sábado, 16 de maio de 2015

Vão todos tomar no cú!

Depois dos resultados da Petrobrás, apesar de toda a hipocrisia da mídia cretina, do assédio dos torquemadas de toga, e dos abutres das redações, a empresa estatal brasileira de petróleo revelou seus resultados e seu verdadeiro valor: É um patrimônio nacional mantido pelos esforços de seus trabalhadores...

Quiseram-na de joelhos, para entregar aos canibais internacionais...

Querem o país de joelhos, como quando nossos embaixadores tiravam os sapatos para entrar nos EUA...

Aos que queriam Petrobrax, eu respondo: vão todos tomar no centro do olho do cú!

15 comentários:

Professora Hilda Helena disse...

Saudações!!!

Anônimo disse...

Tenho 56 anos, 38 anos de contribuição, e pago o salário teto à previdência desde 84.

Em 2013 eu pedi minha aposentadoria, naquele ano o salário teto era cr$ 4150,00, e a média salarial calculada ficou em cr$3958,00, utilizando o fator previdenciário eu me aposentaria com cr$2600,00.

Só quem passa por isso, ou tem sensibilidade é que pode entender o que de fato é esse maldito fator “PENITENCIÁRIO” representa. Acabar com ele não é fazer FAVOR, é fazer JUSTIÇA. Agora chegou a hora de sabermos de que lado esta o chamado GOVERNO TRABALHISTA?

douglas da mata disse...

Caro comentarista,

Suas expectativas são legítimas, mas em se tratando de direitos previdenciários e políticas de securidade social e previdência, não sou um expert, mas vou me arriscar:

01- Primeiro, este governo herdou o sistema que aí está.

02- No Brasil, como em todos os países da América Latina, os fundos de previdência dos trabalhadores nunca cumpriram, totalmente, sua função pública e social, sempre sendo usados como tapa-buracos dos rombos estatais causados pelas dívidas públicas e na privatização do Estado;

03- Nosso sistema é de partição e não de poupança individual, ou seja, são as gerações anteriores que sustentam as posteriores, e existem problemas óbvios com o aumento de expectativa de vida média da população, sem ganho correspondente da massa salarial e produtividade;

04- Outro desafio é criar um sistema com uma média satisfatória a todos, e não verticalizada, onde alguns poucos ganham o teto e outros tantos o mínimo;

05- Há outras formas de benefício indireto (como são usadas na Europa, por exemplo), onde aposentados têm subvenções nos impostos (ou restituição maior), e uma série de gratuidades (como medicamentos, transporte, etc).

É um tema delicado, onde cada um, COMO SEMPRE, busca opinar de acordo com sua realidade, esquecendo o TODO.

Mas como disse, é legítima sua colocação.

No entanto, não esqueça:

O governo não é o CONGRESSO;

o CONGRESSO tem sempre a ÚLTIMA PALAVRA (com a derrubada do veto);

O CONGRESSO tem um viés claro contra os interesses dos trabalhadores;

Quem elegeu os congressistas foi você, junto com o povo brasileiro, então, sua indignação está um pouco fora do lugar:

Mande e-mails e mensagens aos deputados, principalmente aquele que você elegeu, se for o caso (você lembra em quem votou?).

Mobilize-se.

douglas da mata disse...

PS: Para corrigir: o Chile tem um sistema de poupança individual, tipo os EUA.

Esse sistema atende bem ao indivíduo, mas afasta a possibilidade do uso da previdência como um instrumento público e estatal de correção de desigualdades.

Como é o caso de nossa pensão humanitária (maiores de 70 que nunca contribuíram), que salva a vida de milhões e suas famílias.

douglas da mata disse...

Oi Hilda, quanto tempo? Bom te ver por aqui...Saudações a Santa Maria e adjacências...

Anônimo disse...

Oba! 5 bilhões de lucro! Dá pra continuar superfaturando refinarias sem culpa!

Anônimo disse...

