segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Campos dos Goytacazes ainda é o espelho do país?

Ninguém sabe ao certo se Getúlio Vargas disse a célebre frase. A bem da verdade, boa parte dessas frases de efeito nunca foram ditas por quem as atribuímos, mas assim, como em boa parte dos eventos, a versão supera o fato...então, fiquemos com a versão como se fato fosse.

Um olhar mais acurado sobre as contas da prefeitura e a execução orçamentária (se estes dados estivessem disponíveis e com facilidade de leitura), poderia revelar que as coisas não são tão ruins quanto se pensa.

Olhar acurado? Mídia? Impossível... o partido da mídia age igual, tanto no planalto como na planície.

No quadro nacional sabemos todos, a mídia insiste em pintar um quadro catastrófico, e de tanto falar, até é possível que pessoas e empresas decidam-se pela retração, causando enfim o efeito propagado e desejado. 

Não há ruído externo algum, os investimentos estrangeiros seguem sua pauta, ora avançando, ora refluindo (como no resto do mundo), a inflação não está descontrolada, os fundamentos macroeconômicos (como gostam os adeptos do economês) estão intactos, o governo tem dificuldades (como sempre as teve), e parece se aproximar o momento no qual terá que decidir sobre uma nova estrutura tributária, que permita avançar nos investimentos sociais, fazer frente às novas demandas trazidas pela expansão capitalista e diminuir as desigualdades sócio-regionais...

O mundo dobra outra vez a esquina, e não se sabe bem ao certo o que emergirá nesta nova configuração mundial, porém é certo que aqui estão boas condições para alterarmos, de vez, nosso peso relativo no planeta.

Nossos vizinhos mais ricos já perceberam isto, e por este motivo estamos sob ataque tão intenso.

A presidenta, ciente do tamanho de suas forças, e das oportunidades e ameaças que virão, anuncia também seus "ajustes", que estão muito mais vinculados a sua perspectiva estratégica de governança 
do que com contingenciamentos.

Todo mundo está careca de saber, mas finge esquecer: Início de governo (ainda mais os reeleitos) é hora de dizer quem fica, e quem andará na prancha, quem sobe para a cabine de comando, quem vai remar nos porões.

No plano local, novamente a mídia insiste em fazer alarde sobre o que não existe, ou melhor, não existe na forma e amplitude que disseminam.

Um monte de achismos.

Sem querer (ou talvez querendo), dão ao governo que amam odiar as justificativas para os "ajustes" anunciados.

Aumentam a cortina de fumaça que o governo local precisa para "acertar" as contas com os dissidentes, e para afagar os cristãos-novos.

Novamente alerto: Tudo isso não quer dizer que não tenha havido uma gestão perdulária dos recursos, e que a situação orçamentária e fiscal seja ruim, afinal de contas, quase sempre foi.

Porém, ninguém com um pouco mais de bom senso imagina que o "ajuste" aitngirá a todos, e da mesma forma.

O que está em gestação é a rearrumação da casa governista local para a disputa renhida que se aproxima, a de 2016.

O impedimento legal de um candidato da família (a não ser que a prefeita renuncie, como advogam alguns) traz uma carga de dramaticidade extra, haja vista que o capital político da dinastia da lapa não parece mais insuperável, embora ainda seja, de longe, muito maior que dos seus nanicos e vesgos adversários.

A soma dos votos para o Governo do Estado no primeiro turno, aqui em sua cidade natal, já nos trouxe um quadro impensável em 1998. O marido-prefeito teve soma inferior a soma de seus adversários. Isoladamente, a soma de seus votos superou em margem modesta o segundo mais bem votado na cidade, o atual governador reeleito.

É este o combustível desta mexida "estrutural" na máquina de campanha que deveria ser analisada. 

Uma olhadela na execução do orçamento revelará "novos preferidos", e por outro lado, os que atravessarão o deserto com saco de sal às costas.

Outra olhada nos editoriais e "matérias" da mídia local também nos mostrarão os humores e movimentos dos grupos que disputam o orçamento municipal.

Comerciantes chorosos, empreiteiros plantando "notinhas", uns "denunciando" pagamentos feitos a outrem, apenas porque ficaram de fora das listas de empenho...Não faltarão os "traidores", dispostos a relatar tudo o que sabem, em troca de alguma "absolvição" política...

Eu não conheço o marido-prefeito pessoalmente (e nem desejo), mas eu fico imaginando como ele deve olhar este bando de idiotas, e como se diverte com eles...

