sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Ônibus e ambulâncias carregados de dinheiro público atropelam a "oposição"!

Existe uma "lenda" que aprendemos desde pequenos, naqueles filmes B da sessão da tarde, que em areia movediça, quanto mais nos mexemos, mais afundamos!

É o caso da "oposição" a dinastia do bocão da lapa, espremida entre a manipulação da mídia cretina local, blogs de coleira e os restos mortais daquilo que se costumava chamar blogosfera goytacá...
A cada movimento, atolam-se nos próprios erros...

Houve até a pomposa criação de um suposto observatório, uma entidade para-estatal destinada a macaquear os trejeitos do ministério público local, e outros órgãos de fiscalização...piada...e de péssimo gosto...

Desde muito tempo está claro que privilegiar uma estratégia de denuncismo, motivado pelo moralismo hipócrita, não surte efeitos para além da desacreditação da política, e claro, do aumento das "tabelas" publicitárias das mídias, que sobrevivem da cafetinagem destes conflitos....ora mordendo, ora assoprando...

Bem, ao menos ficou claro para este blogueiro, que assim que percebeu isto, tratou de abandonar esta postura inútil...

O episódio das ambulâncias é uma evidência da inefetividade dos métodos da "oposição", e também pode ser comparado ao caso dos ônibus e a passagem subsidiada (1 real)...

Falta discernimento aos opositores do regime do bocão da lapa para entenderem que a população, via de regra, quer o serviço, o benefício, e pouco ou nada se importa se há desvios no pagamento, ou melhor, entre tê-los ainda que sob suspeita, e não ter nada, ficam com a primeira opção...

E não adianta dizer que é a carência econômica, ou outra "carência intelectual" que leva aos usuários a optarem desta forma...é antes, carência de escolhas...

Todos nós, de cima a baixo da pirâmide das classes sociais, decidimos desta forma, embora gostemos de imaginar que só nós tenhamos a clarividência de abdicar de algum serviço público porque sobre este incide alguma dúvida sobre a lisura dos seus processos de aquisição e pagamento...A única diferença que o nosso campo de arbítrio é diferente daqueles que habitam as periferias da cidade...

Enquanto um morador desprivilegiado da Terra Prometida não abre mão de serviços mais essenciais, a classe mé(r)dia quer câmeras de seguranças nas ruas para dar conta de suas histerias paranoides e coletivas sobre violência...

Quando há algum indício de irregularidade na aquisição destes equipamentos, não raro se ouve: "ora, é preciso superar esta "burocracia" e dotar a "cidade" de segurança, já!"

Talvez estes cidadãos de classe mé(r)dia até deixem de andar de ônibus, mas o fato é que nunca andam mesmo! A mesma coisa para as ambulâncias, pois dificilmente um integrante da classe mé(r)dia vai solicitar uma ambulância destas que servem aos postos de saúde dos bairros, até porque, na Pelinca, Tamandaré, por exemplo, nem tem posto de saúde...

Por isto que as escolhas dos mais pobres parecem ser sempre menos legítimas... e aqui um pequeno parêntese:
(Lembro quando o novo chefe local da igreja do carpinteiro bastardo desandou a falar do "fisiologismo" político regional, dando  munição para um grupo de idiotas que passou a repetir tais asneiras...Como se igreja, fisiologismo e poder não fossem sinônimos ao longo da História...pelo jeito, o franqueado do vaticano tratou de volta ao seu negócio de vender hóstias...ainda bem...)
Perceber isto é crucial para se fazer política, porque a ação política é carregada de simbolismos, e quando a "oposição" reduz tanto o seu discurso (ao moralismo inútil), a população, por sua vez, entende este discurso por um outro redutor: a classe mé(r)dia detesta pobres e todos os serviços colocados à sua disposição (dos pobres)!

No fim das contas, a gritaria sobre a locação de ambulâncias (que de fato, traziam um vício grave e insanável) desembocou em uma solução que agradou, novamente, algum empresário que fará, ipsi literis, o que o outro fantasma fazia...E deu mais e mais argumentos aos governantes para dizer que a "oposição" detesta pobres...

Assim como no caso do transporte público, onde a intervenção desastrada só empurrou a um desfecho ainda mais saboroso para os interessados...

Para evitar que digam que não coloco propostas concretas para solucionar os problemas, é bom lembrar que este blog já alertou, desde quando as supostas fraudes na validação e pagamento dos subsídios das tarifas de transporte coletivo foram noticiadas, que há modo muito mais econômico e justo para auferir os valores que os prestadores deste tipo de serviço (transporte) tem a receber, isto é:

Ao invés de pagar valores globais, escalonados mensalmente, durante a execução do contrato, deve-se pagar por quilômetro rodado, ou seja, com as maravilhas tecnológicas disponíveis, cada unidade vem com dispositivo localizador e rastreador instalado (GPS ou qualquer outra empresa especializada), que medirá o total da distância percorrida por mês...

De posse de tal informação, e adicionando dados de uma planilha de custos que está disponível em qualquer curso mequetrefe de logística, chegamos ao cálculo do custo do km rodado, onde deve ser somada a taxa de retorno do prestador (seu lucro)...e pronto!

Esta regrinha serve para ambulâncias, ônibus e até carroças, se a prefeita quiser...

Aliás, a prefeita deveria querer, porque a instalação destes dispositivos de controle deveria ser item obrigatório no edital de contratação de locação de ambulâncias, e em todos os demais veículos locados pela municipalidade, porque não é incomum o desvio de uso nestes serviços...

Enfim, parece que por aqui vai tudo ficar na mesma: o governo do bocão da lapa atropelando a oposição que segue à pé...

Nenhum comentário: