sábado, 18 de abril de 2015

Da série: poesia ruim para momentos péssimos.


Poema da parede.

Sabes a diferença
Entre um gato e um poema?
Jogue ambos na parede
O que miar é gato
Mas se arranhar sua alma
É poesia



Anunciação

Um dia Virgulino,
Quando era ainda menino,
Ouviu a voz do divino:
Vá cabra-da-peste...lava de sangue o Nordeste...pr'eu ver no que reste...alguma coisa que preste.

Cicuta.

Me dê  um copo de sua angústia
Mas sirva em copo descartável
Para que possa me descartar por aí


Ágora.

Não parece ironia
(e não é)
Que a morte seja
A única instituição
Verdadeiramente democrática?


Hipoetenusa.

A poesia
É o teorema da alma

Nenhum comentário: