sábado, 21 de fevereiro de 2015

Um tijolaço na cara dos hipócritas e outros cretinos!

Vem do Tijolaço, blog pilotado  antes pelo ex-deputado Brizola Neto, e agora pelo Fernando Britto, a porrada decisiva na cara dos molóides do moralismo vesgo e manco...

Leia e se divirta com o fato de que a História não perdoa...(à benção Leonel):


Rádio Eldorado da Globo transmitia o jogo do bicho

Sugerido por Antonino
Do Tijolaço
amei
Não tenho a menor simpatia pela Beija-Flor, ao contrário.
Nem pelo Teodoro Obiang, ditador da Guiné Equatorial, que “descobriram” agora e que querem jogar na história de corrupção das empreiteiras – que não dá um livro, dá uma coleção – também recém-descoberta.
Obiango é um ditador? É. Uma das muitas ditaduras praticadas na África, com a ajuda do Ocidente, desde que faça-lhe bons negócios.
Pois se os amigos da CBN, que deu ontem a “barriga” fenomenal de jurar que o “ômi” estava no Sambódromo, quando estava em Camarões,  forem ao “basicão” da Wikipédia, lerão lá, sobre a a história da Guiné Equatorial:
Em 1493, dom João II de Portugal proclamou-se juntamente com o resto dos seus títulos reais como Senhor de Guiné e o primeiro Senhor de Corisco. Os Portugueses colonizaram as ilhas de Bioko, Ano Bom e Corisco e em 1494, e converteram-nas em postos para o tráfico de escravos.(…) Portugal vendeu mão de obra escrava a partir de Corisco com contratos especiais à França (a qual contratou até 49 000 guineenses escravos), à Espanha e à Inglaterra em 1713 e 1753, sendo os principais colaboradores neste comércio os Bengas, que tinham boas relações com as autoridades coloniais europeias (as quais, por sua vez, não intervinham na política interna do país, o que sem dúvida ajudava).

Nem vou falar que lá há, hoje, outra riqueza negra, como eram os escravos: petróleo. E que por isso tentaram derrubar o senhor Obiang, em 2004, num golpe liderado por mercenários financiados por ingleses, entre eles o filho da finada “Dama de Ferro” Margareth Tatcher, “Sir” Mark, que foi preso por isso.
Um beleza, não é? Como somos bons em dar lições de moral aos outros sem cantar nossas próprias culpas, não é?
Mas deixa o Obiang para lá, que ditadores no mundo não faltam e estes são “bons” ou “maus” de acordo com interesses nada humanitários.
Vamos falar dos “donos” do Carnaval carioca, os bicheiros.
A Globo tem nojo desta ralé, não é? Embora seu principal executivo durante décadas, o Boni, fosse amicíssimo de Castor de Andrade (desfilou como sósia dele na Grande Rio, em 2010) e Anísio Abrãao, que, aliás, comprou o apartamento triplex que pertenceu ao Dr. Roberto Marinho.
Será que o pessoal da CBN, hoje tão cheio de pureza moralista sabe que, antes de transmitir em 860 khz, a CBN nasceu na frequência de 1180 khz, da extinta Rádio Eldorado, uma das compradas por Marinho? Aliás, era a frequência antiga da própria Rádio Globo, esta…
E que a rádio Eldorado – do Sistema Globo, já –  transmitir, todos os dias o resultado do jogo do bicho, que normalmente era colado em papeluchos nas paredes e nos postes, obrigando o apostador a ir a rua para sabê-lo.
Vou deixar que quem conte esta história seja Leonel Brizola, num de seus tijolaços, no dia 21 de abril de 1994, quando o jornal fazia escândalo com uma lista apreendida na fortaleza de Castor, que me é trazido pela implacável memória de meu amigo Ápio Gomes:
“(…)A Rádio Eldorado do Rio (agora, transformada em CBN), empresa do Sistema Globo de Rádio, propriedade de Roberto Marinho, consta na lista como beneficiária, durante dois anos, todos os meses, de recebimento de dezenas de milhares de dólares de propina de Castor de Andrade.
Nos anos de 90, 91 e 92, a cada mês, esses alegados registros da contravenção, demonstram que a rádio de Roberto Marinho recebia uma mesada do bicheiro, certamente como paga pela divulgação diária que a Rádio Globo faz dos resultados do bicho.
Querem ligação maior do que essa, a do dono de uma rádio que funciona como central de divulgação do bicho? Agora compreendo por que, numa das raras entrevistas que dei à Rádio Globo, tiveram a ousadia de interromper o programa, sob os meus mais indignados protestos, para fornecer os resultados da extração dos contraventores. Aí está não uma simples menção a um nome, mas uma ligação concreta, por anos a fio, na qual correspondiam a serviços da rádio de Marinho, ao pagamento que vinha do bicho.
Vejam bem, não estamos mais falando dos espaços generosos que os bicheiros tinham na Globo, até mesmo para questionar, em rede nacional, decisões do Judiciário, como ocorreu com o próprio Castor. Não estamos falando da íntima amizade que liga o contraventor ao braço direito e principal executivo da Globo, Sr. Boni. Não estamos falando dos privilégios e intimidade que a Globo e os bicheiros concediam-se mutuamente nas negociações para a transmissão do Carnaval na Passarela, nem da sua associação para sabotar aquela obra do meu Governo. Estamos falando de um fato concreto, de um concessionário de um serviço público, que não recebeu um canal de rádio, que pertence a toda a população, para fazer negócios com a contravenção, num abuso inominável, que em qualquer país do mundo significaria, imediatamente, a cassação do privilégio que recebeu do Poder Público para informar, educar e entreter a comunidade e não para fazer a apologia da contravenção.
E não se diga que o Sr. Marinho de nada sabia: o pagamento mensal durou, pelo menos, dois anos, e as transmissões do bicho eram diárias e só foram suspensas há poucos dias, depois que estourou esse escândalo. Era o comunicador da contravenção, o empresário-bicheiro, que transformou a sua rádio num poste de rua para afixação dos boletins do bicho. “
Então, os coleguinhas que estão embriagados com esse papel em que tolamente se colocam de virgens de bordel, dando lições de moral – logo onde! – sobre o Carnaval, cuidado. Em matéria de Carnaval, jogo do bicho, ditaduras e dinheiro, tem muito bububu no bobobó da Globo…

Nenhum comentário: