segunda-feira, 6 de abril de 2015

À procura de um bode expiatório...SEMPRE!

Se as notícias são ruins, matem o mensageiro...Se as coisas vão mal, achem um inimigo público número 01...

Essa é a cartilha do napoleão da lapa e seus acólitos...

Mas há algo errado no cálculo político desse pessoal...

Afinal, nada mais inofensivo hoje que blogs e redes sociais, ou não?

Periga o pessoal da lapa ressuscitar uma união que se dissolveu há tempos, pelo motivo mais perigoso de todos: sobrevivência...!

Não custa nada lembrar: Desde 1955 (Guerra da Coreia), o maior e mais poderoso exército do planeta não ganhou um confronto militar digno desse nome (Vietnã, Afeganistão, Iraque, etc)...

Guerras assimétricas não podem ser vencidas!

10 comentários:

Anônimo disse...

Prezado Douglas,
peço que o seu Blog comente sobre a retirada do vale-transporte dos servidores de outros municípios. Estamos esquecidos e tendo que pagar (no caso dos diaristas) cerca de 500 reais por mês de transporte, dependendo da cidade, em certos casos até mais. Peço que enfatize que, no nosso caso, a prefeitura "retirou" o vale-transporte integralmente. Não foi feito nenhum depósito, e mesmo se fosse feito, ficaria longe do valor necessário para arcar com as passagens.
É bom lembrar que quando fizemos o concurso, o vale-transporte era um direito previsto em edital, pelo fato do mesmo contemplar e destacar a antiga Lei (que abrangia Campos e municípios limítrofes), recentemente alterada, em mais uma manobra deste governo de retirar direitos dos servidores concursados.
Mantenho o meu anonimato por razões de perseguição junto a Prefeitura, mas as informações acima podem ser facilmente confirmadas.
Agradeço a atenção, o espaço e o apoio.

douglas da mata disse...

Não conheço bem o assunto, portanto é sempre temerário opinar.

Mas vamos de forma genérica:

- Não há um dado confiável sobre o impacto do gasto com pessoal efetivo sobre o que se arrecada, mas se for considerada o que temos visto por aí (caso do Estado do RJ), o montante não ultrapassa 40%.

- Logo, os cortes nos direitos são apenas isso mesmo: cortes sem qualquer justificativa, senão empurrar as categorias para um estágio anterior da mobilização no qual se encontram...se eu coloco um bode na sala, a meta é retirá-lo o quanto antes, não importando o que se discutia antes ali.

- Há de se considerar (eu não sei ao certo) que o Erário local (Campos dos Goytacazes) repassando dinheiro a servidor para adquirir passagem de empresa de outro município é algo que não soa bem, como se estivéssemos transferindo dinheiro público para que se aumente a arrecadação em outro município (ISS);

- Outra questão: servidores estatutários respondem a um estatuto (lei), logo, se a casa de leis muda a lei (o que alcança as regras do edital), não há o que fazer, a não ser mobilizar o sindicato e pressionar para derrubar as alterações.

A considerar os votos da última eleição para prefeito (2012), a prefeita obteve boa votação entre os servidores, e não dá para dizer que havia pouca informação sobre ela.

Então, quem sabe agora, com o aperto no bolso, o pessoal passe a refletir melhor...

Bem, se houver opção melhor...diga-se...

Anônimo disse...

Não mais comenta a realidade política nacional?
Lembro quando defendia a aliança estratégica com figuras sinistras, alegando que eles se subordinavam ao projeto do PT...

douglas da mata disse...

Bem, caro amigo das 01:22 de 09 de abril:

Veja que a aliança (estratégica) permanece, e o cenário continua parecido:

01- De um lado, as forças progressistas tentando "salvar" em projeto redistributivo que é ameaçado pelos rentistas e outros canalhas;

02- De outro, a mídia corporativa e os sócios menores do capital internacional no ataque de sempre...criando factóides e destruindo a política...

03- E no meio, toda sorte de oportunistas, canalhas e idiotas que não estão nem lá, nem cá, como o napoleão da lapa, que viva bajulando o governo federal para arrumar uns trocados para o PR, e por aqui, desce a lenha no governo Dilma...

Tudo isso que narrei, no caso dos dois últimos itens, não estão necessariamente nesta ordem e disposição, porque todo mundo muda de (o)posição o tempo todo...

Um abraço.

Anônimo disse...

ENQUANTO A BANCADA DO PT FEZ DEMAGOGIA NA CÂMARA CONTRA O PL 4330, MINISTROS DO GOVERNO DILMA NEGOCIAVAM NO PARLAMENTO OS TERMOS DA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO NO BRASIL

Com 324 votos a favor, 137 contra e 2 abstenções foi aprovado na Câmara o Projeto de Lei 4330 que permite a precarização generalizada do trabalho em nosso país. O grosso da base parlamentar do governo Dilma votou a favor do projeto, não só o PMDB de Cunha e Temer (que agora dirige a articulação política do Planalto no Congresso), mas também o PDT que controla o Ministério do Trabalho. Como se observa, a “gerentona” petista não moveu um dedo para barrar este verdadeiro golpe contra os trabalhadores, restringindo-se os votos em contrários a parlamentares do PT e PCdoB.

douglas da mata disse...

Seu animar de rabo, não precisar escrever em CAIXA ALTA (GRITAR) para ter seu comentário publicado...

Vá gritar na casa da cadela da sua mãe.

Bem, dito isso, vamos ao tema:

Não imagino que o PT seja um partido perfeito, ao contrário, como partido é cheio de falhas, como qualquer ajuntamento humano: seja a família, seja a Igreja (padres que "comem criancinhas"), sejam times de futebol e o caralho que o parta...

Logo, se a base do governo votou pela precarização, devemos meter o pau no governo e sua articulação política, claro...

Só que tais críticas devem ser sopesadas com os acertos, para que enfim possamos avaliar se devemos (continuar) a hipotecar apoio ou não.

Igualmente devemos fazer com o governo local, ou o estadual...

Tem mais acerto que erro, ótimo...Agora, se o governo está aí há mais de 20 anos (seja com títeres, seja com os de "sangue puro"), torrou bilhões de reais, e a cidade continua uma merda, aí a gente reclama...

É só isso: falar do PT não vai fazer a cidade de Campos dos Goytacazes se tornar um lugar habitável...

PS: seu estrume, a bancada petista não fez "demagogia", asno:

O sistema capitalista não aceita desaforo, logo, nos temas em que está em jogo a manutenção do desequilíbrio entre direitos dos trabalhadores e lucros dos empresários, governos podem pouco ou quase nada.

Demagogo é quem sabe disso, e mesmo assim diz que poderia ser diferente...

Débil mental...

Anônimo disse...

O ministro Joaquim Levy, que se encontrou na véspera da votação do projeto com Eduardo Cunha, propôs algumas mudanças na medida relativas a questões tributárias (que foram aceitas) mas como era de se esperar avalizou a precarização aos direitos pelas mãos do parlamento, já que esta encontra-se em sintonia com o ajuste fiscal neoliberal que cortou benefícios do INSS e restringiu o acesso ao seguro desemprego. O mesmo fez o Secretário da Receita Federal, Jorge Rachid.

Ele se encontrou pouco antes da votação com o relator do projeto, o deputado Arthur Maia, do Solidariedade, simplesmente para negociar que o projeto não reduza a arrecadação e nem resulte em aumento de carga tributária para as empresas que precarizam a mão de obra!!! Lembremos que Sandro Mabel, autor do projeto, é do PR, partido da base parlamentar do governo Dilma.

Como fica evidente, os votos contrários do PT-PCdoB contra a medida foram apenas para marcar posição e fazer demagogia sem qualquer consequência prática.

Anônimo disse...

Por sua vez, a CUT restringiu sua “resistência” ao projeto de terceirização a uma pequena manifestação no Congresso Nacional, sem convocar as bases dos sindicatos através de assembleias a paralisar suas atividades em repúdio ao drástico golpe neoliberal orquestrado com a cumplicidade de Dilma.

Anônimo disse...

Depois da aprovação do texto-base do PL 4330, a CUT anunciou que o “Brasil vai cruzar os braços no dia 15”: “Paralisação nacional reunirá maiores centrais sindicais do país e parceiros dos movimentos sociais contra ataques do Congresso aos direitos trabalhistas” e finaliza declarando “Além de orientar os sindicatos de base para que cruzem os braços contra o projeto de terceirização sem limites, no próximo dia 15, a CUT também fará atividades diante de federações da indústria e integrará os atos por direitos e contra a direita”. O que observa na própria convocatória da CUT é que se encobre o papel dos ministros do governo Dilma, que negociaram os termos para a precarização do trabalho no Brasil. Novamente a CUT usa o eixo “contra a direita” para esconder a responsabilidade de Dilma em mais este ataque aos trabalhadores.

douglas da mata disse...

O ultra-esquerdismo, a doença infantil do socialismo...

Ao invés de acumularem capital político para que possam aumentar a base de sustentação do governo, os imbecis da semi-religião do esquerdismo atacam os pilares do governo que mais avançou em direitos dos trabalhadores e pobres na História (e que por isso está sofrendo pesado cerco das forças conservadoras)...

Cretinos...

São piores que a pior direita...