sábado, 18 de abril de 2015

O preço do silêncio.

A julgar pelo súbito esquecimento sobre o problema do fundo de previdência (e outros rombos de caixa) de uma cidade muito (mais muito) longe daqui, um índio da tribo dos banqueiros, próceres da oposição e situação,  demissão de secretário de fazenda, etc, poderíamos arriscar que todos fumaram o cachimbo da paz...

E como diziam nos "antigamentes": 

"São doze horas e 30 minutos, e está tudo bem na Vila de San Salvador..."

Nenhum comentário: