sábado, 14 de junho de 2014

Sem mais comentários.

Dilma nos ensinou que o pior ruído da Democracia (e os xingamentos a ela dirigidos podem estar nesta categoria) é melhor que o silêncio das ditaduras.

No entanto, até ela que já sofreu na pele o que significa intolerância política deve imaginar que tudo tenha limites. A liturgia do cargo o qual ocupa, com incomum sobriedade, a impede de dizer.

Mas nós podemos, e devemos fazê-lo.

Uma pena que o PT de Campos dos Goytacazes, através da pessoa do seu presidente, não tenha a coragem de vir a público para manifestar seu repúdio a insanidade política que tem se instalado contra o mandato outorgado pela MAIORIA ESMAGADORA da população, contra a Presidência da República, e enfim, contra o projeto político que ele diz representar aqui na planície. Talvez, se estivesse em Itaquera (não estava?), engrossasse o coro. Quem sabe?

Não confundam as vaias de reprovação, legítimo direito de expressão de cada cidadão deste país, com xingamentos criminosos, previstos inclusive no Código Penal em seu artigo 140. Ataques a quem, por óbvio, não podia se defender. Covardia pura e simples que não merece a celebração dada pelos cretinos da mídia como exemplo de liberdade de opinião.

Sirvo-me de Luis Nassif para tratar do tema. Nem mais, nem menos. Só um pequeno adendo deste blogueiro: Vai chegar a hora em que esta maioria que anda acuada por estes fascistas terá que reagir, e colocá-la em seu devido lugar, e se for necessário, que seja pela força. Tem ocasiões que a Democracia se constrói com um pouquinho de violência...

Eis o texto para Vossa reflexão:

As vaias à Dilma e os neoflautistas de Hamelin

Encontro um banqueiro meu conhecido após o jogo da Copa. Ficou em um dos camarotes VIPs, ao lado de personalidades como Gilmar Mendes. 
Foi com a namorada ao Itaquerão. Ambos estavam impressionados com a qualidade do estádio, com a limpeza dos banheiros, com a beleza e relevância do evento. Até Lázaro Brandão, o todo-poderoso presidente do Conselho do Bradesco, esteve presente, me diz ele.
Tudo funcionou a contento, disseram-me, o trânsito (que depende da Prefeitura), o Metrô (que depende do estado), o estádio (cuja construção foi apoiada pelo governo federal). Enfim, motivo geral para espalhar pelo mundo uma imagem mais positiva do país.
Apenas um dado falhou, para vergonha de São Paulo: o nível das vaias à presidente da República.
- Não era povão. Veio das alas VIPs e foi constrangedor.
O momento mais baixo da Copa, o episódio que manchou a imagem do país no mundo partiu daquele segmento que Cláudio Lembo chama de “elite branca”. Mas, como bem observou um de nossos comentaristas, não os trate como elite. Elite pressupõe um estágio intelectual e moral superior. São Paulo tem uma elite intelectual, médica, tecnológica.
Os que se manifestaram representam apenas a selvageria empetecada, os black blocs com grife.
O caráter de um jornal é dado pela soma individual dos seus colunistas e pela linha editorial.
Hoje, o episódio foi lamentado pelos maiores cronistas esportivos, timidamente em suas colunas, mais acerbamente em seus blogs. Mas são  pontos fora da curva. 
A baixaria contra uma presidente da República, uma mulher digna, não mereceu condenação dos jornais, mas a celebração em suas manchetes.  O grito: “Dilma vai tomar no c…” torna-se, a partir de agora, o símbolo máximo do enorme poder de que dispõe a mídia para influenciar o baixo clero da “elite branca”.
São incapazes de separar a crítica ao estilo dos ataques pessoais. Não é por nada que tornaram José Serra seu herói predileto. Qualquer coisa vale na disputa política, principalmente abrir mão de ideias e recorrer aos ataques mais baixos.
Os jornalões tornaram-se a versão moderna e adaptada do Flautista de Hamelin. O flautista levava os ratos para o rio e os afogava. Os jornais levam os ratos para o mundo - e os celebram.
Não foi por outro motivo que a parte do evento que mais impressionou a colunista social do Estadão foram alguns banheiros entupidos. Na verdade, havia pouco banheiro para a m… que jorrou dos camarotes, estimulada pelos neoflautistas de Hamelin.

4 comentários:

Anônimo disse...

Por aqui também não foi diferente...

O pessoal do jornal folha da manhã parece estar muito preocupado com as próximas eleições presidenciais. Até torcer contra a seleção brasileira estão torcendo, e isso ficou claro na manchete de capa do jornal do dia seguinte a vitória da seleção. A capa tentava induzir o público ou tentava criar a idéia que a vitória foi roubada e não foi merecida pela nossa seleção.

Em um dos blogs hospedados lá no site do jornal, publicaram um vídeo em que Falcão do Rappa critica a Copa e diz para o público – que xinga Dilma – que mesmo se a seleção vencer a Copa é para o público não esquecer de derrota-la na eleição. Esse mesmo blog deu ênfase exagerada ao que publicaram na imprensa contra a seleção ao redor do mundo e aos xingamentos à presidenta, inclusive transcrevendo integralmente o que alguns gritavam no estádio. Parece que o cara também queria gritar aquilo.

A oposição está raivosa, Douglas.

Anônimo disse...

Douglas,

O presidente do PT de Campos foi (e é) contra o Programa Mais Médicos.

O presidente do PT de Campos disse que a Reforma Agrária não é uma necessidade e que a nossa região não precisa discutir o assunto.

Portanto, é lógico que o presidente do PT de Campos estava fazendo coro contra a nossa presidenta.

Anônimo disse...

Tem um site de um jornal aqui da nossa cidade que insiste que a presidenta está sendo xingada por todo país. De acordo com esta nossa publicação doméstica, em todo jogo da Copa, mesmo que ela não esteja presente no estádio, ela é xingada pelos torcedores brasileiros.

Anônimo disse...

Douglas, a oposição está tentando ocupar todos os espaços, seja na imprensa, seja nas investidas sobre os artistas e celebridades, principalmente para que eles tomem partido, no caso para apoiar o candidato Aécio Neves. O programa Extraordinários do Sportv está em campanha contra Dilma. Os humoristas do Casseta e Planeta e Maite Proença, que fazem parte do programa, batem forte no governo e na Copa.
Já no Facebook, Ronaldo Fenômeno, Luciano Hulk, Angélica e Thiago Lacerda estão fazendo campanha para Aécio quase todos os dias. Muitos artistas estão nas redes sociais compartilhando os problemas de atraso nas obras da Copa. Eles não estão parados e temem perder esta eleição. Os xingamentos a presidente é o retrato de como as coisas estão quentes e que eles vão usar todas as armas contra o PT.