quinta-feira, 19 de setembro de 2013

A Constituição ferida de morte pelo stf, ainda respira...

Não há o que comemorar...

Apenas percebemos que em meio a tanta iniquidade, raciocínios rasos, definições simplistas e mostras de completo desconhecimento, aliado ao mais puro cinismo da mídia e seus midiotas, o juiz celso mello nada mais fez que sua obrigação!

Ou seja, que ambos os lados, governistas e oposição, esta última representada no partido da imprensa golpista, torçam pelo resultado que melhor lhes convêm, é compreensível.

Incompreensível é defender que um julgamento se assemelhe a um tribunal de inquisição, um justiçamento jurídico...

Se há provas, condene-se! Se há ausência ou dúvidas sobre estas, absolva-se...Este é um princípio que não serve a esta ou aquela facção política, mas a cada um de nós, e penso que nem a maior e mais honesta cruzada moral vale a renúncia a qualquer garantia fundamental que lutamos tanto para conquistar...Até porque, estas cruzadas morais sempre vêm recheadas de hipocrisia e seletividade, como já demonstrado...

O stf vai continuar a ser o que é, os juízes dali, em sua esmagadora maioria, continuarão a ser o que são...

Defensores de um sistema jurídico que prende pobre, analfabeto e preto, solta rico, branco e com diploma... e que esteve funcionando à todo vapor durante cada ditadura brasileira, sem que sequer oferecesse o menor obstáculo aos gorilas fardados ou não...

É este stf que negou-nos a verdade ao confirmar a grotesca e vergonhosa lei de "anistia"...

É este stf que mandou soltar daniel dantas, e que está sentado em cima de processos como o valerioduto mineiro, o caso cachoeira-demóstenes-veja, e por aí vai...

Pressa e morosidade, rigor e parcimônia são grandezas manipuladas com rara seletividade pela corte maior...

Então, só resta dizer: o stf fez aquilo que tinha que fazer...A mera discussão sobre a admissibilidade dos embargos foi surreal, haja vista o que o regimento e as decisões da corte já haviam consagrado!!!!

Mas engraçado é ler, ouvir e assistir os idiotas urrando de raiva, quando até ontem celebravam e comemoravam a ação jurídico-fascista daquela corte...

Um caso típico de direito penal do inimigo...

Um comentário:

Anônimo disse...

Concordo com você. "Defensores de um sistema jurídico que prende pobre, analfabeto e preto, solta rico, branco e com diploma."