segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Os blackbobocas e os adolescentes tardios!

Um dos maiores problemas dos quadros políticos que escolhem uma militância em campo político mais extremado, é a enorme inclinação de acreditarem no personagem que criaram para si próprios. Este é um traço comum, ainda mais que por esta escolha, estes quadros tendem ao isolamento!

Compreendi esta premissa em um longo e permanente processo de autocrítica, mas ainda assim, permaneço com minhas escolhas, só que com uma sensível diferença: como entendo o que faço, sou menos escravo dos resultados alcançados.

Não é o caso deste bando de marginais que se autodenominam "black blocks", ou os black bobocas, ou ainda, os batcoxinhas...e claro, dos seus apoiadores...

Defender este expediente de "ponta de lança" de manifestações que ninguém consegue definir politicamente, e que não representam, nem de longe, qualquer setor popular estratificado nas classes mais pobres deste país, é como, mal comparando, promover o ludismo clássico em tempos de dominação das relações de trabalho mediadas pelas novas formas informacionais...

Imaginar que o gosto por tomar porrada, em flagrante e patológico caso de auto-destruição misturada ao sadomasoquismo juvenil, como os surfistas de trem, ou pixadores que se penduram nos lugares mais altos, ou os garotos que jogam roleta russa com as armas dos pais, e associar este desvio de caráter próprio desta fase com algum traço político é desastroso...Descabido até para quem ainda vive a falar em "traição", ou imagina que vai impor sua agenda política às outras correntes pela força, sem qualquer acúmulo histórico para tanto!

É este pessoal que deve estar perdendo o sono por causa da deputada Jandira Rocha, e ao invés de entender, com olhar amplo, todo problema que a envolve, correm para a acender a fogueira a seus pés...

Vamos a réplica do texto do Professor Marcos Pedlowski, meu caríssimo amigo, que parece ter encontrado novo sentido a sua ação política na turma do Peter Pan, que se negam a amadurecer...Aquilo que terapeutas chamam de adolescentes tardios:

Desde junho quando surgiram na cena política brasileira (ou pelo menos foram notados) os chamados "Black Bloc" vem inspirando vários sentimentos. Entretanto, a mídia corporativa e os apoiadores dos partidos que governam o Brasil, independente de suas matizes declaradas, o sentimento é um que mistura medo e rejeição. O medo fica por conta da ação agressiva contra a polícia (no esforço de proteger manifestantes e atacar a propriedade privada), especialmente bancos. Já a rejeição aparece como uma reação natural contra o que isso representa. Ai pode ser PT, PSDB ou PMDB que a ordem tem sido baixar o porrete em tudo e todos que tenham vaga semelhança com um "BB".

Réplica: É preciso lembrar ao professor que o monopólio do uso da força é ESTATAL...Do jeito que fala o professor, justificando a presença das falanges mascaradas, ele defende (olha só a coincidência) a violência como uma espécie de ataque "defensivo", mais ou menos como disse george bush jr quando disse ao mundo porque ia invadir Iraque e Afeganistão...Bom, mas já que ele "confessa" que os batcoxinhas estão ali para agredir a polícia, o que mais dizer?A tese do professor é mais ou menos como a do ladrão que matou o policial que tentava impedir que assaltasse um transeunte, e alega legítima defesa...Ora, quem vai para a rua munido de bombas incendiárias caseiras (coquetéis molotov), "jacarés"(pedaços de pau com pregos cravados nas extremidades) e outros artefatos, estará imbuído das melhores intenções?

No meio desse processo aparece também a disseminação da desinformação para melhor criminalizar os que participam das ações do Black Bloc. No Rio de Janeiro, a delegada Martha Rocha que até hoje não conseguiu encontrar o corpo e os assassinos do pedreiro Amarildo, conseguiu num passe de rara velocidade achar os "chefes" do Black Bloc. Teria sido mais eficiente como investigadora se informasse ao público que os Black Bloc não possuem líderes porque não são uma organização, mas simplesmente uma tática de reação contra a ação das forças repressivas do Estado.

Réplica: A leviandade salta aos olhos...Misturar os problemas estruturais da ação policial em relação aos mais pobres, como um corte de classe e étnico definido, com a repressão a crimes largamente anunciados e cujos autores de vangloriam em desafiar a lei, exibindo atos violentos como troféus é de doer!!! Qualquer um acha os batcoxinhas porque sua ação só tem sentido com a publicidade, enquanto quem sumiu e matou o pedreiro quer o contrário...Comparar estes dois crimes não é usual para um cientista social gabaritado, dada a enorme distância dos fenômenos sob observação!!!! Mas tudo bem, devem ser os calores da andropausa(rs) e os arroubos da juventude perdida!Aqui uma pequena dica ao professor, desde já desculpando-o, afinal, entende pouco de Direito, e menos ainda de investigação policial: Para se ter uma quadrilha ou bando, não é preciso ao menos que os integrantes de conheçam, basta que seja mais de duas pessoas, e que se juntem para cometer dois ou mais crimes, com vínculo fático entre suas condutas, explico: o ladrão do carro, o mecânico que desmonta o veículo roubado, e o dono da loja que vende as peças deste veículo roubado não precisam se conhecer...Não é preciso "liderança", apenas estabilidade delitiva, divisão de tarefas, dentre outros requisitos, todos publicados e descritos em detalhes nas páginas eletrônicas das redes sociais infestadas por estes batcoxinhas...Não é à toa que o território virtual se chama: feicebuquistão!
Apesar de eu não ser anarquista, vejo o aparecimento dos Black Bloc como algo que ultrapassa a decisão de filhos da classe média em cuspir no prato em que comem. É que ir para cima de policiais cada vez mais armados e violentos não me parece um simples exercício de futilidade. Classificar os Black Bloc como militantes "coxinha" pode até ajudar a alguns a aplacar culpas de consciência ou a apresentar justificativas inúteis para a traição dos programas partidários por forças que um dia se disseram de esquerda, mas não resolve a questão central: por que crescem os Black Bloc?

Réplica: Hu-hum, então sufistas de trem, pixadores que desafiam as leis da física, os garotos com fuzis do tráfico, e os que se arriscam em "pegas" em motos ou carros, etc, que enfrentam perigosa e violentamente a polícia podem ser definidos como portadores de uma ação política? Tem razão o professor, enfrentar policiais cada vez mais armados e violentos não tem nada a ver com futilidade, isto é, não é só isto: é sadomasoquismo com autodestruição...Felizmente, em alguns anos, para a maioria, passa!

Por outro lado, há que se ver que apesar de não serem uma organização internacional, os Black Bloc nasceram e continuam agindo contra o capitalismo em sua versão globalizada.  Esquecer desse detalhe pode até ajudar nos esforços de caluniar e criminalizar os seus componentes, mas não vai apagar o fato de que um número crescente de pessoas está indo às ruas para enfrentar o aparato repressivo. Esse tipo de processo é apenas compreensível se colocado à luz do aprofundamento da crise sistêmica que hoje corrói o sistema capitalista. E, mais uma vez, tratar essa situação sob o prisma de que esses militantes são uma minoria apenas ressalta a sua importância na cena política brasileira. Afinal, as grandes transformações sociais sempre começam porque uma minoria resolve entrar em ação contra o status quo, enquanto a maioria aceita docilmente os desmandos e a opressão cotidiana que esse impõe aos mais dóceis. 

Réplica: Uau..."As grandes transformações sociais começam com as minorias"...Santo deus, ainda que eu entenda o pendor vanguardista, com forte odor de mofo trotskista, é preciso lembrar as tragédias as quais as sociedades que se submeteram a estas vanguardas, o que não quer dizer que o capitalismo seja uma maravilha, e que a seu modo, também é o capitalismo um fruto da ação política de uma minoria...novamente, estranha coincidência não?

Quando olho os blackbobocas eu lembro das SA, depois das SS, minorias barulhentas, também anti-capitalistas (pelo menos o capitalismo que açoitava a Alemanha e a Europa entre guerras), e vejam só onde paramos...

Uma coisa é certa: quanto mais a mídia corporativa e os partidos governantes tentarem reprimir e criminalizar os Black Bloc maior será o seu crescimento. É que num tempo de mídias sociais e transmissão de informação online não há como esperar que as táticas utilizadas para esfacelar movimentos opositores possam funcionar como no passado. Aliás, como são anarquistas quanto mais atomizados os Black Bloc forem obrigados a agir, mais intensa será a sua ação. É a velha história da mitologia grega da hidra. A diferença é que aqui a hidra cobre a cabeça de preto.

Réplica: Este fetiche com as "novas tecnologias online" farfalha tanto na ultra-direita quanto na ultra-esquerda (olha aí os opostos se tocando de novo)...Falavam a mesma coisa no telégrafo, depois no telefone, rádio e TV...

Não há movimento político a ser prestigiado por quem tenha um mínimo de bom senso que proclame a desinstitucionalização da política, angariando a violência como fim em si mesma, e não como um instrumento para ser usado na última das últimas instâncias, com direção definida...O que estes idiotas fazem é fornecer os argumentos para as soluções de força dos grupos reacionários que espreitam, babando para dar fim a esta precária Democracia....
Estes bunda-moles dos blackblocks, quando o "couro começar a comer", de verdade, correm para o cartão de crédito do papai e mamãe para se exilarem em Paris, à procura de alguma crise existencialista para se masturbarem em frente ao espelho.
A resposta das forças policiais e dos governos não pode tardar...Não sofremos tanto para a reconquista da Democracia para arriscá-la pelas fantasias mal curadas de uma bando de moleques incentivados por tiozinhos de politburo

Eu tenho uma proposta: Bolsa- fantasia para a garotada se vestir de batman, robin, lanterna verde, e outros ícones da cultura pop (estadunidense, olha aí a "coincidência de novo") na qual se inspiram...

Nenhum comentário: