sábado, 28 de fevereiro de 2015

Os filhos da puta por eles mesmos!





A reconquista  ou manutenção do regime democrático não é obra das empresas de mídia, ao contrário...



No Brasil (e talvez na América Latina), todas as recentes tentativas de golpe (desde a morte de Vargas) tiveram como protagonistas algum ou alguns grupos de comunicação, aliados aos golpistas e lhes dando voz e legitimidade...



Não há limites para a canalhice destes filhos da puta...



Agridem a Democracia, flertam com a violência e depois, quando a situação engrossa, correm a pedir desculpas ou a sugerir que são vítimas...



Alguém acredita quando a mais mafiosa das organizações de mídia deste país, a globo e seus cúmplices ao redor do país pedem desculpas por terem se aliado aos gorilas, ou juram fidelidade à Democracia?



Pois é...



Nada melhor do que eles para que se expliquem por si mesmos...






sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

É disso que estamos falando...

Às vezes se tem a sensação de se falar no deserto...

Os débeis mentais que replicam e macaqueam a mídia internacional (e nacional) não têm a menor ideia do que está em jogo...

Imaginam que tudo se resume a suas visões unidimensionais, dicotômicas e monocromáticas da realidade...

Dá vontade de rir...ou de chorar...

No jornal The Independent de hoje está uma notícia em destaque, que é claro, você não ouvirá, lerá ou assistirá na mídia nacional ou local, a não ser que venham com os filtros de sempre...

De acordo com o veículo britânico, a China manifestou-se sobre o conflito Rússia X Ucrânia, e colocou-se ao lado de Moscou...

Claro que não se trata de um jogo de compadres, mas sim de um movimento geopolítico de grave importância, ainda mais quando os abutres ocidentais (Eua e Europa) se preparam para discutir o endurecimento das sanções contra o maior país do planeta...

O embaixador chinês na Bélgica (sede da Comunidade Europeia), afirmou que o Eua e Europa devem abandonar a mentalidade "soma zero", e que precisam levar as preocupações russas sobre segurança a sério...

Parece cada vez mais claro que os eixos de poder hegemônico mundiais se deslocam como placas tectônicas ou grandes glaciares, alterando toda a "superfície" geopolítica mundial...

O Brasil adotou uma postura dedicada a somar esforços e protagonizar uma tentativa de construção de um mundo multipolar, desafiando assim a superpotência única...e por este motivo tem sido atacado sem dó, de fora para dentro, e de dentro para dentro...

Mas os nossos "especialistas" insistem em procurar petistas embaixo da cama, ou dentro dos seus armários...

Bando de idiotas...


Leia aqui a matéria do jornal inglês...

Muito barulho por nada...

Coitado do juiz do caso Eike...Afastado injustamente, afinal, só porque carregou os "autos" do processo para casa...

Ô gentinha maldosa...

Agora, falando sério, e pensar que é essa juristocracia que inspira a rebeldia coxinha classe mé(r)dia...tsk, tsk, tsk...

Se fosse um funcionário público ("mortal", diga-se), ou um político (do PT ou aliado), teria sido linchado em público, física e metaforicamente...

Não duvido nada, os capos da globo (e co-irmãs), junto com os seus sinecuras afiliados pelo país, vão divulgar que o juiz do Porsche iria buscar Dilma ou Lula para um passeio, com combustível bancado pela Petrobrás...

Jornalismo e jornalistas brasileiros: Um caso de sociopatologia extrema!

Mais um pouco sobre um mundo (de sacanagens) que não tem fim...

Uma pequena história sobre bancos, crime e religião...

