segunda-feira, 21 de julho de 2014

Papai Hitler sorri no inferno...

Toda nação tem seu mito fundador...

Se temos o nosso Macunaíma, personificado tanto na intempestividade lasciva de um D. Pedro I, ou na claudicância carola paradoxal a curiosidade científica do Pedro II, indelével marca de nosso caráter que vacila ("tetra-polar") sempre entre razão, a emoção, a luxúria e a fé, se os EUA têm nos quatro fundadores os pais da nação mais poderosa do mundo, ou a França e sua rebeldia anti-imperialista gaulesa, ou por fim, o mito romano para os italianos, podemos dizer que Israel tem em Hitler seu pilar fundador...

E não apenas porque a tragédia do Holocausto deu ao mundo uma justificativa para inventar o Estado Judeu, mas pela essência deste Estado, totalmente assassino e filiado a noção cara aos germanos, o espaço vital (lebensraum)...

Se existir um inferno (como advogam as tradições monoteístas: judaica, católica e muçulmana), com certeza Hitler estará lá, divertindo-se com o comportamento de suas improváveis criaturas...

A derrota dos judeus não é militar...Ela é moral, quando praticam eles mesmos aquilo que sofreram na carne...

Leiam a matéria do The Independent, onde 4 morreram e outras 60 pessoas foram feridas em um bombardeio por tanques israelenses a uma instalação de socorro aos feridos...30 deles eram pessoal do staff médico...

Imagens dos corpos de um ataque a outro hospital, semana passada
(The Independent)

7 comentários:

Anônimo disse...

Sou leitora assídua ,seus textos são excelentes.

douglas da mata disse...

Eu acho que és generosa demais, por isto mesmo, obrigado...

Anônimo disse...

Se os israelenses quisessem eliminar os palestinos o fariam em 30 segundos, usando o seu poderio nuclear. Para que andar matando no varejo, se são tão diabólicos assim?

Ó problema é que o ódio do Hamas é mais forte do respeito que podem sentir pela sua própria população.

Basta ver como vivem para entender que se trata de uma luta entre a loucura e a civilização. E basta também ver como se matam os árabes entre si em Iraque, Siria, Egito, etc. para entender que para eles a vida do indivíduo não vale um centavo.

Pode se indignar tudo o quanto quiser contra os israelenses.Eles continuaram a fazer tudo o que tiverem que fazer para evitar a morte dos seus cidadãos.

douglas da mata disse...

Caro comentarista,

Bem se vê que você entende pouco deste assunto.

Hegemonia militar não implica em supremacia absoluta, e é justamente o "ódio" do Hamas e do Hezbolah que impede a "solução final".

Não esqueça que há outros atores que detém a mesma tecnologia nuclear, ou seja, há um equilíbrio armado.

Já no campo dos conflitos tradicionais (infantaria/ataques aéreos, etc), já vimos este filme antes no Vietnam,´no Iraque, no Afeganistão ou em qualquer outro momento histórico onde uma potência militar é confrontada por forças não-regulares.

Adjetivar o modo de resistência das populações árabes-muçulmanas como loucura é uma idiotice sem tamanho, que eu custo até a ler, quanto mais acreditar.

É justamente a geopolítica do centro (desde as Cruzadas), a tática de dividir para dominar que empurraram estes povos às lutas fratricidas, muito mais quando se descobriu petróleo naquela região.

Caso parecido acontece na África e no passado recente da América Latina (ver Guerra do Paraguai).

O que me preocupa é que a atitude assassina de Israel só alimenta o ódio contra o povo judeu, que não pode ser confundido com seus governantes, embora sejam, em larga medida manipulados pelo medo incutido por estes canalhas, como Beijamin "Bibi" Netanyahu., que alimentam seu poder do extremismo.

A coragem de Israel não resiste a dois segundos de retirada de apoio dos EUA.

douglas da mata disse...

Bem, em atendimento ao princípio do contraditório eu ia publicar a tréplica, mas eu não acredito em princípios absolutos, ou seja, tudo tem limites...

Dizer que o apoio ao genocídio se justifica porque os israelenses são "a última fronteira civilizatória" na região é demais...

Portanto, esta discussão se encerra aqui...

Aqui a malta sionista não se cria, vão comentar lá na cloaca da "óia" ou do "grobo"...

Anônimo disse...

É assim que se ganha um debate, diria Stalin.

Agora entendo porque defende também o controle social da mídia.

Até mais, projeto-de-tirano!

douglas da mata disse...

Projeto de pó-de-merda, quem lhe disse que você tem condições de disputar algum debate por aqui?

Só expus as merdas ditas por você para expô-lo ao ridículo...

Com assertivas do tipo: "Israel é a última fronteira de civilização naquela área", você revelou que não há possibilidade alguma neste sentido.

Defendo o controle social da mídia para que os barões do PIG não continuem a criar zumbis como você, fiote...