quinta-feira, 4 de junho de 2015

Paco de Lucia - Live at the Montreux Jazz Festival 2012 (HD)





Os fariseus da cultura pura, algo mais próximo do ideal fascista, se contorcem em reverências aos estilos e estéticas carregadas de regionalismos...



Reivindicam o "legítimo" fado, o tango "tradicional", o baião "pé-de-serra", o samba "de raiz", o blues "original", ou o jazz "primitivo", como se fossem tratados de exclusividade, que conferem aos adeptos e admiradores no condão de certa erudição e sofisticação...Hierarquias, no fim das contas...



Pobres babacas...



Ouvir a guitarra de Paco de Lucia, os cantares e dançares que o acompanham, é uma rendição a mistura árabe e cigana, dentre tantas outras, que legaram àquele povo de tantas andanças, invasores e invadidos que foram, uma "desindentidade cultural" fabulosa...

3 comentários:

Anônimo disse...

Muito lindo...

Anônimo disse...

Não deixa de ser lindo. Mas como vc é chegadinho a uma cultura sua, a que você apóia, ao seu jeito rebelde, aquela dos "islã la vai cassetada", aquelas que se dizem "sou mais eu".

Você indo contra discriminações diacrimina mais ainda e cheio de hostilidade. Quer ser o rebelde.
Será que falei demais?
Pode vir com sua pedrada que estou cheio de pétalas. Quem sabe vc até aproveita as mesmas num desses poemas que bem nascem do seu fígado.
Mas o mesmo acebolado é delicioso.

douglas da mata disse...

Sobre cultura ou culturas, não debaterei. Só citei a impossibilidade de uma "cultura pura", como querem alguns...

Mas, de certo, quem ataca discriminações, cria outras, de natureza positiva...Discriminar, ou seja, etimologicamente falando, definir, relacionar, narrar a diferente dentre os comuns...

É certo que o combate a discriminação que segrega e corta direitos é também, per si, um ato de discriminar de descrever...

Não quero ser o rebelde...não quero ser nada...independente do que quero ser, já sou. Basta.

Antropofagia me agrada, mas tenho andado sem apetite...