Por Vladimir Safatle, em Carta Capital
Estamos em 1860. O Império Britânico acaba de vencer a famosa “Guerra do Ópio” contra a China, talvez uma das páginas mais cínicas e criminosas da história cínica e criminosa do colonialismo. Metade do comércio da Inglaterra com a China baseia-se na venda ilegal de ópio. Diante da devastação provocada pela droga em sua população, o governo chinês resolve proibir radicalmente seu comércio. A resposta chega por uma sucessão de guerras nas quais a Inglaterra vence e obriga a China a abrir seus portos para os traficantes e missionários cristãos (uma dupla infalível, como veremos mais à frente), além de ocupar Hong Kong por 155 anos.
Em 1860, guerra terminada, os ingleses tiveram a ideia de abrir um banco para financiar o comércio baseado no tráfico de drogas. Dessa forma apoteótica, nasceu o HKSC, tempos depois transformado em HSBC (Hong Kong and Shangai Bank Corporation), conhecido de todos nós atualmente. Sua história é o exemplo mais bem acabado de como o desenvolvimento do capitalismo financeiro e a cumplicidade com a alta criminalidade andam de mãos dadas.
A partir dos anos 70 do século passado, por meio da compra de corporações nos Estados Unidos e no Reino Unido, o HSBC transformou-se em um dos maiores conglomerados financeiros do mundo. No Brasil, adquiriu o falido Bamerindus. Tem atualmente 270 mil funcionários e atua em mais de 80 países. Sua expansão deu-se, em larga medida, por meio da aquisição de bancos conhecidos por envolvimento em negócios ilícitos, entre eles o Republic New York Corporation, de propriedade do banqueiro brasileiro Edmond Safra, morto em circunstâncias misteriosas em seu apartamento monegasco. Um banco cuja carteira de clientes era composta, entre outros, de traficantes de diamantes e suspeitos de negócios com a máfia russa, para citar alguns dos nobres correntistas. Segundo analistas de Wall Street, a instituição financeira de Nova York teria sido vendida por um preço 40% inferior ao seu valor real.
Assim que vários jornais do mundo exibiram documentos com detalhes de como a filial do HSBC em Genebra havia lavado dinheiro de ditadores, traficantes de armas e drogas, auxiliado todo tipo de gente a operar fraudes fiscais milionárias e a abrir empresas offshore, a matriz emitiu um seco comunicado no qual informava que tais práticas, ocorridas até 2007, não tinham mais lugar e que, desde então, os padrões de controle estavam em outro patamar. Mas não é exatamente essa a realidade.
Em julho de 2013, a senadora norte-americana Elisabeth Warren fez um discurso no qual perguntava: quanto tempo seria ainda necessário para fechar um banco como o HSBC? A instituição havia acabado de assumir a culpa por lavagem de dinheiro do tráfico de drogas mexicano e colombiano, além de organizações ligadas ao terrorismo. Tudo ocorreu entre 2003 e 2010. A punição? Multa irrisória de 1,9 milhão de dólares.
Que fantástico. Entre 2006 e 2010, o diretor mundial do banco era o pastor anglicano (sim, o pastor, lembram-se da Guerra do Ópio?) Stephen Green, que, desde 2010, tem um novo cargo, o de ministro do gabinete conservador de David Cameron, cujo governo é conhecido por não ser muito ágil na caça à evasão fiscal dos ricos que escondem seu dinheiro. Enquanto isso, os ingleses veem seu serviço social decompor-se e suas universidades serem privatizadas de fato. O que permite perguntas interessantes sobre quem realmente nos governa e quais são seus reais interesses.
Alguns fatos são bastante evidentes para qualquer interessado em juntar os pontos. Você poderia colocar seus filhos em boas escolas públicas e ter um bom sistema de saúde público, o que o levaria a economizar parte de seus rendimentos, se especuladores e rentistas não tivessem a segurança de que bancos como o HSBC irão auxiliá-los, com toda a sua expertise, na evasão de divisas e na fraude fiscal.
Traficantes de armas e drogas não teriam tanto poder se não existissem bancos que, placidamente, oferecem seus serviços de lavagem de dinheiro com discrição e eficiência. Se assim for, por que chamar de “bancos” o que se parece mais com instituições criminosas institucionalizadas de longa data?

Mais um pouco sobre o fim do mundo...

Vem do blog Tijolaço (Fernando Brito) o texto, republicado no blog do Nassif...

São tão cretinos, que o sentimento é de vergonha alheia, quer dizer...se tivessem alguma na cara...

A arte de fabricar notícias sobre o fim do mundo... só que não

Sugestão de Webster Franklin
do Tijolaço
Por Fernando Brito
camiao
Do Facebook do simpático professor catarinense Pedro Cabral Filho, com os links dos vídeos a que ele se refere, para você ver que não tem exagero.
É a Globo (RBS, lá) em mais uma sessão de “o mundo está se acabando”.
Chega a dar vergonha de ser jornalista: ser desmentido ao vivo pelas pessoas que estão sendo entrevistadas, na ânsia de incutir o pânico na sociedade.
Diz o Pedro:
Péssimo dia Santa Catarina. Na sua campanha do vale tudo contra o governo Dilma o jornaleco matinal da RBSteira, mau dia Santa Catarina de hoje de manhã repercutiu assim a greve dos caminhoneiros:
- Faltará comida no Estado e o desabastecimento já começou nos supermercados de Itajaí.
Diz a antara, ou ancora.
Vamos direto com a repórter Tal diz:
- Estou aqui com o Sr. Fulano, do sindicato dos supermercados. Como está o desabastecimento?
– Não existe desabastecimento em Santa Catarina. Cuidado com esta campanha de apavoramento, isso não acontece aqui.
A repórter gagueja e tenta reverter a pergunta. O entrevistado volta a afirmar que a paralização está acabando e está tudo regular.
– Pois é, é com vocês do estúdio.
Não satisfeitos e com a pauta do ódio, a metralhadora é virada para os postos de gasolina.
– Já falta gasolina em Santa Catarina, principalmente no Oeste do Estado. Vamos conversar com o Sr. Sicrano, representante das empresas de distribuição. 
– Já falta combustível nos postos de Florianópolis e região? Dizia a coitada da repórter.
– Claro que não. Florianópolis é abastecida pela região de Biguaçu e isso não tem a menor condição de acontecer.
– Mas a gasolina irá aumentar. Diz a tansa.
– Como? Uma coisa não tem relação com a outra.
A tola retorna para o estúdio e as caras de “puta que pariu” não deu certo, dava até vergonha. O difícil é que a sutileza apresentada não é para todos. Por isso continuo afirmando que educação é tudo. Ler torna a gente mais inteligente, mais esperto e perspicaz. Dói, mas é prazeroso.
Conferi os vídeos: com uma palavra a mais ou a menos, é isso mesmo: a nítida tentativa dos repórteres de levar os entrevistados a pintarem o inferno de  Dante.
Foi a época em que jornalismo se fazia com notícia….

