sexta-feira, 15 de agosto de 2014

A morte e as outras mortes...

Não dá para não escrever sobre o incidente fatal na cidade de Santos...É como tentar ignorar uma final de Copa do Mundo, ainda que se deteste futebol ou que mesmo gostando, não enxerguemos tanto peso deste evento na vida das pessoas.

Gente morre todo dia, "gente mais ou menos importante", e como parece óbvio, a vida segue...

Mas há outras mortes, as metafóricas, que nem por isto são menos reais...

Os escrúpulos da nossa mídia já estavam mortos faz tempo...é bem verdade que estavam fedendo por aí, insepultos...

Se não fosse o drama da família e a própria tragédia em si, seria divertido assistir a nossa mídia buscando uma maneira de tirar proveito e ao mesmo tempo fingir alguma comoção...

Ainda que se trate de um candidato a presidente da República, parece uma grosseira manipulação inferir que o eleitor vá fazer escolhas pautado por um tipo de comoção ou "culpa", ou por último, por algum tipo de "gratidão" ao extinto candidato...

No entanto, é esta a mensagem que está sendo elaborada...todos os dias...pelas manhãs, tardes e noites, como um mantra quase silencioso...

Mais grave ainda é imputar ao eleitor um viés de transferência, ou "herança eleitoral" àquela que se apresenta como "viúva do espólio", a joana d'arc da floresta, a ex-verde, agora meio-rede e meio-PSB...

Agora dizem que há (havia) uma "nova forma de fazer política", que morreu com o extinto candidato...Mas como assim?

Não há nada na administração pernambucana, com erros e acertos (e justiça seja feita, uma das administrações mais bem avaliadas, o que revela ao menos uma gestão "boa de propaganda") que nos revele algo revolucionário...

Relação com a Assembleia de Deputados? Muito parecida...

Licitações? Idem...nada de novo...

Gastos orçamentários e prioridades? As mesmas de todos os outros governos...

E a cereja do bolo da obviedade: O candidato bebeu na fonte do governo até ontem (ano passado)...

Então o que havia (ou há) de "novo"? 

Nada, e não há, a não ser o fato de que a mídia cretina deseja costurar um novo figurino para que seja vestido por algum "redentor" da oposição ao governo federal...

Querem um "cavalo" para baixar o espírito do morto...

Com aécio empacado, e às vésperas do horário gratuito, onde a presidenta poderá dizer o que foi feito e o que está por vir, a morte do extinto candidato aparece para a oposição como uma rara oportunidade...

Aqui morreu o decoro...

A complicada engenharia publicitária é dar o tom certo a consternação e aproveitá-la para criar um "sentimento" no eleitor, que o identifique com o "legado" do extinto...

Não é tarefa fácil...Primeiro porque o "legado" é quase inexistente, e segundo porque o que existe está quase todo vinculado ao governo federal, que afiançou cada passo seu na administração estadual...

Vamos então aos fatos:

Sabemos que o eleitorado, até aqui, estava sedimentado em algo assim: 55 a 60% dos votos válidos para o governo e o resto pulverizado para oposição, juntando os descrentes que não votarão em ninguém...

Pois é, admitindo pequena margem de flutuação destes votos, de um lado a outro, é certo afirmar que a maioria do eleitorado quer a continuação das políticas consagradas até então...

Sendo assim, perguntamos: Quem mudaria de posição em virtude de um episódio, por mais trágico que fosse, mas que não tivesse nenhuma relação com sua vida cotidiana? Pouca gente...

Mas e no lado da oposição?

Bem, eu diria que o eleitorado de ambos os lados fazem opções por naturezas distintas, e mesmo entre estes blocos, não há uma homogeneidade...

Ainda assim, votos do governo são, via de regra, de petistas e militantes históricos do campo progressista (ínfima minoria), e do enorme contingente de pessoas que, mesmo professando princípios conservadores paradoxais comuns atávicos, está satisfeita com a gestão do país, da economia, enfim, com a vida...

No campo da oposição, temos um setor um pouco mais amplo que professa um ódio de classe, identificado como as classes A e B+, que rejeita o governo e tudo que venha dele, ainda que goze dos mesmos privilégios de sempre, e que sua vida só tenha melhorado nestes 12 anos...

