sábado, 6 de julho de 2013

O Leblon e a velha demofobia!

Não é à toa que o governador mora no Leblon, reduto dos que detestam povo ou qualquer manifestação que insinue o mais leve odor de Democracia.

De certo que são condenáveis quaisquer atos de vandalismo, mas o fato é que os abaixo-assinados dos vizinhos de cabral pela sua mudança, para evitar a concentração de manifestantes, soa parecido com aquela manifestação de moradores de um bairro chique paulista, que protestaram contra uma estação do Metrô que traria gente "diferenciada" dos "bem nascidos" locais.

O Leblon, assim como boa parte de seus moradores, regurgita o bom fascismo carioca, imortalizado no mito da "hospitalidade" e do "bom-humor" que mal disfarçam toda violência simbólica que trazem embutidos.

Tempos de turbulência são interessantes para que se descortinem certos sentimentos encubados, e o Leblon gritou bem alto: Xô, gentalha!

A única proximidade que este pessoal tolera com o populacho é no quartinho de empregada, lavando seus carrões ou empurrando os carrinhos dos bebês-herdeiros...

4 comentários:

Anônimo disse...

e isso é bom ou ruim?

douglas da mata disse...

Bom, eu imagino que seja ruim para a Democracia.

Creio que isto ficou claro, não?

Há alguma possibilidade de achar bom um abaixo-assinado que deseja despejar o governador porque sua presença suscita protestos?

Ou, por outro lado, devemos aplaudir a visão etno-centrada da elite do Leblon, que só enxerga chance de proximidade com os mais pobres pelos filtros da submissão?

Me responda você, isto é bom ou ruim?

Anônimo disse...

Quem quiser escrever o que pensa, que crie seu blog. Mas, meu caro, e a Presidenta! Onde entra nisso! E os "parceiros", Garotinho entre outros, os do jatinhos da Fáb., e o Bnds no dinheiro dos, digo, das arenas, e, e, ...? No dêles não vai nada?

douglas da mata disse...

Confesso que o comentário é deveras confuso.

A pontuação distorce o sentido, pois imagino que esteja a fazer perguntas, e não exclamações.

Bom, vamos tentar argumentar "no escuro":

Olha, eu não imagino de seu filho (caso tenha idade para tanto) ou sua esposa (ou esposo) se for o caso, estiverem a praticar algum ilícito ou conduta reprovável, que eu tenha o direito de presumir que você sabe de tudo e se aproveita.

Ora, se em uma passeata não é razoável exigir dos líderes que respondam pelos vândalos, como você pode cobrar da Presidenta que responda pelos desvios de conduta de seus aliados?

Também não imagino fazer política sem alianças...a não ser em ditaduras!

Quanto ao BNDES e as arenas, vamos lá:

O BNDES é um BANCO, empresta dinheiro dentro de critérios que julga apropriados, baseados em políticas institucionais que lhe são inerentes.

Imagino que os empréstimos do BNDES para a construção de estádios obedece a mesma lógica de fomentar outros setores da indústria do turismo, da construção civil, etc.

Ainda assim, os contratos de mútuo destes recursos obedecem regras e garantias.

Se você tem algum dado para questionar a lisura destes contratos, por favor, denuncie...eu darei todo destaque.

Se vamos debater a conveniência política desta ação do banco, aí é outra coisa, mas eu tenho certeza que há milhares de pessoas, e um outro tanto de empresas que concordam com a construção destes estádios.

Eu, de minha parte, não concordo que dinheiro do BNDES financie estádios de futebol.

Mas eu tenho certeza que este dinheiro não está sendo retirado do orçamento, ou seja, este negócio de que o dinheiro do estádio faz falta para construir hospital é uma premissa falsa.

É uma farsa, uma falsificação da mídia que arregimentou uns poucos ingênuos e milhares de cínicos!

Nunca houve este tipo de escolha, porque são recursos de natureza totalmente diferente...

Espero ter conseguido satisfazer suas dúvidas exclamativas.