Seletivos...

Seguem a mídia e seus cúmplices (ou será vive-versa, tanto faz) selecionando aquilo que deve ser condenado publicamente, e aquilo que deve ser escondido...

Deputados tucanos se negam a assinar uma CPI para apurar os desvios de dinheiro para a Suíça (HSBC), naquilo que é chamado de Suiçalão...

(Detalhe: a maior parte dos listados aderiu a "poupança suíça" durante as privatizações de fhc...)

Na outra ponta da quadrilha, a mídia reage enquanto pode a divulgar a lista dos envolvidos (que já é pública na China há anos, e oha que lá é uma ditadura, hein...)!

O ovo de Colombo e o fim do mundo!

Diz a lenda (e que virou piada) que Colombo colocou um ovo em pé para ilustrar o desenho do mundo para os reis católicos Fernando e Izabel, e angariar apoio deles à sua empreitada que mudou a geopolítica de então...

Desde então, a expressão "ovo de Colombo" passou a simbolizar ideias e soluções inventivas e revolucionárias, mas extremamente simples...

Mas a vida de Colombo não foi fácil...Ele, assim como os que compartilham seu espírito, teve que "remar contra a corrente", e naquela época, desafiar o pensamento estabelecido e o discurso ideológico vigente era muito mais perigoso...

Para todos os demais o mundo era chato, e navegar além dos limites implicava em cair em um abismo, o fim do mundo...

Não temos mais colombos hoje em dia, e ironicamente, quando os meios possibilitam circulação de bens, pessoas e INFORMAÇÃO em hipervelocidade, parece que a Humanidade está condenada a considerar que o mundo acaba no horizonte...

É a situação do Brasil e do resto do mundo...

Claro que no século XV ou no XXI havia quem estivesse por trás das manipulações da realidade, SEMPRE!

O conhecimento e a ignorância sempre foram variáveis preciosas para quem deseja manter o poder, ou pelo menos, seus privilégios...

Conhecimento sempre foi anti-establishment, e a ignorância o cimento do poder (não confundir PODER com governos, ó, imbecis)...

Aí não adiantam ciência, observação ou a realidade, valem a mistificação, o desespero, a histeria...

Engraçado é perceber que de tempos em tempos, o papel de "guardiões da fé" muda de lugar...

Antes, era a Igreja o centro de controle social mais poderoso, dominando o saber e o não-saber...

Hoje, cabem à mídia e os seus "sacerdotes de coleira" o triste papel de "arautos do apocalipse", ameaçando qualquer pensamento que fuja do lugar comum...

Ou seja, para os "sacerdotes", temos uma "crise moral", e não a ruptura global de um sistema de produção que se estrutura nas assimetrias nacionais e de classes,  nas crises sazonais e sacrifícios da maioria para regalo de minorias cada vez menores...

Toda esta histeria da mídia, seja na Europa, seja no Brasil ou nos botequins jornalescos da planície de lama tem um objetivo claro, embora nem sempre todos saibam do papel que cumprem, porque é fato, alguns idiotas agem apenas como macacos adestrados...

A cada crise universal do mundo capitalista abre-se uma janela para que este sistema seja superado...

Passada a oportunidade, o sistema se rearruma e se posciona com apetite ainda mais voraz, reiniciando seus ciclos de acumulação em velocidade ainda maior que antes, e consequentemente, aumentando a rapidez da chegada da próxima crise global, onde cada vez mais e mais gente é colocada para "fora" do sistema, ao passo que o número de pesssoas mais ricas diminui no mesmo ritmo que aumenta a riqueza que concentram...  

Aqueles que desejam manter a atual ordem das coisas, com o eixo de poder centrado na Europa e nos Eua, baseados na exploração energética de hidrocarbonetos (até agora, de longe, a fonte mais barata), deslocaram, como em todas as outras crises passadas, o foco da discussão, evitando assim o questionamento óbvio: 

Quem ganha e quem perde com a manutenção do atual sistema capitalista, seus mercados, seus fluxos desenfreados de capitais, a especulação, os sequestros dos orçamentos nacionais, etc?

