domingo, 25 de janeiro de 2015

É sempre bom estar em boa companhia...

Onte escrevi um texto (aqui) sobre as questões que rondam o Brasil, subida dos juros e os ataques ao parque empresarial brasileiro...Tudo movido a doses cavalares de hipocrisia moralista...

Perece que não estou sozinho...

É claro que o autor desse texto, copiado também do blog do Nassif, detém cabedal intelectual exponencialmente maior que o meu...

Mas fica a coincidência de "intuições".,. São textos, digamos, complementares...Divirtam-se:

Golpe final na soberania do País, por Adriano Benayon

Sugerido por alfredo machado
 
 
 
1. Não é hipérbole dizer que o Brasil – consciente disto, ou não – vive momento decisivo de sua História. Se não quiser sucumbir, em definitivo, à condição de subdesenvolvido e (mal) colonizado, o povo brasileiro terá de desarmar a trama, o golpe em que está sendo envolvido.
 
2. Essa trama – que visa a aplicar o golpe de misericórdia em qualquer veleidade de autonomia nacional, no campo industrial, no tecnológico e no militar – é perpetrada, como foram as anteriores intervenções, armadas ou não, pelas oligarquias financeiras transnacionais e instrumentalizada por seus representantes locais e pelo oligopólio mediático, como sempre utilizando hipocritamente o pretexto de combater a corrupção.
 
3. Que isso significa? Pôr o País à mercê das imposições imperiais sem que os brasileiros tenham qualquer capacidade de sequer atenuá-las.
 
4. Implica subordinação e impotência ainda maiores que as que levaram o País, de 1955 ao final dos anos 70, a endividar-se, importando projetos de infra-estrutura, em pacotes fechados, e permitindo o crescimento da dívida externa, através dos déficits de comércio exterior decorrentes da desnacionalização da economia, e em função das taxas de juros arbitrariamente elevadas e das não menos extorsivas taxas e comissões bancárias para reestruturar essa dívida.
 
5. Ora, a cada patamar inferior a que o Brasil é arrastado, o império o constrange a afundar para degraus ainda mais baixos, tal como aconteceu nas décadas perdidas do final do Século XX.
 
6. Na dos anos 80 ocorreu a crise da dívida externa, após a qual o sistema financeiro mundial fez o Brasil ajoelhar-se diante de condições ainda mais draconianas dos bancos “credores”.
 
7. Na dos anos 90, mediante eleições diretas fraudadas em favor de ganhadores a serviço da oligarquia estrangeira, perpetraram-se as privatizações, nas quais se entregaram e desnacionalizaram, em troca de títulos podres de desprezível valor, estatais dotadas de patrimônios materiais de trilhões dólares e de patrimônios tecnológicos de valor incalculável.
 
8. A Operação Lava-jato está sendo manipulada com o objetivo de destruir simultaneamente a Petrobrás – último reduto de estatal produtiva com formidável acervo tecnológico – bem como as grandes empreiteiras, último reduto do setor privado, de capital nacional, capaz de competir mundialmente.
 
9. Quando do tsunami desnacionalizante dos 90, a Petrobrás foi das raras estatais não formalmente privatizadas. Mas não escapou ilesa: foi atingida pela famigerada Lei 9.478, de 1997, que a submeteu à ANP, infiltrada por “executivos” e “técnicos” ligados à oligarquia financeira e às petroleiras angloamericanas.
 
10. Essa Lei abriu a porta para a entrada de empresas estrangeiras na exploração de petróleo no Brasil, com direito a apropriar-se do óleo e exportá-lo, e propiciou a alienação da maior parte das ações preferenciais da Petrobrás, a preço ínfimo, na Bolsa de Nova York, para especuladores daquela oligarquia, como o notório George Soros.
 
11. Outros exemplos do trabalho dos tucanos de FHC agindo como cupins devoradores – no caso, a Petrobrás servindo de madeira – foram: extinguir unidades estratégicas, como o Departamento de Exploração (DEPEX); desestruturar a administração; e liquidar subsidiárias, como a INTERBRÁS e numerosas empresas da área petroquímica.
 
12. Como assinalam os engenheiros Araújo Bento e Paulo Moreno, com longa experiência na Petrobrás, a extinção do DEPEX fez que a empresa deixasse de investir na construção de sondas e passasse a alugá-las de empresas norte-americanas, como a Halliburton, a preços de 300 mil a 500 mil dólares diários por unidade.
 
13. Os próprios dados “secretos” da Petrobrás, inclusive os referentes às fabulosas descobertas de seus técnicos na plataforma continental e no pré-sal são administrados pela Halliburton. Em suma, a Petrobrás é uma empresa ocupada por interesses imperiais estrangeiros, do mesmo modo que o Brasil como um todo.
 
14. Além disso, a Petrobrás teve de endividar-se pesadamente para poder participar do excessivo número de leilões para explorar petróleo, determinados pela ANP, abertos a empresas estrangeiras.
 
15. Para obter apoio no Congresso, os governos têm usado, entre outras, as nomeações para diretorias da Petrobrás. Essa política corrupta e privilegiadora de incompetentes, já antiga, é bem-vinda para o império, e é adotada para “justificar” as privatizações: vai-se minando deliberadamente a empresa, e depois se atribui suas falhas à administração estatal.
 
16. Tal como agora, assim foi nos anos 80 e 90, com a grande mídia, incessantemente batendo nessa tecla, e fazendo grande parte da opinião pública acreditar nessa mentira.
 
17. Mas as notáveis realizações da Petrobrás são obras de técnicos de carreira, admitidos por concurso – funcionários públicos, como foram os da Alemanha, das épocas em que esse e outros países se desenvolveram. Entretanto, a mídia servil ao império demoniza tudo que é estatal e oculta a corrupção oriunda de empresas estrangeira, as quais, de resto, podem pagar as propinas diretamente no exterior.
 
18. Para tirar do mercado as empreiteiras brasileiras, as forças ocultas – presentes nos poderes públicos do Brasil – resolveram aplicar, contra essas empresas, a recente Lei nº 12.846, de 01.08.2013, que estabelece “a responsabilização objetiva administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira (sic).”
 
19. Seu art. 2o reza: As pessoas jurídicas serão responsabilizadas objetivamente, nos âmbitos administrativo e civil, pelos atos lesivos previstos nesta Lei praticados em seu interesse ou benefício, exclusivo ou não.”
 
20. Como as coisas fluem rapidamente, quando se trata de favorecer as empresas transnacionais, a Petrobrás já cuidou de convidar empresas estrangeiras para as novas licitações, em vez das empreiteiras nacionais.
 
21. A grande mídia, tradicionalmente antibrasileira, noticia, animada, a possibilidade de se facilitar, em futuro próximo, a abertura a grupos estrangeiros do mercado de engenharia e construção civil, mais uma consequência da decisão, contrária aos interesses do País, de considerar inidôneas as empreiteiras envolvidas na operação Lava Jato.
 
22. Recentemente, nos EUA, foi infligida multa recorde, por corrupção, a um grupo francês, a qual supera de longe os US$ 400 milhões impostos à alemã Siemens. Já das norte-americanas, por maiores que sejam seus delitos, são cobradas multas lenientes, e não está em questão alijá-las das compras de Estado.
 
23. Já no Brasil – país ocupado e dominado, mesmo sem tropas nem bases estrangeiras – somente são punidas empresas de capital nacional. Fica patente o contraste entre um dos centros do império e um país relegado à condição de colônia.
 
24. Abalar a Petrobrás e inviabilizar as empreiteiras nacionais implica acelerar o desemprego de engenheiros e técnicos brasileiros em atividades tecnológicas. As empreiteiras são importantes não só na engenharia civil, onde se têm mostrado competitivas em obras importantes no exterior, mas também por formar quadros e gerar de empregos de qualidade nos serviços e na indústria, inclusive a eletrônica e suas aplicações na defesa nacional.
 
25. Elas estão presentes em: agroindústria; serviços de telefonia e comunicações; geração e distribuição de energia; petróleo; indústria química e petroquímica; construção naval. E – muito importante – estão formando a nascente Base Industrial da Defesa.
 
26. A desnacionalização da indústria já era muito grande no início dos anos 70 e, além disso, foi acelerada desde os anos 90, acarretando a desindustrialização. Paralelamente, avança, de forma avassaladora, a desnacionalização das empresas de serviços.
 
27. Este é o processo que culmina com o ataque mortal à Petrobrás e às empreiteiras nacionais, e está recebendo mais um impulso através da política fiscal – que vai cortar em 30% os investimentos públicos – e da política monetária que está elevando ainda mais os juros.
 
28. Isso implica favorecer ainda mais as transnacionais e eliminar maior número de empresas nacionais, sobre tudo pequenas e médias, provedoras mais de 80% dos empregos no País. De fato, só as transnacionais têm acesso aos recursos financeiros baratos do exterior e só elas têm dimensão para suportar os cortes nas compras governamentais.
 
29. Como lembra o Prof. David Kupfer, a Petrobrás e seus fornecedores respondem por 20% do total dos investimentos produtivos realizados no Brasil. Só a Odebrecht e Camargo Corrêa foram responsáveis por mais de 230 mil empregos, em 2013.
 
30. A área econômica do Executivo parece não ver problema em reduzir o assustador déficit de transações correntes (mais de US$ 90 bilhões de dólares em 2013), causando uma depressão econômica, cujo efeito, além de inviabilizar definitivamente o desenvolvimento do País, implica deteriorar a qualidade de vida da “classe média” e tornar ainda mais insuportáveis as condições de vida de mais da metade da população, criando condições para a convulsão social.
 
31. Por tudo isso, há necessidade de grande campanha para virar o jogo, com a participação de indivíduos, capazes de mobilizar expressivo número de compatriotas, e de entidades dispostas a agir coletivamente.
 
* – Adriano Benayon é doutor em economia, pela Universidade de Hamburgo, e autor do livro Globalização versus Desenvolvimento.

13 comentários:

Anônimo disse...

Puta merda...

Tamu fudido!

E não tinha pensado nesta questão de destruir também as grandes empreiteiras. As pequenas empresas, especialmente indústrias, a campanha para erradica-los é mais que conhecida. Salta aos olhos, é só olhar em volta.

E não há como debater objetivamente este assunto no Brasil, hoje. Logo aparecerá um cretino a dizer que defender as empreiteiras é defender a corrupção etc etc...

tsc tsc, tamo fudido...

Anônimo disse...

Mas nada disso estaria acontecendo com a Petrobras se alguns que lá estão não praticassem a roubalheira. OU não teve roubo?

douglas da mata disse...

Caro e pobre ingênuo, eu vou (re)desenhar:

01- No sistema capitalista (e vivemos em um, lembra-se?) não há como existir empresas, lucro, e financiamento do sistema político (representativo) sem formas "paralelas", o que você chama de "corrupção" (de tanto ouvir pela TV).

02- Toda forma capiatlista ou toda atividade econômica busca, sempre, o meio mais rápido e menos regulamentado para se acumular. E dane-se leis, estados ou soberanias...

03- Por isto bancos (chamados de sistema financeiro legalizaado)lavam dinheiro do tráfico de drogas, de propinas, e de todas as atividades econômicas ilegais...

04- Por isso que o ramo imobiliário, o de artes, etc, competem com os bancos para lavar esse mesmo dinheiro "sujo".