O governo (executivo) herdou o sistema previdenciário que aí está, e o manteve durante 12 anos.

Teve que vir aquela corja pemedebista para derrubar o fator previdenciário, mas provavelmente a presidente vai vetar a lei, mantendo a fórmula criada pelo PSDB, e atacada pelo PT quando não governava.

douglas da mata disse...

Comentarista das 14:04, 17 de maio:

Como já disse, não sou especialista em direito previdenciário, mas tenho uma certeza, lendo tudo o que li em veículos de outros países:

O gargalo dos sistemas de previdência é um mal inerente ao sistema de produção capitalista.

Não há um, eu repito, um país, sejam os centrais, sejam os periféricos, que tenham conseguido dar conta de manter os subsídios dos aposentados no mesmo nível de quando trabalhavam.

Até porque, meu caro amigo, esta é a natureza do capitalismo: Pagar só a quem trabalha, e de acordo com a produtividade.

Lembre-se que sistemas de previdência são recentes, se considerarmos a existência do capitalismo como sistema hegemônico (desde o Século XVI).

Não retiro a responsabilidade do governo atual, e nem desconsidero sua frustração (minha também, afinal, vou me aposentar), mas infelizmente, o que tem é isso aí:

Com o aumento da expectativa média de vida, com a retração da atividade econômica (que não é tocada por governos, mas por empresas) e com o atual sistema tributário que temos, não há como fazer diferente.

Você parece ser um pouquinho (só um pouquinho) mais inteligente para perceber que o PMDB apenas derrubou o fator para criar embaraço político a Presidenta e o governo.

E claro, isso faz parte do jogo legítimo da Democracia.

Conselho: Informe-se melhor, reflita, amadureça (não na idade, claro) e mobilize-se.


PS: Lembre-se, quem elegeu a "corja" peemedebista ou qualquer outra somos nós. Não são uma "corja" de marcianos.

douglas da mata disse...

Ao imbecil do comentário das refinarias:

A culpa de superfaturamento deve ser imposta a quem de direito.

O problema são os cretinos e beócios (como você), que sentem culpa por viverem em um país que quer deixar de ser o chiqueiro dos EUA e da Europa.

É bom lembrar que tais práticas nocivas existem desde a fundação da empresa.

Mas fica a pergunta:

O que é pior, dar lucro e se transformar da 3ª ou 4ª empresa de petróleo do mundo, ainda que convivendo com problemas de gestão ou transformar-se na Petrobrax, com tamanho de butequim de perfuração?

A você o título deve ser repetido: Vá tomar no seu cú, babaca!

Anônimo disse...

Sistema Previdenciário..."este governo herdou o sistema que aí está"...Roubalheira na Petrobrás..."tais práticas nocivas existem desde a fundação a empresa"... Aí amigo fica fácil. O atual governo de 12 anos no poder (vão completar 16) não tem culpa de nada. Tudo é culpa dos que antecederam...brincadeira!!!

douglas da mata disse...

Primeiro:
Escolho meus amigos pela inteligência, logo, não tenho amigos burros como você.

Meus amigos, embora possam discordar de mim, saberiam que 16 ou 20 anos, frente a processos históricos complexos que formaram 500 anos de patrimonialismo e exclusão, podem ser considerados instantes.

Meus amigos saberiam que, ainda que não votem no PT, reconhecer que há erros e acertos, mas acima de tudo, o que difere o PT dos demais são as escolhas: incluir ou excluir, e isto ficou claro em 16 anos, até pelo ódio angariado junto aos inimigos.

Meus amigos, enfim, saberiam, quando eu estivesse pronto a dar um basta, e calariam a boca, para não ouvirem:

Vá tomar no seu cú, porra!

douglas da mata disse...

PS: O cara tem 56 anos, vai viver ( e bem) até os 80, pendurado mais tempo na previdência do que já contribuiu, e acha que a conta fecha...

Ah, vá para casa da caceta...

Anônimo disse...