Sabiamente, atribuem a "culpa" a governos nacionais, e colocam sobre seus ombros a responsabilidade de lidar com uma crise que não criaram mas, a bem da verdade, assistiram omissos o seu desenrolar, sem a preocupação de impor as regulações necessárias, e ao contrário, facilitando o vai-e-vem e concentração de riquezas...

Vejam o caso do Estado do Rio de Janeiro, ou da cidade de Campos dos Goytacazes...

Há uma crise orçamentária evidente, mas as perguntas fundamentais não são feitas:

1- Ora, quando havia folga no caixa, por que não se guardou um pouco para momentos de oscilação ou baixa nas receitas?

2- Onde estão os empregos e os investimentos que justificaram bilhões de incentivos fiscais a empresas, e que seriam o antídoto contra crises, e a saída para as dependências petrorrentistas?

3- Qual o custo de cada emprego gerado?

4- O quanto destas receitas renunciadas estão fazendo falta no custeio da máquina estatal?

5- O quanto a concentração dos trabalhadores nas cidades onde se instalaram empresas, que não pagam seus impostos, aumentou a demanda estatal por bens e serviços (escolas, delegacias, policiais, professores, médicos, merenda escolar, saneamento, água, etc, etc, etc, etc)????

6- As receitas indiretas que geram nas economias locais compensam o enorme aumento de despesas pelo incremento dos empreendimentos capitalistas, onde entramos como "sócios" com nossos IMPOSTOS?

7- Os sacrifícios serão distribuídos a todos proporcionalmente, isto é, vai perder mais que tem mais para perder?

8- Enfim, quem está lucrando com o atual estado de coisas, e quem lucrará se as coisas continuarem como estão? Para onde vai o dinheiro?


Ahhhh, mas é claro, fica muito mais fácil sair as ruas e latir pelo golpe a presidenta, ou dizer que o mundo vai acabar junto com a Petrobrás...

É mais fácil dizer que o mundo é chato, nunca vai mudar e que gente como Colombo deve ser queimada por sua suprema heresia de...pensar...


Ou como dizia Nelson Rodrigues: "Ninguém desconfia do óbvio"....

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Falando sério...

Há uma demanda urgente no país...Acabando de ler o livro de Jorge Ferreira e Angela Castro Gomes sobre o golpe de 1964, pude enfim conhecer, dentre tantas outras coisas sobre o Brasil de ontem e de hoje, duas lições fundamentais:

01- Definitivamente somos um país inclinado a golpes, e no Brasil todos eles nasceramm como movimentos de ruptura dos acordos da elite, ainda que em 1964, (parte das) forças de esquerda também tenham optado por romper com a via institucional...

02- Golpes acontecem quando os setores que têm a responsabilidade institucional de manter as coisas no rumo (geralmente os moderados) ficam isolados entre os extremos, e/ou quando a correlação de forças pende tragicamente para um dos lados...parece óbvio, mas é preciso relembrar essa premissa para não cometer erros de avaliação...

Foi o caso em 64, e já escrevemos isso aqui... quando comentamos sobre o livro da Editora Civlização Brasileira pela primeira vez...

Não há no Brasil de hoje um ambiente deflagrado como ontem, não há um desarranjo econômico como o vivido por Jango, com inflação na casa dos 100% ao ano, desemprego, greves, desabastecimento (em parte, por sabotagem), etc...Não há, exceto os débeis mentais, grupos políticos estabilizados em torno da ideia de fratura institucional, nem à esquerda, nem à direita...

Não há personagens como Brizola, Arraes, Julião, ou do outro lado, como Lacerda, Barros, por outro lado, não há moderados do calibre de JK, Tancredo ou San Thiago Dantas...

O que não quer dizer que haja conforto para esperar a situação se deteriorar, ou que devamos desacreditar no potencial golpista e conservador de boa parte da sociedade, inclusive dos cretinos que mais se beneficiam da melhoria de vida do povo...

Vejam vocês que, ironicamente, donos de jornais e de outros meios de comunicação deveriam estar felizes com a oportunidade de termos, hoje, 7 milhões de universitários, ao invés dos históricos 800 mil que tínhamos antes de 2003...

Que mais e mais pessoas estejam a comprar TV com conteúdo melhor (ou menos pior), acessando dados e informações na rede mundial, enfim, que as pessoas tenham se transformado em consumidores potenciais de informação, quando até bem pouco tempo não tinham o que comer...Inclusive para criticar e questionar governos, seja lá de que matizes forem...

Mas, ironicamente, o pessoal da comunicação não parece acostumado ou inclinado a melhorar o que produzem, e aí gritam...Que ironia, não? Gente que vende conteúdo reclamando de um governo que aumentou sua base de "consumo", e por que será?

Talvez a teoria bonneriana responda: "São todos Hommer Simpson"....

Porque a informação neste país que desejam é luxo de poucos, que devem, depois de vestir a informação do figurino ideológico mais apropriado, diluir para a massa ignara, como se tangessem bois...De cima para baixo, e goela abaixo...

Essa tarefa é mais importante para os donos da mídia que possibilitar um debate amplo e plural...Esta é a síntese "genética" dos grupos de mídia, sejam eles grandes oligopólios, sejam jornalecos-botequins do Norte Fluminense: Manipular a realidade, torturá-la para que confesse seus interesses...

Não se enganem, eles não rasgam dinheiro...Hoje a mídia não vive de seu público, ou dos anunciantes, mas de verba pública e gorda dos orçamentos públicos, inclusive dos governos que amam odiar...Irônico, não?

Voltando ao livro, é assustador ver semelhanças com o ontem, como o papel do PSD, semelhante ao "centro" político que hoje funciona do PMDB, as contradições...

Também é preocupante reconhecer (eu não sabia), que nem em 64 houve um consenso tão rígido dos grupos de mídia como há hoje...O livro revela que JB, Correio da Manhã, Última Hora, e outros, e até, pasmem, o globo e a folha de sp, mantinham linhas mais próximas do equilíbrio, e que só se dispuseram a radicalizar de vez nos últimos momentos, o que não os absolve, ao contrário...

No entanto, hoje há um controle, uma censura privada e prévia que impede que TODO e QUALQUER grupo econômico de mídia seja capaz da mais leve reflexão ou consideração positiva sobre atos do governo, e mais, como se não bastasse tal desequilíbrio anti-democrático, precipitam-se sobre a ilegalidade (impune), quando caluniam e assassinam reputações, enquanto sonegam do público aquilo que cometeram seus protegées...

E no caso da globo, ela mesmo é uma organização criminosa dedicada a sonegação fiscal!!!

Nossa tarefa é esvaziar a indústria do ódio...É algo que tenho que dizer a mim mesmo, afinal, odiar é sempre mais fácil...

O compromisso dos que querem um país melhor passa pela árdua tarefa de encontrar dentre os delirantes golpistas aqueles que estejam dispostos a algum tipo de diálogo...Não podemos abandonar a política....

Isso não implica em baixar a guarda ou deixar de demarcar o campo necessário, colocando os cretinos sempre em seu devido lugar, o esgoto da História...

Porém, a mais completa e solene indiferença é o antídoto certeiro a campanha de ódio que promovem, tentando encurralar o país...

Vida longa aos mervais e outros boçais do gênero...Que assistam de pé, soltos e gordos a mudança desse país...

Como ninguém é de ferro, a síntese do que representa a mídia e seus jornalistas de coleira...

Image result for charges sobre jornais ou jornalistas

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Fora Dilma!

O texto vem do blog do Nassif, e antes que se agitem os cretinos, é bom perceber a ironia...

Ironia, na minha opinião, pode ser considerada uma sofisticação da inteligência...Uma arma perigosa, para ser usada com parcimônia...É o melhor antídoto para o lugar comum, para o riso fácil provocado pelo achincalhamento ou linchamento óbvio de reputações...

Ironia é sempre contra-hegemônica, é sempre contra-corrente...Ironia senso comum é coisa de gente covarde...

Quem escreveu este irônico petardo não é um militante petista, ou um agraciado das políticas do governo, mas um procurador de justiça aposentado, cujas credenciais estão no pé do artigo...


Vale a pena:

Impeachment já! Por Roberto Tardelli

Jornal GGN - O procurador de Justiça aposentado e editor do portal Justificando.com, Roberto Tardelli, escreveu um artigo sobre a possibilidade de Impeachment da presidente Dilma Rousseff. Para tanto, coloca-se na posição daqueles que gostariam da saída da presidente, ironizando as situações e formas de pensamento dos que são favoráveis à medida.