05- Por isso que há países inteiros dedicados a esta atividade de lavagem (ilegal) como Suíça, Luxemburgo, Mônaco, Ilhas Virgens, e tantas outras, chamadas de paraísos fiscais.

Só tolos imaginam que seja uma questão moral, onde colocamos de uma laado os "mocinhos" e de outros, os "bandidos".

Sendo assim, embora eu deseja ver os procedimentos de compra na Petrobrás (e em todas as estatais, autarquias, empresas públicas e órgãos da administração direta, federal, estadual ou municipal) dentro "da lei", eu sei que isso será muito difícil.

O que está acontecendo na Petrobrás é inédito, e pode ser, de fato, uma vantagem, pois pela primeira vez um governo e sua polícia (PF) colocou a podridão á mostra, ao contrário de todos os demais (desde a fundação da Petrobrás), que fizeram e esconderam, criando a (falsa) impressão, assumida por tolos (como você) de que a corrupção é coisa nova, ou que é uma exceção, um desvio de conduta.

Agora, o que o texto, e o blog, tem chamado atenção é que essa oportunidade de sanear a Petrobrás não pode servir para aniquilá-la, que é a intenção dos seus concorrentes e dos países capitalistas centrais (EUA e Europa).


A corrupção, assim como a desigualdade, são a medula central do sistema capitalisa, fiote.

Acorda, neném...

Anônimo disse...

voces dois são uma excelente dupla. De uma vesguice que só enxerga o que lhes interessa. Tudo se justifica. Fica a pergunta pra que lei, pra que judiciário, para que parlamentos pra que serve a obediência civil da sociedade. Parece que é para ouvir essas asneiras que voces falam e não se indignar!

douglas da mata disse...

Salvem os vesgos em terras de cegos(surdos, mudos e pior: burros).

Meu filho, não é hora nem espaço para te dar aula de Teoria Geral do Estado ou de Ciência Política (comece lendo Maquiavel, por favor, e se conseguir ir além, tente Hobbes e o Leviatã, são o básico do básico para iniciantes como você).

A existência de Estado, leis, juízes e toda esta porcaria, que você resume em "obediêcia civil" (seja já o que isso queira dizer), per si, já explicam a natureza do sistema.

Se fosse bom ou virtuoso, não precisava de lei ou regra!

A noção de um regramento para o convívio em sociedade nasce junto com a necessidade desse convívio, logo, está aí a prova de que a coletividade tende a se comportar de forma predatória e antropofágica (metaforicamente falando, imbecil).

Para a opinião dos otimistas, o sistema capitalista, onde a habilidade humana de multiplicar, acumular e concentrar riqueza foi levada a última potência (na escala civilizatória), os processos jurídico-normativos (leis) e o estamento político (representativos) são atacados e colocados permanentemente sob perigo pela voracidade e velocidade do capital.

Eu sou mais pessimista: acho que no sistema capitalista, estas esferas jurídico-normativo-representativas existem apenas para legitimar (pela força e/ou pelo controle da ideologia) a diferença e a concentração de riqueza, que são a mola propulsora desse sistema econômico.

Em palavras mais simples para os simplórios: As leis no Estado capitalista servem para que uns poucos explorem e vivam às custas de muitos outros.

E tudo para dar aspecto de "normalidade e obediência civil", que são um sentimento que cabe sob encomenda na cabeça oca de cavalgaduras como você.

Portanto, cretino, a corrupção não é causa, mas efeito desse estado de coisas.

A corrupção é a natureza de um sistema que existe para que poucos prevaleçam sobre muitos.

É isso, estúpido, será que entendeu?

Claro que não podemos abandonar a tentativa de trazer as coisas para um patamar suportável, onde leis, juízes e regras façam algum sentido.

Mas essa é uma tentativa contra-corrente.

O ser humano e o sistema capitalista saõ ruins, por natureza. Leis existem para comprovar a necessidade de colocá-los dentro de limites, o que, quase sempre não acontece.

