quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Mercado Municipal ou shopping retrô?



Esta é a maquete do projeto defendido pelos "urbanistas-jênios" da cidade para mercado.

Uma ode ao carro particular, com três pistas tangenciando o perímetro, com alças de acesso na entrada, igualzinho a um shopping...

Mais classe mé(r)dia impossível...

Querem a feira e o camelódromo mais longe possível..."ui...que troço nojento este tal de povo", devem dizer...

"É hora de "revitalizar" o centro", dizem os lojistas acostumados aos favores do poder público..."Tirem o povo e tragam os carros e as madames", imaginam eles...!

"Matem a vida em sociedade, higienizem e privatizem o espaço público...Levem o povo para longe..."

Querem um Mercado soft...com algumas quinquilharias e outras curiosidades meramente "antropológicas"...Ambiente de exotismo controlado...

Esquecem o perfil do público majoritário daquele centro comercial, enquanto procuram incentivar o uso do veículo privado...

E imaginar que um destes arquitetos-jênios foi o responsável pela pasteurização do Angu do Capim em um shopping local, e defendeu sua "intervenção" como prova de que o luxo privatista também poderia conviver com o "popular"...

Arf...!

Enquanto a sociedade necessita de gente andando, de gente se encontrando, os "jênios" do espaço urbano colocam uma highway ao lado do Mercado...


Imagine seu filho se desprendendo de suas mãos, ocupadas pelos pacotes da compras, e atravessando a via...

É certo que eu não entendo nada de urbanismo e arquitetura, mas este pessoal não entende nada de gente e de cidade...

Nossos pereira-passos e seu indefectíveis bota-abaixo!

5 comentários:

Anônimo disse...

Ótima análise! Muito bom o texto!

Anônimo disse...

Concordo plenamente.

Embora eu tenha, não precisa formação técnica para identificar as baboseiras defendidas pelos "jênios". O pior é que alem de não apresentarem solução para os feirantes (se não me engano, mais de 500 que utilizam o espaço externo) e nem para os camelôs, os defensores da "shoppinização" vem trazendo a opinião pública de roldão, que, pelos motivos de sempre, está mal informada.

O camelódromo que o crítico "jênio" e outros higienistas querem varrer para debaixo do tapete é o mesmo que eles frequentam escondidos para comprar presentinhos baratos e bugingangas piratas...

Vendo de longe, um leigo pode pensar que os argumentos do arquiteto que ataca o projeto do mercado, são consistentes. Não são. O mercado é um local com muitos interesses e relações com a comunidade. Nunca haverá um projeto perfeito que atenda à todos, mas imagino que o atual tenha sido aprovado pela prefeitura e pelos feirantes e os envolvidos mais diretamente.

A julgar por sua obra no Shopping certamente não virá do Jênio do Angú a solução para o Mercado.

douglas da mata disse...

É esta a questão.

Em nome de um projeto arbitrariamente imposto como "ideal", os jênios do angú, blogueiros e jornalistas de coleira pretendem abolir toda a dinâmica social do mercado e o capital de convivência acumulado por anos e anos.

Não que o Mercado, como qualquer espaço público, prescinda da intervenção do Estado, em nome dos interesses de toda coletividade. Nada disso.

Muito menos defendemos que aquele local é um paraíso de virtudes.

Mas ali está o caldo da cidade, sua convergências e conflitos da parte mais heterogêna da população, o "povo" que se "mistura".

É isso que eles querem matar.

Anônimo disse...

Mais um apelido criado aqui: "jênio do angú"... rárrárrá

douglas da mata disse...

Crédito a quem tem...

Foi da lavra do comentarista das 16:56, aos 15 de janeiro.