É o pessoal que gozou com o julgamento da farsa do STF, o pessoal que lê a "mártir" míriam leitão, ou que detesta pobre em aeroporto, ou médico cubano...o pessoal do não teve Copa e não vai ter Olimpíada...

Outra parte, a maior, está oscilando no caldo de informação massiva da mídia, que vomita escândalos e bombas semióticas a todo tempo, como o raid sobre Londres, ou sobre Dresden na II Guerra...

É neste voto mais emocional, e menos "ideológico" da oposição, que está a maior parte da possibilidade de alteração de decisão de voto, provocada por fatos dramáticos...

Logo, não seria exagero concluir que as alterações se darão dentro do campo do eleitorado da oposição, derrubando parte dos votos de aécio junto com o avião que matou o outro candidato...

Porém a mídia quer te dizer que a morte do candidato é um momento que dará uma guinada no jogo eleitoral...

Aqui morreu a lógica...

Para que haja alguma herança política é preciso capital político para transferir...

Por mais que a mídia force a barra, o capital do extinto candidato estava confinado a uma pequeníssima parcela do eleitorado...então, há pouca coisa para inventariar...

Aos que desejam desesperadamente associar a imagem sofredora da joana d'arc da floresta a este pequeno espólio, é preciso lembrar:

- O casamento eleitoral deles deu poucos frutos, pois o eleitor entendeu que se tratavam de projetos distintos...

Para o PT, o melhor dos mundos seria que os publicitólogos da viúva eleitoral encurralassem ela como porta-bandeira do projeto do morto, haja vista que isto a colocaria em uma espécie de limbo, onde nem conseguiria levar a frente seus dotes messiânicos (para não parecer oportunista), e nem teria a legitimidade para falar de um projeto alheio ao qual aderiu por falta de opção, e não por companheirismo...


4 comentários:

Anônimo disse...

Hei Douglas.
É tudo porque vc nāo é pernambucano.
Em sendo assim você abre sua boca para babosear muito injuriado com a possibilidade da Joaninha ser Presidente.
Cara, nem eu sabia da importância do Dudu.
E ela vindo como candidata, nem precisará ser darc para ser a Joaninha do Brasil.... aquela que um tal Campista poeta filósofo político e por que não dizer polícia de tudo....o que não lhe agrada....

douglas da mata disse...

?????

Confesso que não entendi lhufas...

Tudo porque eu não sou pernambucano????

Uai, então o extinto era unanimidade em PE? Então por que seu candidato perdeu a eleição para prefeito no Recife em 2012?

E por que em PE o candidato extinto mantinha intenções de voto quase empatadas com Dilma?????

Bem, "baboseamos" mais um pouco:

- Fenômenos como marina, a joana d'arc da floresta, têm prazo de validade e alcance conhecidos...

Foi assim com Ciro (Gomes), o napoleão da lapa, e tantos outros...

São os candidatos "sparrings" ou "coelhos", de acordo com o esporte escolhido (boxe ou atletismo)....

Falta-lhe estatura histórica para tornar-se presidenta, fato que demonstrou quando, de "beicinho" por ter ficado sem espaço no Acre (com o sucesso da família Viana por lá), resolveu chutar o balde e sair do governo (do PT) que a projetou...

E aí o paradoxo: sai do governo criticando alianças e o pragmatismo e cai no colo do Itaú e associados...de quebra, namora o PSDB e a elite arcaica brasileira (se é que haja uma elite que não seja arcaica no Brasil)...

Mas a pérola da candidata-messias comentando sua nova condição de candidata, provocada pelo acidente e que circula pela rede, revela seu caráter:

De acordo com ela, o acidente é uma obra de deus para que ela se torne presidenta...

Pois é...

Nem a legítima Joana D'Arc faria melhor...

Você pode (e deve) ter suas opções eleitorais, mas por favor: defenda-a com argumentos sólidos...

Anônimo disse...

Por isso você está isolado....

douglas da mata disse...

Bom, se para ficar na "manada" eu tenha que reduzir minha atividade cerebral ao seu nível, não tenha dúvida:

FICO ISOLADO!