nacionalista, caso mais famoso o de Getúlio Vargas e a Rádio Nacional...



A TV veio, e a supremacia do esquema Globo-Time-Life soterrou a possibilidade de criação de uma indústria de bens culturais que fugisse a dominação do Departamento de Estado dos EUA...



Junto, de roldão, foram o cinema nacional e os estúdios locais, apesar de toda a expertise e maturação que já experimentavam, o que lhes possibilitava a fidelidade de um público cada vez mais cativo e maior...



O resto é História...



Mas ainda guardo, desde criança, em algum canto da memória, os cantos das divas como Elizeth Cardoso, "A Divina", que ecoavam nos rádios e/ou eram cantarolados pelas mulheres da família...

sábado, 5 de setembro de 2015

Crise humanitária ou cinismo globalizado?

A ação deliberada da mídia mundial, para transformar a cobertura dos fluxos migratórios em cenas de comoção e compaixão (palavra repetida pelo cretino chico pinheiro, do telejornal bom dia brasil na última semana), é parte do jogo ideológico do capitalismo em sua retomada conservadora pós-crise...

Afinal, é bem mais fácil explicar o problema reduzindo-o a uma mera questão rejeição/pena das pessoas em relação às populações que buscam refúgio, seja movendo-se por causa das guerras provocadas e mantidas pelos interesses corporativos transnacionais, seja pela fuga da pobreza, resultado de índices de desigualdade jamais vistos em séculos de funcionamento do sistema capitalista...

Em vários países, sentimentos solidários ladeiam o ódio, e enquanto uns sonham com um novo holocausto, outros abrem suas portas imaginando que salvarão o mundo com suas remissões de culpa pequeno burguesas (parecido com propaganda do banco itaú)...

Não se emocionem...nós somos parte do problema, e para manter ou buscar um padrão de vida cada vez mais sofisticado, alguém terá que fuçar comida em um lixão como um urubu ao redor do planeta...

Não se assustem...quando mostram a fúria dos grupos xenófobos, a insensibilidade ensaiada dos líderes europeus, os grito de dor dos rejeitados, e os corpos espalhados por mares e praias, a mídia está apenas criando uma cortina de fumaça...

Não se enganem...os grupos radicais e violentos que atacam essas pessoas podem até ser censurados em público, mas são manipulados com técnica refinada pelas estamentos conservadores, chamados de democráticos, para criar uma sensação de impasse...

Até porque, o impasse é o que resta...O capitalismo global se alimenta de diferença e impasses...

Não há solução alguma para o problema, haja vista que sua causa, a desigualdade de riqueza entre as nações é a mola mestra do funcionamento do capitalismo, desde seu início até hoje, e chegou a patamares impensáveis, assim com chegou a níveis impensáveis o volume de riqueza gerado pelo mesmo sistema...

Não é coincidência que exista um  mundo muito mais rico que antes, e que haja muito mais pobreza que antes...

Engraçado que nenhum dos boçais que ostentem suas caras de asno nas bancadas de telejornais, ou vomitem seus textos nos chiqueiros editoriais, nunca tenha perguntado: Uai, com o capitalismo global o mundo não seria sem fronteiras para bens, serviços e PESSOAS?

Ahhh, pessoas...esse incômodo detalhe...

E assim, privatizaram tudo e tomaram riquezas de todos os países, sob o (falso) argumento de que o mercado prescindia e derrubaria todas fronteiras, e que a prosperidade gerada pelo fim dos entraves estatais daria conta de todos os problemas, em um círculo virtuoso que tornaria os Estados Nacionais cada vez menos necessários...

Pois é...então esses povos não têm o direito de sair da pobreza e buscar a prosperidade que insiste em habitar sempre os mesmos lugares?

O mundo capitalista global não é um fluxo permanente de busca por oportunidades e conforto econômico? Por que colocar homens armados nas portas dos paraísos?

Nessa hora a coisa muda, e o mais empedernido liberal e defensor do FIM do Estado prega ardorosamente o levantamento das fronteiras, a Soberania Estatal, enfim, a proteção daquilo que imagina ser um direito (natural) conferido pela nacionalidade, o espaço vital !!!!

A noção de espaço vital praticada hoje pelos líderes das nações ricas não difere muito daquela professada por Hilter...A diferença é sutil: Hitler aniquilou os indesejados em seu solo, já os líderes ocidentais procuram matar os indesejados em seu "ninho", terceirizando a ação de extermínio através de um intricando quebra-cabeças de grupos e conflitos étnico-religiosos...

É um mundo estranho, tornado ainda mais incompreensível pela atuação dos jornalistas de coleira...

Quanto menor a compreenão, maior a reação "emotiva"...

E depois, a racionalidade da bestialização...

O cenário (do horror) está pronto...Só falta um líder carismático, e voilá, vamos dar um jeito de acabar com este excedente de gente  com uma guerrazinha global...

Gente é um efeito colateral de fácil resolução para o capitalismo...

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Descartes apaixonado.

A dúvida é sempre cruel.
Mas pior que toda a dúvida
É nunca ter perguntado:

Afinal, é possivel crer no ser amado?

Elis Regina - Completo Programa Ensaio TV Cultura 1973





E para remoer as entranhas, o programa completo...Quem puder, resista e não corte os pulsos...

Elis Regina - "Atrás da Porta" - Ensaio - MPB Especial





Eu acredito que já publiquei este vídeo aqui, mas nunca é demais relembrar...