A votação que derrubou a fator previdenciário, nesta semana, mostra um retrato fiel e emblemático do atual quadro político do país.
A regra, criada pelo governo tucano FHC em 1999, foi alvo de feroz oposição dos petistas na ocasião. Agora, sua derrubada ganhou apoio integral dos tucanos, enquanto os petistas defendiam sua permanência.

Anônimo disse...

O fator previdenciário, criado durante o governo de Fernando Henrique Cardoso foi um dos maiores crimes cometidos contra a classe trabalhadora nos últimos anos. É inadmissível que um trabalhador complete seus 35, 40 anos de atividade laboral e quando vai se aposentar receba apenas 60% do salário que estava ganhando.

Em primeiro lugar, porque é uma injustiça para quem contribuiu durante todo o período para ter direito a uma aposentadoria decente. Em segundo lugar, porque como esse trabalhador vai receber um salário menor do que ganhava na ativa, ao se aposentar será obrigado a continuar a exercer sua atividade profissional por uma questão de sobrevivência.

O Governo Federal tem adotado uma postura muito ruim em relação a essa questão. Tem destinado recursos para incentivar a economia, implementado medidas para reduzir impostos das empresas, reduziu o custo da folha de pagamento. As medidas adotadas são positivas porque geram mais empregos, mantém a atividade econômica aquecida, o que dá uma condição mais favorável para a luta por melhores salários e condições de trabalho. Mas não tomou nenhuma medida concreta em benefício dos trabalhadores.

O Governo tem que ter uma posição mais firme em relação ao Fator Previdenciário, a fim de acabar com essa injustiça contra os trabalhadores.

douglas da mata disse...

Atenção aos navegantes: Governo e PT são coisas distintas, e a não ser que o comentarista das 13:31 tenha a lista nominal dos votos dos parlamentares, não saberemos como votou o PT.

Vamos novamente ao debate:

Que fique claro, não sou favorável ao fator previdenciário.

Msa eu não sou burro!

Não há almoço grátis, nem fenômeno sem causa!

O capitalismo sempre rejeitou a ideia de subsidiar a força de trabalho aposentada ou os desempregados que ele gera.

E como o capitalismo sempre busca financiar-se avançando sobre o Erário, ao contrário do que os débeis mentais liberais pregam, ele busca, SEMPRE, afanar recursos dos orçamentos públicos, que chamamos de "direitos sociais".

Eu já disse e repito: NÃO HÁ UM SISTEMA PREVIDNCIÁRIO NO MUNDO QUE PAGUE AOS APOSENTADOS O VENCIMENTO EQUIPARADO AOS TRABALHADORES DA ATIVA!

O sistema capitalista não é justo, não tem nada a ver com isso!

A questão é que em países de primeiro mundo, a tributação progressiva diminui os abismos sociais e garante serviços e direitos que nós temos que pagar por eles, como transporte, educação e saúde,e agora também segurança, com câmeras, alarmes e jagunços uniformizados.

Assim, o cara aposentado ganha menos, mas tem que gastar muito menos do que quando trabalhava.

E não adianta dizer que devemos melhorar o serviço antes de pagar mais imposto!

Isso é idiotice sem par.

Também não adianta vir com a estultice de dizer que o imposto basta, só precisamos acabar com os desvios!

Quem elege os gestores somos nós, e nós que devemos eleger melhores gestores.

Para resolver, parcialmente, o problema dos aposentados e de todos que necessitam de sistema públicos de proteção, é preciso mudar a nossa estrutura tributária, onde quem ganha mais passe a pagar mais (proporcionalmente) àqueles que ganham menos.

O resto é cachorro correndo atrás do rabo:

Com esta estrutura tributária atual, e com uma previdência social sempre ameaçada pelos rombos que tem que cobrir em nome de ajustes fiscais (para cevar a banca capitalista), não há como melhorar a vida dos aposentados, que, felizmente ou não, vivem bem mais que antes.