quinta-feira, 20 de junho de 2013

Adote um movimento antes que um fascista o faça!


Duas tirinhas do Angeli para descontrair e tirar um da cara do "movimento" e os vovôs complacentes!

Nenhum de nós com mais de 40 anos, e que viveu de forma militante o período de transição e a restauração democrática tem do direito de confundir o que se passa hoje, com outras manifestações políticas no Brasil, a não os beócios ou os cínicos.

Isto seria uma total estultice, se fosse apenas a desconexão histórica e conjuntural, mas é agravado pela natureza do que ocorre hoje nas ruas, que não pode ser equiparado ao intenso processo de maturação de nossa capacidade de mobilização e das nossas instituições democráticas.

Li e ouvi até algumas pessoas que considero e respeito comparando com o movimento das Diretas Já, e isto, me desculpem, é o cúmulo da estupidez. 

Reduzir aquele movimento verdadeiramente suprapartidário, mas que reunia TODAS as lideranças partidárias e correntes políticas, do centro à esquerda, em raro exemplo de comunhão pelo sonho comum a esta turba amorfa, desorientada e semi-fascista é de doer...
Os que tombaram antes na ditadura pelo nosso direito ao voto não merecem tal afronta, é como uma segunda morte, uma segunda seção de tortura.

Li outros comentários dos inocentes (in)úteis, dizendo que Lula nunca abandonou as multidões, e que isto era o pretexto para que encampássemos sem pestanejar o movimento Comuna do Morumbi!

Ora, comparar as multidões de São Bernardo do Campo, no campo Vila Matilde, a grandeza e a novidade daquilo que desafiava o arbítrio e a violência institucionalizada, e não só a truculência policial, com um bando sem rumo, é, outra vez, próprio dos néscios!

Eu tenho tentado, de forma sincera, encontrar algo que me faça baixar minha guarda em relação aos protestos. Para isto me socorro no blog do Roberto Moraes, ou do Marcos Pedlowski, dentre outros, mas o fato é que não dá!

E não é por recalque ou acomodação, ou para preservar alguma zona de conforto! 

Uma análise correta e fria do país nos dirá que não temos a Democracia que sonhamos, é fato. De certo nossa Democracia tem sofrido os mesmo males, em escala diferente, das que se espalham pelo mundo ocidental, onde a agenda do capital tem nos sequestrado os direitos e as possibilidades de mudanças mais profundas.

Mas há nesta manifestação algum estofo ou sinal de que estes questionamentos será levantados? 
Óbvio que não! 
Se há sinal, está muito bem camuflado, ou sob a aversão aos partidos políticos, ou pela total ausência de qualquer movimento organizado da sociedade civil que reivindique bandeiras progressistas.

A face mais visível que temos, a bem da verdade, em boa parte, por manipulação midiática, é a que ataca, justamente, o governo central. 
Ótimo, este governo também tem culpa, poderíamos dizer, se não por ação, por sua omissão! Junto a ele(o governo) está o PT, com seus erros recentes, e outros históricos!

Mas não haverá voz dissidente em tamanho movimento que diga, em contraponto, que apesar dos erros, é este governo que fez o país dar um salto de 500 anos em 12, beneficiou os mais pobres e miseráveis, abriu as universidades, tenta o resgate da enorme dívida com os negros, nas políticas afirmativas, avançou da distribuição de renda, trouxe nosso IDEB para índices próximos ao países mais adiantados, tem ampliado os atendimentos preventivos de saúde, reconstruído estradas, abrindo portos, reformando aeroportos, tudo isto em meio a maior crise econômica deste século e desde o século anterior?
Não haverá dentre estes alguém que diga que foi o PT que deixou a sua condição de pedra, para virar vidraça, e mesmo assim cedeu e contribuiu com os melhores quadros da política nacional para construir um governo e um país que deixaram de ser piada nacional para ingressar no protagonismo geopolítico?

Meus deus, até os jornalistas do exterior se perguntam: "reclamam do que os brasileiros?"

Eu li muita gente dizendo que esta juventude se levanta contra tudo, porque nada os representa mais...A juventude bancar a idiota eu compreendo, todos fomos jovens (e idiotas). 

O problema é não amadurecer! Como apoiar algo que é contra tudo, quando este "tudo" parece direcionado e encomendado a uma direção política bem definida, e contrabandeada sob a calhordice?

Não foi este sistema precário brasileiro que permitiu avanços consideráveis, como células tronco, debates sobre aborto, direitos das mulheres e das minorias, e até a perigosa lei da ficha limpa, por inciativa popular? 

Não foi tudo dentro da normalidade democrática, ora por iniciativa do executivo, ora por meio legislativo, ora por ingerência judicial (até indevida, como considero em alguns casos)?

Leio o ouço os companheiros desdenhando do nosso sistema de representação, e me pergunto ainda: Ora, não foi este sistema tropeçante que permitiu aos partidos progressistas avançarem desde as capitais até os rincões, desmontando feudos dos coronéis, aumentando a noção de cidadania que reside nos direitos ao invés dos favores eleitorais?

É contra isto tudo que se levantam os jovens?

Triste ver os 68 e nanicos, hilários personagens do Angeli, como mamães e papais corujas andam se embevecendo, como se dissessem: 

"Pronto, missão cumprida, nossos filhos não são apenas idiotas e imbecis do feicebuquistão, eles também vão as ruas protestar!"

Se for para redenção e expiação destas culpas familiares, eu até entendo tanta excitação, mas eu creio que já é hora de olhar com cuidado este movimentação nas ruas.

A História, sempre ela, não nos deixa esquecer que eventos deste tipo tendem a um desfecho perigoso e trágico. Multidões e jovens havia na Alemanha, Itália e Espanha da década de 30 do século XX.
Tínhamos nossos galinhas verdes por aqui. 

É claro que de maneira sincera, boa parte dos que engrossaram tais fileiras imaginavam estar insatisfeitos com algo que lhe incomodava.

E hoje, nosso país está em uma conjuntura que permite dizer que tais manifestações são condizentes com a situação das pessoas que se manifestam?

Não vi, li ou assisti nenhuma manifestação sobre os salários dos professores, ou um convite para que mostrassem junto com a juventude suas situações. Também não há preocupação com salários dos médicos, policiais, etc.
Nada em relação a reforma agrária, ou a votação do Imposto sobre Grandes Fortunas!
Silêncio total sobre a pequena carga de impostos que pagam os ricos, enquanto os mais pobres arcam com o sustento do país.
Omissão completa sobre álcool e direção. Não seria o caso de pedir para o Congresso triplicar as penas, afinal, morrem 60 mil pessoas por ano em incidentes que envolvem motoristas bêbados?
E contra o monopólio privado da mídia, não haverá manifestações e levantes? Ou vão se limitar a queimar carros de reportagem?
E os deficientes físicos e portadores de necessidades especiais temporárias?
São todas bandeiras factíveis, como preço da passagem, mas por que permanecem atados aos slogans propositadamente expostos em rede nacional que fragilizam o governo Dilma e Lula?

Será que estes dois merecem tamanha ingratidão?

Será que todos os males (ou "o tudo") foram inventados e maquinados nestes governos?

Olhando novamente tudo o que foi dito até aqui, tenho a impressão de terem inventado uma urgência da qual não conseguirão dar conta...talvez aí resida a angústia de papais, mamães e vovós, que depois de se orgulharem de terem apoiado seus rebentos, agora tremem e temem pelo pior!

5 comentários:

Anônimo disse...

Invazão do congresso, em nenhum lugar do Mundo isso seria aceito, isso é tentativa de golpe. Chamem o Massaranduba. Existe metrahadora de bala de borracha?

Eduardo Braga disse...

O lado positivo disto tudo será se a esquerda e o governo do PT saírem da inércia e comodismo com pesquisas favoráveis anteriores e começar a fazer POLITICA de fato e não "pragmatismo de governabilidade". Vão pedir ajuda agora ao Maluf e ao PSC? Lamento mas eles virarão as costas e buscarão tirar uma casquinha disto tudo! Volta pras bases PT!!! A tempos o ovo da serpente estava sendo chocado nas fuças do governo mas este tava se iludindo com pesquisas e esquecendo que a classe média tradicional é facilmente manipulável por mídia de direita e a classe C, D, e E que foram mais beneficiadas ainda é muito frágil para sobrepor sozinha os adversários da esquerda!

Anônimo disse...

você mora na suíça?

douglas da mata disse...

Bom, se você considerar que guardar e lavar dinheiro de narcotraficantes, ouro derretido dos dentes de judeus cremados, e outros recursos roubados no holocausto é um símbolo de civilidade superior ao nosso, eu te diria:

Ainda bem que não moro na Suíça!


..............................


Eduardo, sua manifestação tem certa razão de ser, muito embora eu imagine que você não confunda governo e partido, como tem sido tão comum.

É papel dos governos ampliarem sua coalizão ao máximo, e neste sentido, olhando para os setores que poderiam representar esta "base" de que você fala, mas não identifica, não há correlação de forças favorável no Congresso.

Se você imagina o piçol, por exemplo, é bom lembrar que este setor nanico já fez sua escolha pelo pior conservadorismo alojado no Congresso, se é que podemos dizer que um conservadorismo consegue ser pior que outro.

O governo, quando eleito, passa a ser de TODOS os setores, e não apenas de sua base programática, e angariar governabilidade para implementar o que se deseja, requer recuos, este é o charme da Democracia, que tampouco não se resume a impor a vontade quantitativa, apenas, dos vencedores.

Senão, oito alemães que decidem queimar dois judeus seria democrático por se tratar de uma decisão majoritária.

Já os partidos, neste caso o PT, que você menciona, tem outra tarefa, e aí você tem razão de reclamar.

Mas como sabemos, governar e organizar a sociedade não é tarefa fácil. Não foi para nenhum partido progressista ao longo da História, pós Revolução Francesa.

Temos 12 anos, e este ciclo de poder nem esgotou todas as suas possibilidades, e já nos cobram a reestruturação completa de um país que chafurdou em violência simbólica e real, patrimonialismo, racismo, segregação, etc por 502 anos...Acho meio contraproducente, não acha?

douglas da mata disse...


Eduardo, sua manifestação tem certa razão de ser, muito embora eu imagine que você não confunda governo e partido, como tem sido tão comum.

É papel dos governos ampliarem sua coalizão ao máximo, e neste sentido, olhando para os setores que poderiam representar esta "base" de que você fala, mas não identifica, não há correlação de forças favorável no Congresso.

Se você imagina o piçol, por exemplo, é bom lembrar que este setor nanico já fez sua escolha pelo pior conservadorismo alojado no Congresso, se é que podemos dizer que um conservadorismo consegue ser pior que outro.

O governo, quando eleito, passa a ser de TODOS os setores, e não apenas de sua base programática, e angariar governabilidade para implementar o que se deseja, requer recuos, este é o charme da Democracia, que tampouco não se resume a impor a vontade quantitativa, apenas, dos vencedores.

Senão, oito alemães que decidem queimar dois judeus seria democrático por se tratar de uma decisão majoritária.

Já os partidos, neste caso o PT, que você menciona, tem outra tarefa, e aí você tem razão de reclamar.

Mas como sabemos, governar e organizar a sociedade não é tarefa fácil. Não foi para nenhum partido progressista ao longo da História, pós Revolução Francesa.

Temos 12 anos, e este ciclo de poder nem esgotou todas as suas possibilidades, e já nos cobram a reestruturação completa de um país que chafurdou em violência simbólica e real, patrimonialismo, racismo, segregação, etc por 502 anos...Acho meio contraproducente, não acha?