Pobres coitados...o amadorismo da nossa "oposição" é tamanho, que tenho até medo de que um dia ganhem as eleições...

10 comentários:

Anônimo disse...

Sem falar no fato de que a oposição em Campos representa a direita. Isso ficou nítido na última eleição presidencial. Todos eles apoiaram a candidatura de Aécio. Apenas o PT municipal, por uma questão lógica, apoiou Dilma, mas mesmo assim teve à frente Makoul Mussalem que era contra o programa Mais Médicos e os demais programas do governo federal.

Anônimo disse...

Tem oposição em Campos ou apenas um jornal em busca de parte do orçamento municipal que perdeu?

Anônimo disse...

Isso é muito triste, mas a verdade é que não existe nenhum projeto político que possa contrapor Garotinho em nossa cidade.

A oposição em Campos é muito fraca e não se propõe a enfrentar os problemas da maioria da população. A questão do transporte público é um caos, mas quem realmente sofre mesmo é o trabalhador pobre, que não é representado pela atual oposição.

Existe uma desigualdade social latente por aqui, sem falar nos serviços públicos, que são muito ruins...

Mas a oposição não fala a língua da população que mais sofre, eles estão pautados por uma classe média medíocre que acha que vai derrubar o governo municipal com a ajuda de Pezão.

douglas da mata disse...

Caro amigo das 20:28,

Resumiste bem a questão, e eu adicionaria:

Querem fazer política pela pauta de jornais sem credibiidade, e com a instrumentalização do Judiciário.

Uns palermas.

Ao colega das 19:24,

Eu tenho sérias dúvidas se o ex-presidente do PT votou na Dilma...já foi tarde...

Anônimo disse...

Concordo com todos vocês, inclusive o comentarista das 20:28.

Os campistas preferem votar na Lapa a escolher uma oposição que é uma cópia mal enjambrada da situação. É melhor ficar com o original ainda que este seja merda pura, pelo menos é autêntico.

E os bestas da oposição querem guerrear com o Napoleão no front em que ele é expert: o denuncismo. É lona...

Mas e daí Douglas e comentaristas? Sabemos disso tudo. Quando teremos um grupo mais ou menos viável politicamente para ter esperanças?

Anônimo disse...

Precisamos de uma oposição à esquerda de Garotinho, com ideias progressistas e que represente a maioria da população, àquela que anda de ônibus todos os dias e que tem que pagar taxa de esgoto onde não tem tratamento. E não precisamos mais de uma oposição que só representem os moradores do parque Tamandaré e dos condomínios de luxo e os empresários e industriais da CDL e ACIC, que agora estão inconformados de terem que começar a pagar IPTU. Nunca fizeram isso na vida, agora choram...

Anônimo disse...

João Peixoto (e José Carlos), Roberto Henriques (e Claudio Andrade), Arnaldo Viana (e Ilsan Viana), Paulo Cesar Martins, Carlos Augusto Siqueira, Nildo Cardoso, Fred Machado, Makoul Mussalen, Marcão, Marcos Bacelar...

Prefiro ficar com Garotinho...

Anônimo disse...

Garotinho deve rir mesmo da oposição em Campos. Mas a oposição aqui é despreparada! Eles não sabem fazer política e não estão preparados tecnicamente para os grandes temas que envolvem a nossa cidade. Cidade com um orçamento bilionário, de médio porte, com um mega porto ao seu lado, mas culturalmente atrasada. Mas também, cadê Roberto Moraes, Antônio Carlos Rangel, Pedlowski, Renato Gonçalves, e outros mais que não se envolvem no processo político eleitoral desta cidade???

douglas da mata disse...

Caros amigos, não se trata apenas de "despreparo" da oposição...não é só isso.

É escolha polítca de um modo de operação ruim, estruturado no pior caldo ideológico que existe, que junta, mais ou menos, um moralismo hipócrita, exclusivismo político e pretensa superioridade intelectual.

Nossa oposição é o pior extrato da classe média, sabuja e capacho das elites locais, as tradicionais, as decadentes e as noveau-riché.

E tem mais, como vocês bem disseram, ela (a oposição) não enfrenta o modelo garotista, ela quer é o lugar dos garotistas para implementar mesma merda.

Só isso.

Anônimo disse...

E a pergunta permanece, proposta pelo comentarista das 22:07 e das 17:38...

Onde estão e o que estão fazendo aqueles que podem contribuir?