segunda-feira, 23 de setembro de 2013

O IV Reich?

Se mantiver seu mandato até 2017, o que parece inevitável, a chanceler alemã Angela Merkel, desbancará outra notória conservadora, Margaret Tatcher, que ficou à frente do governo por 11 anos ininterruptos na Inglaterra...


O engraçado disto tudo é que, não por acaso, se tratam de duas mandatárias que se enquadram no espectro ideológico de direita, e também não por coincidência, não ouvimos nenhum sussurro de que ambas estariam a usurpar a Democracia de seus países com tamanha longevidade no poder...

Claro, os midiotas de sempre dirão que se tratam de outras culturas, outros sistemas de governo, outros processos políticos, e blá, blá, blá...mas afinal a pergunta é uma só: pode um povo, ou a maioria de um povo decidir manter no poder o mandatário de sua escolha?

Na cabeça dos midiotas a resposta é: PODE, desde que não sejam progressistas...E assim, Merkel pode, mas Chavez não podia.

Ah, e o papo de que alemães estão acima de qualquer suspeita, é bom refrescar a memória: Helmut Kohl, o outro conservador que ficou no poder por vários anos, considerado "pai da reunificação", foi defenestrado do cargo por um escândalo envolvendo seu partido (Democracia-Cristã) na captação de recursos para bancar as eleições, e por fim, recentemente, a participação alemã da Siemens no tucanoduto do Metrô SP não autoriza bons julgamentos sobre o caráter desta gente.

5 comentários:

Anônimo disse...

Comparar a Alemanha com a Venezuela já alguma brincadeira. Merkel com Chaves é de rolar no chão de rir, ou chorar né?

douglas da mata disse...

Bom, países são incomparáveis, e todos sabemos disto, assim como seus líderes, e nem é preciso um asno qualquer a nos dizer tanto...

Mas é próprio dos asnos distorcer o sentido das coisas, dos textos, enfim, de tudo:

A pergunta é elementar: cada povo tem, a seu jeito, limitado por cada arranjo constitucional que melhor lhe apraz, decidir quantos anos deve um mandatário permanecer a frente do governo?

É só responder isto, sim ou não, simples assim...

Ah, em tempo, não há dúvidas que Chavez significou muito mais ao povo menos favorecido da Venezuela que a "Adolph Merkel" na Alemanha, reconduzida ao cargo por completa inapetência dos setores progressistas e não por suas qualidades.

Com uma diferença: Mesmo se repetindo no poder, Merkel não foi acossada por golpistas estadunidenses e de seu próprio país, o que, neste caso, faz uma diferença enorme.

Mas pretender que você saiba um pouco mais de política internacional, ou tenha noção de princípios constitucionais, ou ainda, sobre respeito à soberania ou geopolítica, para além dos lugares-comuns repetidos pelo PIG, já é um pouco demais...

Fiquemos por aqui.

Marcelo Siqueira disse...

Me comoveu ver o Aluysio Nunes Ferreira defendendo os pequenos produtores rurais, indo contra a regulamentação da profissão de vaqueiro, hoje à tarde, no Congresso, porque os pequenos produtores não podem pagar. Eu não consegui ver o Ronaldo Caiado, qual terá sido a posição dele? O pequeno produtor, agora, terá que ordenhar as suas vacas, como se já não fizessem. A coisa tá mudando, empregada com FGTS e férias, vaqueiro com carteira assinada e seguro contra acidente de trabalho.

Marcelo Siqueira disse...

Acabei de ouvir o nome do mensalão mineiro, adotado pelo PIG, a Cristiane Pelagio falou: valerioduto tucano mineiro. É ótimo, não?

douglas da mata disse...

Cartel..valerioduto tucano mineiro, que depois vai esfarinhando até ficar só valerioduto mineiro...pois é Marcelo, "sede não é nada, imagem é tudo"...