Por Roberto Tardelli


Nas redes sociais, a todo momento chega uma convocação, para todos irmos às ruas para exigir o impeachment da Presidenta da República. É agora ou nunca, moçada: os baixos índices aprovação nas pesquisas do IBOPE, a economia em crise, a PETROBRAS bombando no Jornal Nacional todos os dias, sangrando em praça pública, políticos acuados, uma Justiça irada, lançando suas pragas a todos que consegue alcançar, a sensação de que tudo está ruindo a seu lado, a falta de água, São Pedro teria confirmado sua presença, o porto em Cuba, proibido fazer xixi na rua no Carnaval, polícia baixando o sarrafo e mandando bala, ciclovias caríssimas, uma refinaria de petróleo comprada a preço de uma refinaria de ouro, sete a um, Anderson Silva estava mesmo chapado? Xuxa indo pra Record, dólar deixando Miami mais distante, Paola Oliveira é única boa notícia do Ocidente, os EUA descobriram que a Rússia ainda respira e isso parece ser muito grave, o Estado Islâmico consegue ser pior que o PCC (ou empata) e deve ser demolido, pelos USA ou pela ROTA, é de quem chegar primeiro, enfim. Tudo somado, a culpada, claro, é a presidenta.
Decididamente, as coisas vão mal. Gays estão se casando à luz do dia, não mais perante testemunhas, mas convidados e, desafiadores, fazendo festa. Temos programas de transferência de renda e isso impede ou dificulta a contratação de empregadas domésticas, que, não satisfeitas, começaram a ter direitos trabalhistas somente destinados a humanos. O índice de mortalidade infantil desabou, isso é bom, mas pode ter sido à custa da contratação de comunistas disfarçados de médicos, vindos de Cuba, isso é mal. É péssimo. É horrível e pode fazer com que as populações interioranas e ribeirinhas se revoltem contra o Capitalismo e façam uma revolução camponesa.
Uma gente horrível começa a falar em uma reforma tributária sangrenta para a sociedade ordeira: é preciso extinguir os impostos indiretos (IPI, ICMS, essas paradas), tremendamente injustos, porque a faxineira e a patroa pagam o mesmo ICMS pela lata de óleo (teoricamente, porque a patroa jamais compraria o óleo da faxineira; aliás, patroa que é patroa não compra, manda a faxineira comprar). Uma gente exótica começa a falar em aumentar impostos de herança, criar finalmente o imposto sobre as grandes fortunas, aumentar em padrões comunistas espanhóis ou alemães a alíquota do imposto de renda na fonte. Isso beiraria alguma coisa americana, mas de lá queremos apenas Miami e a pena de morte, além de Halle Berry e Rihana. O caos se aproxima perigosamente.
Pior, mulheres desocupadas, gays, comunistas de novo (sempre eles), andam falando por aí em descriminalizar aborto e drogas. Será o fim. Se essa presidenta deixa essa turma falando livremente, é porque concorda. Terrorista, ela assaltou bancos na vida. Agora, quer dissolver as famílias na luxúria e no vício. Estamos perdidos.
No Direito, antes ocupado por brasileiros responsáveis, começam a surgir, aqui e ali, um pessoal de Direitos Humanos. Por incrível que pareça, falam em dignidade humana para criminosos, ladrões, estupradores e assassinos. Fazem arzinho superior e só querem saber de soltar bandidos. Bandido bom é bandido morto, simples assim. Desenterraram os defuntos da Revolução de 64, contaram a história deles, dos que roubaram bancos, dos que ameaçavam o país tropical, abençoado por Deus. E quem estava entre elesEla!!
Um primo meu me disse que um amigo dele que conhece uma pessoa no MEC falou que no ano que vem a cadeira de História do Brasil será História do MST. Outro, um vizinho meu que trabalha no mercado de ações, disse que o Brasil e Venezuela, onde o povo sofre com uma ditadura estranhamente meio aliche meio mozzarella, vão abolir suas fronteiras e a lei venezuelana vai valer aqui dentro. E que todo Centro Espírita vai ter se que chamar Pai Chavez, que vai ter preferência para se manifestar, antes de qualquer mesa branca, que passará a ser vermelha!!! Tudo a partir do ano que vem. Vão ensinar cubanês nas escolas públicas.
Só não vê quem se recusa a enxergar o óbvio. Nesses dias, de ateísmo pagão, de entrega do solo brasileiro ao comunismo, de corrupção em níveis bilionários na petrobras, com pessoas defendendo essa coisa louca de legalizar, liberar, estimular o uso da maconha e outras drogas e criar a bolsa-nóia, de permitir o aborto, de bater palminhas para casamentos que afrontam nossa melhor tradição, de proibir palmadas nas crianças, para criar um país de pentelhos desobedientes, quem não não for a favor do impeachment, merece apanhar de vara.
E nem venham com esse discurso de terceiro turno. A eleição foi ganha nas profundezas do analfabetismo, já disse nosso Grande Mestre. Fosse nosso povo igual ao dos Estados Unidos, igual ao da Disney (gente, tudo funciona lá!!), queria ver se essa farra continuava. Quem ganhou a eleição, comprou o voto. Um país cresce pelo trabalho, pela meritocracia, pela prevalência dos bons, prevalece porque tem ordem, porque tem lei que pune, ora essa. Que país, respondam, esquerdóides!, sobrevive sem um xilindró amargo para os recalcitrantes? E os direitos humanos das vítimas? É só os direitosdosmano? Em São Paulo, tem bolsa-travesti. Não deixem as crianças saberem disso, porque vão, as mais fraquinhas, querer ser isso, para ganhar dinheiro sem trabalhar. Uma família com cinco travestis, por exemplo, recebe mais que um trabalhador que cumpre sem reclamar com seus deveres e que nunca pensou ser travesti. Botem a pena de morte e verão como vão ficar espertos, igual na China, a família paga as balas do fuzilamento. Quem mandou educar filho torto? Quem ganhou a eleição, fez o discurso do bonzinho, ou melhor, da boazinha, da tiazona que distribui grana a rodo pra sobrinhada vagabunda. Se falasse, no meu governo vagabundo vai ter que trabalhar, preso vai ter que trabalhar, menor bandido vai ter trabalhar, quero ver se ia ter os votos que teve. Ia nada. Ficou inventando historinha pra boi dormir. Ganhar assim, não vale.
Ó: conheço um monte, mas um monte de gente que votou no Aécio, apertou Aécio, mas aparecia Ela!! E que história é essa de voto do Acre valer a mesma coisa que voto de São Paulo? Os caras lá no Acre elegeram Ela. Se foi assim, Ela que vá ser governadora do Acre, pombas! O Brasil é tão inacreditável que o Acre decide uma eleição presidencial. Todo mundo fazendo festa, estourando champanhe, cerveja gourmet e vem o Acre pra azedar tudo, vê se pode! É mais ou menos o Real Madri perder uma Champions League com de zagueiro que saiu do XV de Jaú.
Para culminar, a jabuticaba podre do bolo de fubá dessa gentinha, eles estão com Lei de Cotas para todo lado. Descobrimos o Brasil-Negão, o Brasil-Negona! Tudo ia bem, a turma mais clarinha resolvendo as paradas com classe, com estilo, tomando um belo Merlot e chega esse povo pobre, de bunda quadrada de busão, de escola pública, que nem sabe o que é um Nespresso e quer chegar mandando!
O voto bom, do povo certo, da turma bacana, esse não foi pra ela. Esse era o voto que valia.
Nosso Grande Líder já deu o sinal verde. Nosso Grande Jurista diz que pode, sim, ter essa bagaça culposa. Primeiro impeachment culposo do planeta Terra. A tia não cuidou das coisas direito. É nóis na fita, mano! Não é assim que eles falam?
Por isso, dia 15 de março, vamos lá. Todos nós. Vai ter estacionamento próprio, pra ninguém ser obrigado a dar dinheiro para flanelinha folgado e que recebe bolsa-alguma coisa. Passeata bonita, sem criança remelenta, sem povo unido jamais será vencido, nada disso. Só gente bonita, gente branca, bem vestida. Uma manifestação que vai ser cívica e fashion.  Vamos organizar as fileiras por ordem alfabética, assim, fila da frente, a turma de Gucci, depois, o pessoal de Prada, aí, vem a ala dos amigos de Lacoste (essa teve liquidação em dezembro), as meninas de Le Boutin, e, fechando, gloriosos, o pessoal de Vuitton.  Morram de inveja, pobraiada!!
Queremos o poder de novo; a gente somos povo!!
The winter is coming, Dilma!!
A organização avisa para cada um levar sua água. Quem trouxer mais de cinco litros, ganha emprego na Sabesp. Nada, nada, é um a mais para trocar por umas doletas e gastar com a patroa num outlet da hora em Miami.
Impeachment já!
Roberto Tardelli é Procurador de Justiça aposentado (1984/2014), onde atuou em casos como de Suzane Von Richthofen. Atualmente é advogado da banca Tardelli, Giacon e Conway Advogados, Conselheiro Editorial do Portal Justificando.com e Presidente de Honra do Movimento de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Um tijolaço na cara dos hipócritas e outros cretinos!

