sábado, 14 de dezembro de 2013

Outras planícies...

É bom por as barbas de molho...EEUU, Honduras, Paraguai e agora, Bogotá...

Antes de mais nada é bom avisar aos judicialistas de plantão: 

Reconhecemos a lei (e a legalidade, lato sensu), como fronteira de civilidade, mas desde que ela signifique uma normatização que seja reflexo do (con)senso político do poder originário (voto), e não como possibilidade de atacar os sistemas representativos sob a chantagem de "preservá-los"...ou ainda, rejeitamos leis injustas promulgadas sob o signo do desequilíbrio entre a vontade popular e os nichos de interesse econômicos que sequestram e desequilibram o jogo democrático...

Como determinar se um sistema legal e mais ou menos justo? Nem sempre é possível definir, exatamente, o conceito de Justiça, mas sabemos perfeitamente quando há a presença de alguma injustiça...e a mediação da tentativa de aproximar a lei do que é justo não é tarefa de juízes e outros burocratas, mas sim da ação política e da sociedade...

Dito isto, é preciso alertar para o que está em curso na América Latina...

Exemplos como Honduras e Paraguai ainda estão frescos na memória, e ainda assim, fingimos que não é conosco...

Agora é a Colômbia, mas precisamente na Prefeitura de Bogotá, onde seu prefeito, Gustavo Preto, de orientação ideológica de esquerda, adversário do grupo do ultraconservador ex-presidente Álvaro Uribe, acaba de receber ordem de Alejandro Ordonez, inspetor-geral da Colômbia, daquele que pode ser comparado com nosso cargo de procurador-geral, para deixar o cargo...

Motivo?

Preto mandou cancelar os contratos privados de coleta de lixo, desafiando carteis e interesses poderosos, e municipalizou a coleta...

O inspetor-geral, arguindo a constitucionalidade do seu ato, e remetendo a um "grave" atentado as leis de "mercado", destituiu o alcaide....

Não vou entrar no mérito "jurídico" da questão...

O problema é muito mais grave, embora este tema (o jurídico) também seja um componente que mereça análise, como já dissemos...

Na presença do destroçamento de seu capital político, as forças conservadoras vão, pouco à pouco, construindo outras possibilidades de burlar o sistema democrático através do assédio judicial...

O fato não é novidade...afinal, sistemas jurídicos são a primeira e última cidadela da manutenção conservadora...Os movimentos sindicais e todas as lutas de movimentos populares sempre encontraram no estamento jurídico um obstáculo quase intransponível, onde a "manutenção da ordem" sempre foi a desculpa para a criminalização dos conflitos sociais...

Por outro lado, em todas as nossas ditaduras, o único poder intacto e que se manteve funcionando foi o judiciário, sempre para legitimar a barbárie, como a expulsão de Olga Benário, a tortura em 64-85 e a confirmação da aberração chama "Anistia", ou agora, com o julgamento e prisão ilegal dos sentenciados da ação 470...

Mas chama a atenção o sistemático pipocar de casos na América Latina...

Antes, os estamentos normativos e os arranjos institucionais conservadores, raramente, permitiam que forças de esquerda alcançassem sucesso eleitoral de forma ampla(executivos e legislativos), e quando isto acontecia, havia na América Latina e outras zonas de influência, um ambiente histórico favorável às intervenções motivadas pela bipolaridade geopolítica da Guerra Fria, os conservadores colocavam em marcha toda a sorte de sabotagem civil, com auxílio de sempre das mídias empresariais, sempre à bordo de poderosos esquemas religiosos, e quando estes governos estavam tão fracos, e (talvez por isto) estavam confinados a um canto sectário da conjuntura, derrubavam-nos com golpes civis-militares...

Agora não é mais possível colocar em marcha tais estratégias, tanto pelo fim das "justificativas" ideológicas (afinal, são os próprios conservadores que gritam e espumam ao dizer que a divisão esquerda e direita acabou), o apelo religioso-conservador permanece, mas sem a coesão de antes (muitos grupos religiosos estão na base destes governos populares), não há mais grupos de mídia que sejam capazes de mobilizar multidões (tanto pelo descrédito no qual se meteram ao agirem como partidos, quanto pelo crescimento das alternativas de comunicação), e muito menos amplos setores médios capazes de sabotar e desestabilizar governos de esquerda, que por sua vez, cada qual com seu modo de operação, aprenderam a evitar as armadilhas do isolamento político, bem como foram capazes de trazer os "mundo classe média" um enorme contingente de pessoas que estavam subordinados àqueles arranjos de classe anteriores...

Assim, impedidos de planejarem golpes "clássicos", os conservadores colocaram uma nova lógica em funcionamento, bem mais sofisticada, mas com reflexos e objetivos semelhantes: impedir que as urnas, e os poderes eleitos sejam os instrumentos de mudança do establishment...

Se olharmos com atenção, e com uma perspectiva histórica mais ampla, este processo teve início na nossa "matriz", em 2000, quando george w. bush "ganhou" no tapetão (Corte Suprema) uma eleição sob suspeitas de fraudes grotescas...

As imagens da posse de george w.bush não passaram no jornal nacional, é verdade, mas quem quiser pode recorrer a Michael Moore e seus documentários, e poderá assistir milhares e milhares de pessoas protestando nas ruas de Washington no dia da posse de bush jr, jogando ovos e pedras na comitiva presidencial, onde pela primeira vez, o presidente eleito não caminhou até chegar ao local do juramento presidencial...

Bem, o fato é que a judicialização da política (tema batido e rebatido em vários artigos, análises e palpites), associada a uma máquina de mídia, que industrializa a difunde o moralismo hipócrita como ethos político nacional, tendem a confinar as democracias representativas em becos sem saída, porque o apelo ideológico conservador se esconde e é contrabandeado em sofismas, como "cumprir a lei", "proteger a constituição", ou "moralizar o país"...

Sabemos todos que a execução deste cumprimento (da lei), da proteção (a constituição) ou a moralização (de um país) sempre se dão de forma seletiva e a beneficiar arranjos institucionais e econômicos que, não raro, são os principais causadores e/ou beneficiários dos crimes e violações que dizem querer combater quando destituem mandatários eleitos pelo voto popular...

O pior é que estes trejeitos judicialistas vão impregnando a sociedade como um todo...Desde os conflitos de vizinhança até o lazer e o esporte...

Roberto Moraes em seu blog hoje traz um desabafo sobre a judicialização do futebol...

A página eletrônica do grupo Al Jazeera traz as matérias sobre Bogotá e seu prefeito Gustavo Preto, que se negou a cumprir a ordem "legal" e convocou seu correligionários às ruas, e você pode ler aqui.

É sempre bom ter em mente: "onde todos veem coincidências, eu vejo consequências" (Matrix, reloaded - personagem Merovíngio)

14 comentários:

Anônimo disse...

PT é povo. Sua escrita erudita e grandes parágrafos confusos, não é povo. Por que continuas PT, pergunto.

douglas da mata disse...

Não há nada mais elitista que separar (hierarquizar) a cultura em: popular (simplória-pobre) e erudita(superior-rica) e depois, dizer que o "povo" (seja lá o que isto queira dizer, ou que categoria isto signifique) só pode entender o que não é "erudito"( superior), porque o povo só entende o "popular" (simplório-pobre).

Quanto aos parágrafos confusos, não posso fazer nada...se não gostou (ou entendeu)...paciência...

Eu não esperava que gente como você entendesse mesmo...e pouco me importa...

Anônimo disse...

Quer saber mesmo, pergunto. Seus textos sao em desuso em tempos faces bookianos. Parãgrafos grandes demais,termos enjoados e quando não, apelativos. Haja povo para correr disso.Sua erudição não é machadiana, caro. É chateana. Os tempos são outros. Lula por aqui, te expulsaria.Vaja outros políticos boconas por aqui. Falam claro, denunciam, não tem medo e botam a boca no trobone sem apelar. Aprende, Douglas.

douglas da mata disse...

Filho, eu quero que o feicebuquistão, com seus habitantes, os feiceburros, se danem...

Respeito sua opinião quanto ao estilo literário do blog, mas não dou nenhuma dimensão além desta: opinião e cú, cada qual com o seu.

E vou te acalmar: não tenho pretensões literárias, pois não vivo do que escrevo, embora, de certo modo, viva para escrever (e outras coisas também, claro).

Se quisesse a opinião do Lula, já teria mandado algum texto para julgamento dele.

Muito menos sou candidato a nada.

Seus cacoetes e deslizes ("boconas")revelam o real motivo de sua insatisfação e sua origem "popular" (fascistas da lapa).

E já que pediu algo mais direto e chulo, te satisfaço:

Vá se fuder, bunda mole mentecapto.

Anônimo disse...

Você tá enganado, Tò mais para Marina e sua trupe que bocão aqui e ali ( apesar de achar que o bocão num perde tempo e se mostra inteligente e povo). Tás enganado. Por nada já apela para xingamento. Cresce, Douglas.

Anônimo disse...

Não. Cada qual com sua opinião não é seu forte. Ou temos sua opinião,ou seremos defenestrados. Ou não, pergunto.
Seus "amigos" devem ter medo de você e por isso te elogiam concordando com o inconcordável, mas jamais o tendo como exemplo. Seus inimigos, fogem leguas.

E eu, pergunto. Passarei a largo tb.
tchau.

Anônimo disse...

Se pouco te importasse, não apelaria tanto. Isso é que é deslize.

douglas da mata disse...

Odeiem, detestem, e continuem a comentar, obrigado...

Blog não é uma coisa maravilhosa?

Tratamos idiotas como eles são, e eles insistem em continuar a serem esculachados...

Se bem que o anonimato ajuda, mas ainda assim é muita falta de auto-estima...

Bem, e argumentos sobre os temas mesmo, que seria bom, nada...continuam a atacar o estilo do blog e seu editor e não conseguem contradizer uma linha sequer do conteúdo, e depois reclamam de ataques "pessoais"...rsrsrs....

Divertido, eu tinha me esquecido como é divertido...

O outro estúpido se justifica dizendo que "é mais marina" do que o "bocão" ....putz, como engole a isca fácil...rsrsr

Rrsrsr...

Anônimo disse...

Bom, já que não compartilho a opinião do anônimo de rabo preso, no facebook e na lapa, queria fazer as minhas considerações sobre o texto.
Antes porem, fico a pensar sobre qual o estilo este bundão gostaria de ver neste blog.
Putz. Se ficar como ele imagina, não leio mais...
Quero registrar que nestes últimos dias o blog tem feito análises boas e se o sacripanta aí parasse de ler só lixo, aproveitaria muito das análises daqui. Poderia até discordar e descartar uma ou outra consideração ou previsão, mas no fim sobraria bom conteúdo.
Quanto ao texto, e juntando com os comentários deste post:
O conservadorismo mudou a maneira de fazer com que os fatos se moldem à sua agenda. Vendo os comentários do blog, fico pensando que a quantidade de pessoas que apoiam este modelo, é maior do que aqueles que conseguem ver para alem deste véu. Ou isto é uma impressão que me chega pela mídia?
Será que politicamente a sociedade será capaz de dar a resposta que David Harvey chama de 'movimento político alternativo' como resposta às crises do capitalismo?
Se o faceboquinha da lapa aí de cima, que parece ser alfabetizado embora com graves problemas de interpretação de texto, acredita mesmo nas asneiras que escreve, é sinal que os avanços ainda tem que esperar muito.

douglas da mata disse...

Caro amigo, não há uma resposta pronta para a demanda colocada por Harvey.

É chavão antigo, mas eu repito: é um processo.

E que muda de regras e de limites enquanto tentamos situar nossa posição no jogo.

O desafio ainda maior é demarcar o campo político definido (como espantar os faceboquinhas aí de cima) sem desprezar o conteúdo da luta política que eles também se dispõem a travar.

É uma tarefa penosa, cansativa e nem sempre efetiva...mas que tem que ser feita.

Anônimo disse...

Leia o volume 2 de Marx ( se é que se consegue ler...) e verás que ele era um cara chato. E olha que quem disse isso foi o David Harvey, hein Claro, disse do seu volume dois. Mas um cara que escreve um volume chato, deve ser mesmo, um cara chato. Comunismo nunca será a resposta.Como capitalismo também não será. A resposta ninguém quer, pois o ser humano é intrinsicamente egoista.
Quantos aos feicibuqueanos, estes avançam e avançam. Recurso dos comunistas para avançarem também.

Anônimo disse...

Nem todo anticapitalista precisa ler Marx. Análises políticas de antropólogos ficam só no "subjetivo", nas discussões, nas mumunhas e nada se faz. Se marx não estiver no assunto e na me mória do cientista ele é descartado como anti tudo o que pode dar certo. Basta não pensar comunistamente e já é conservador. Que coisa chata. OLhemos para o mundo. Analisemos com olhos de lince, e veremos que tã tudo aí na nossa cara.
Povo não quer comunismo. Dilma sabe tanto que abriu oportunidade para todos comprarem, comprarem, comprarem.

Falei,
feicibuqueano

Anônimo disse...

Concordo, Douglas. É um processo. Quando política parar de ser luta e vir a ser "farinha pouca um grãozinho para cada um" aí sim. Mas isso, só com muita consciëncia do "outro". Marx pode ser lido, mas não será mais tão "escolhido". Mundo anda e a fila é grande.

douglas da mata disse...

Volume 2 de Marx? Hã?

Confesso que nunca soube que havia um livro chamado Marx.

Filhinho, eu não me arrogo a dizer qual é a resposta para a superação do capitalismo, meu santo.

Eu sei de algumas coisas, no entanto:

Até hoje ninguém superou o método de pensar do "velho", ainda que muitas de suas ideias não tenham sido completamente entendidas até hoje, e claro, outras "envelheceram".

Mas o fato é a imperiosa superação dialética do capitalismo é irreversível, os capitalistas sabem disto e leram (e aprenderam) Marx para adiar a luta anticapitalista.

Você, meio sem saber como, disse algo certo: nem toda luta anticapitalista é com a perspectiva do comunismo, mas todo comunista, ao seu lado, é anticapitalista.

Quanto a Marx ser ou não chato, eu não acho que ele estivesse buscando a popularidade medíocre de um páunocoelho, por exemplo.

Meu filho, nos poupe de sentir vergonha por você: "análises políticas de antropólogos ficam só no subjetivo..."

Que raios você quis dizer com isto?

Volta para o mar oferenda, volta...ou melhor, para o feicebuquistão, quem sabe você encontra um "irmãozinho" feiceburriano para te fazer companhia?