sábado, 22 de junho de 2013

Um débil mental no Senado!

A fala, ou melhor, zurro do senador pelo PDT, Cristóvam Buarque, propondo que sejam "abolidos" os partidos é um desastre coletivo e pessoal!

Desastre coletivo, não tanto pela imbecilidade fascista ali contida, mas pelo oportunismo rasteiro, pelo baixo nível político, que nos revela que um quadro com uma biografia razoável de serviços a Democracia, desde sua reitoria na UnB, o governo do Distrito Federal, e sua monotemática campanha pela Educação Pública, acabou restrito a um monte de ressentimentos e ostracismo, empilhados em uma lata de lixo da História!

Desastre pessoal porque estas repercussões coletivas e públicas refletem o quão canhestro e nocivo se tornou o (a falta de)caráter do mesquinho senador.

Um pulha que não hesita em se alinhar com o que há de mais conservador no cenário político atual, apenas para sair das trevas onde se encontra.

É destes que a gente nem sente pena, nem raiva, apenas desprezo...

Boa foi a sugestão do petista, ex-senador, e ex-presidente da Petrobrás, José Eduardo Dutra: Buarque poderia começar dando exemplo, desfiliando-se e devolvendo o mandato. 

4 comentários:

Anônimo disse...

De repente esse cara entrou numa decrescente que não sei onde isso vai parar.

É lamentável, eu esperava muito dele.

Anônimo disse...

Vou rasgar a foto que tenho com ele.

Anônimo disse...

...e eu pensando que o debil mental do senado fosse o suplicy. tsc tsc tsc

douglas da mata disse...

Suplicy, débil mental? Nunca...você pode acusá-lo de tucano, e que espertamente se mantém dentro do PT, causando os estragos e inconvenientes de sempre, mas débil mental NUNCA.

Este título é do nobre Buarque. E o será para sempre...