Vem do Tijolaço, blog pilotado  antes pelo ex-deputado Brizola Neto, e agora pelo Fernando Britto, a porrada decisiva na cara dos molóides do moralismo vesgo e manco...

Leia e se divirta com o fato de que a História não perdoa...(à benção Leonel):


Rádio Eldorado da Globo transmitia o jogo do bicho

Sugerido por Antonino
Do Tijolaço
amei
Não tenho a menor simpatia pela Beija-Flor, ao contrário.
Nem pelo Teodoro Obiang, ditador da Guiné Equatorial, que “descobriram” agora e que querem jogar na história de corrupção das empreiteiras – que não dá um livro, dá uma coleção – também recém-descoberta.
Obiango é um ditador? É. Uma das muitas ditaduras praticadas na África, com a ajuda do Ocidente, desde que faça-lhe bons negócios.
Pois se os amigos da CBN, que deu ontem a “barriga” fenomenal de jurar que o “ômi” estava no Sambódromo, quando estava em Camarões,  forem ao “basicão” da Wikipédia, lerão lá, sobre a a história da Guiné Equatorial:
Em 1493, dom João II de Portugal proclamou-se juntamente com o resto dos seus títulos reais como Senhor de Guiné e o primeiro Senhor de Corisco. Os Portugueses colonizaram as ilhas de Bioko, Ano Bom e Corisco e em 1494, e converteram-nas em postos para o tráfico de escravos.(…) Portugal vendeu mão de obra escrava a partir de Corisco com contratos especiais à França (a qual contratou até 49 000 guineenses escravos), à Espanha e à Inglaterra em 1713 e 1753, sendo os principais colaboradores neste comércio os Bengas, que tinham boas relações com as autoridades coloniais europeias (as quais, por sua vez, não intervinham na política interna do país, o que sem dúvida ajudava).