E aí, mais uma vez, a aplicação e execução das leis se dá de forma distinta, de acordo com o lugar que cada classe ocupa no estamento social:

Pobres criminosos vão para a cadeia, e ricos criminosos vão para os lugares mais respeitados, como diretorias de empresas, tribunais, gabinetes, condomínios, etc.


Leia, filho, estude, desperte sua curiosidade antes de escrever asneiras e ofender seus interlocutores.

Para ofender alguém, tem que ter conteúdo..e você não 'tá podendo...

Anônimo disse...

1) Não há como existir empresas, lucro, e financiamento do sistema político (representativo) sem formas "paralelas"
2) Meio mais rápido e menos regulamentado para se acumular.
3)Bancoslavam dinheiro do tráfico de drogas, de propinas, e de todas as atividades econômicas ilegais...
4)Só tolos imaginam que seja uma questão moral, onde colocamos de uma lado os "mocinhos" e de outros, os "bandidos".
Lamentável, para não usar outra palavra, a quantidade de besteira (merda pura) que vc. escreve, ainda mais vindo de um "policial".
O nome lamacento de seu blog é bem apropriado.
Quem vos fala é o mocinho que trabalha duro de sol a sol, paga suas contas em dia e que um dia acreditou que esse partido de merda fosse dar outro rumo ao Brasil!!!

douglas da mata disse...

Bem, "mocinho", antes de tudo: policial entre aspas é a casa do caralho no cú arrombado de sua mãe.

Se voce se ilude com esse papo que trabalha de sol a sol e paga suas contas em dia lhe dá o direito de julgar os demais, azar o seu, mas vá cantar esse chororo para aquela puta que te pariu.

Alguém precisa te dizer que o mundo não se resume as suas "qualidades" ou as suas esperanças.

Argumentos sentimentais ou personalistas não servem ao debate político.

Queres santos? Vá a um Igreja, mas não fique de quatro para um padre que é bem capaz de ele te enrabar.

E nem deixe sua carteira em cima do banco da Igreja, porque o pessoal do Vaticano e das pentencostais adoram um din-din.

Foda-se voce com seu olhar restrito sobre os fenomenos que te cercam.

Na certa compra recibo do médico para fraudar IRPF, fura fila no banco, estaciona na vaga de deficientes, acha que bandido bom é bandido morto, compra atestado médico para faltar ao trabalho, chora a volta da ditadura e da tortura, le a merda da veja e assiste o jn e se acha o paladino da moral...

"mocinho", esssa foi de mais, o cara se auto-intitula "o mocinho"...

Eu não preciso ler mais nada, depois dessa...

Vá dar o cú ao capeta, fiote...

Anônimo disse...

Peraí...anos 80, anos 90, não estamos em 2015? O PT não tá há 13 anos no poder? Por que não mudou nada e a Petrobrás ta nessa merda?

douglas da mata disse...

Cretino das 18:05, 27 de janeiro, eu realmente me divirto dando chineladas na escória como você.

Então você imagina que 13 anos conseguirão nos redimir de 500 anos?

A História é feita de milagres?

A Petrobrás está na merda, então por que sofre tantos ataques?

Bem, bem mesmo ela deveria estar em 2001, quando valia 10 vezes o valor de hoje, afundou uma plataforma (P-36) de bilhões de reais e não fazia nem cócegas em suas concorrentes.

Um dado para você, imbecil: A estatal é a maior empresa de capital aberto do mundo.

Paro por aqui...cérebros diminutos como o seu, acostumados e atrofiados pela manipulação do PIG não podem absorver muita informação de uma vez só...

Anônimo disse...

Esse teu mau gênio ainda vai matar alguém!

douglas da mata disse...

E quem te garante que já não matou? Então, cuidado...

Anônimo disse...

Uiiii que meda!!!

douglas da mata disse...

As melhores presas são as descuidadas ou aquelas que não acreditam...