Nem vou falar que lá há, hoje, outra riqueza negra, como eram os escravos: petróleo. E que por isso tentaram derrubar o senhor Obiang, em 2004, num golpe liderado por mercenários financiados por ingleses, entre eles o filho da finada “Dama de Ferro” Margareth Tatcher, “Sir” Mark, que foi preso por isso.
Um beleza, não é? Como somos bons em dar lições de moral aos outros sem cantar nossas próprias culpas, não é?
Mas deixa o Obiang para lá, que ditadores no mundo não faltam e estes são “bons” ou “maus” de acordo com interesses nada humanitários.
Vamos falar dos “donos” do Carnaval carioca, os bicheiros.
A Globo tem nojo desta ralé, não é? Embora seu principal executivo durante décadas, o Boni, fosse amicíssimo de Castor de Andrade (desfilou como sósia dele na Grande Rio, em 2010) e Anísio Abrãao, que, aliás, comprou o apartamento triplex que pertenceu ao Dr. Roberto Marinho.
Será que o pessoal da CBN, hoje tão cheio de pureza moralista sabe que, antes de transmitir em 860 khz, a CBN nasceu na frequência de 1180 khz, da extinta Rádio Eldorado, uma das compradas por Marinho? Aliás, era a frequência antiga da própria Rádio Globo, esta…
E que a rádio Eldorado – do Sistema Globo, já –  transmitir, todos os dias o resultado do jogo do bicho, que normalmente era colado em papeluchos nas paredes e nos postes, obrigando o apostador a ir a rua para sabê-lo.
Vou deixar que quem conte esta história seja Leonel Brizola, num de seus tijolaços, no dia 21 de abril de 1994, quando o jornal fazia escândalo com uma lista apreendida na fortaleza de Castor, que me é trazido pela implacável memória de meu amigo Ápio Gomes:
“(…)A Rádio Eldorado do Rio (agora, transformada em CBN), empresa do Sistema Globo de Rádio, propriedade de Roberto Marinho, consta na lista como beneficiária, durante dois anos, todos os meses, de recebimento de dezenas de milhares de dólares de propina de Castor de Andrade.
Nos anos de 90, 91 e 92, a cada mês, esses alegados registros da contravenção, demonstram que a rádio de Roberto Marinho recebia uma mesada do bicheiro, certamente como paga pela divulgação diária que a Rádio Globo faz dos resultados do bicho.
Querem ligação maior do que essa, a do dono de uma rádio que funciona como central de divulgação do bicho? Agora compreendo por que, numa das raras entrevistas que dei à Rádio Globo, tiveram a ousadia de interromper o programa, sob os meus mais indignados protestos, para fornecer os resultados da extração dos contraventores. Aí está não uma simples menção a um nome, mas uma ligação concreta, por anos a fio, na qual correspondiam a serviços da rádio de Marinho, ao pagamento que vinha do bicho.
Vejam bem, não estamos mais falando dos espaços generosos que os bicheiros tinham na Globo, até mesmo para questionar, em rede nacional, decisões do Judiciário, como ocorreu com o próprio Castor. Não estamos falando da íntima amizade que liga o contraventor ao braço direito e principal executivo da Globo, Sr. Boni. Não estamos falando dos privilégios e intimidade que a Globo e os bicheiros concediam-se mutuamente nas negociações para a transmissão do Carnaval na Passarela, nem da sua associação para sabotar aquela obra do meu Governo. Estamos falando de um fato concreto, de um concessionário de um serviço público, que não recebeu um canal de rádio, que pertence a toda a população, para fazer negócios com a contravenção, num abuso inominável, que em qualquer país do mundo significaria, imediatamente, a cassação do privilégio que recebeu do Poder Público para informar, educar e entreter a comunidade e não para fazer a apologia da contravenção.
E não se diga que o Sr. Marinho de nada sabia: o pagamento mensal durou, pelo menos, dois anos, e as transmissões do bicho eram diárias e só foram suspensas há poucos dias, depois que estourou esse escândalo. Era o comunicador da contravenção, o empresário-bicheiro, que transformou a sua rádio num poste de rua para afixação dos boletins do bicho. “
Então, os coleguinhas que estão embriagados com esse papel em que tolamente se colocam de virgens de bordel, dando lições de moral – logo onde! – sobre o Carnaval, cuidado. Em matéria de Carnaval, jogo do bicho, ditaduras e dinheiro, tem muito bububu no bobobó da Globo…