domingo, 2 de junho de 2013

Chegou a hora!

Esta semana, pelo e-mail, conversava com o Roberto Moraes sobre os panoramas eleitorais, e as perspectivas de Dilma e os solavancos da economia nacional e mundial.

Mais que determinar o futuro da condução política, como os fundamentalistas do mercado preconizam, é necessário ao governo desarmar a armadilha que pode vir a se meter, se, ao contrário, não inovar e colocar a política como centro da condução da economia!

Creio que os limites para "administração" do atual sistema capitalista, inclusive pela parcela representativa de poder que os BRICs exercem hoje, estão esgotados.

Em outras palavras: O mundo não pode mais ficar refém do déficit público do maior país do mundo, que se auto-financia, emitindo trilhões de dólares, que inundam economias, e as tornam reféns de sobrevalorizações cambiais que destroçam indústrias, e depois as drenam com ataques especulativos que arrasam estas moedas, e tornam os ativos que restaram nos países suscetíveis a serem comprados por preço de banana, ou em outras palavras:

Em uma hora, com muito dólar disponível, valorizamos nossa moeda e compramos o que eles vendem de manufaturas, matando nosso produção!

Depois, eles enxugam os dólares, e nos deixam sem poder algum de compra, e aí temos inflação, desemprego, e precisamos vender tudo que temos ao exterior!

Por onde quer que tentemos sair, não há como!

É bom dar uma olhada no texto do Saul Leblon, que foi reproduzido lá no Viomundo:

Saul Leblon: A rendição da esquerda e a restauração conservadora

publicado em 31 de maio de 2013 às 22:41

31/05/2013
As escolhas de Dilma
Saul Leblon, na Carta Maior
As notícias que chegam dos correspondentes de Carta Maior na Europa formam um denso exclamativo de alerta. 

A austeridade estala o relho do desemprego nas costas de quase 27 milhões de pessoas no continente – mais de 19 milhões só na zona do euro.
Um círculo vicioso de arrocho social, demência fiscal e privilégio às finanças escava o fundo do abismo. 

Aleija o Estado; esquarteja o tecido social.
A fome está de volta numa sociedade que imaginava tê-la erradicado com a exuberância da política agrícola do pós- guerra, associada à rede de proteção do Estado social. 

Quem não se lembra das montanhas de manteiga e trigo?
Inútil é a opulência quando a repartição se faz pela supremacia dos mercados desregulados.
Que meio milhão de pessoas passem fome no coração financeiro da Europa, como informa o correspondente em Londres, Marcelo Justo, nesta pág, deveria ser suficiente para afastar as ilusões na ‘solução ortodoxa’ para a crise sistêmica do capitalismo desregulado.
Mas a história não segue uma lógica moral; tampouco é imune a retrocessos. 

A calibragem fina entre a barbárie e a libertação humana não está prevista nos manuais de economia.
Esse apanágio pertence à democracia. 

Vale dizer, ao movimento das gigantescas massas de forças acumuladas na caldeira social de cada época. 

A esquerda europeia, ao longo dos últimos 30 anos, jogou água fria no vapor.
Sua rendição histórica representa hoje o chão firme em que prospera a restauração conservadora.
A regressividade econômica se faz acompanhar da contrarrevolução sempre que a esquerda troca a resistência pela adesão à lógica cega dos mercados.
Os paralelepípedos de Paris assistem, estarrecidos, às marchas extremistas contra os direitos das minorias — num ensaio de assalto aos das maiorias, patrocinado pela tibiez do governo Hollande.
A França vive o seu ‘Maio de 68 de direita’.
Quem avisa, nesta pág, é o experiente jornalista Eduardo Febbro, correspondente de Carta Maior que tem o olho treinado na cobertura de grandes levantes sociais do Oriente Médio à América Latina.
A exceção alemã, ademais de suspeita num continente devastado, assenta-se em mecânica perversa.
Frau Merkel gaba-se de ter acrescentado 1,4 milhão de vagas ao mercado de trabalho germânico no século 21.
O feito encobre uma aritmética ardilosa.
Desde 2000, a classe trabalhadora alemã perdeu 1,6 milhão de empregos.

Vagas de tempo integral, com direitos plenos.
Substituídas por 3 milhões de contratações em regime precário, de tempo parcial.
O salário mínimo (hora/trabalho) do semi-emprego alemão só não é pior que o dos EUA de Obama. 

É no alicerce das ruínas trabalhistas que repousa o sucesso das exportações germânicas, cantadas em redondilhas pelo jogral conservador aqui e alhures. 

Exportando arrocho, o colosso alemão consegue vender mais do que consome internamente. 

A fórmula espalha desemprego e ‘bons exemplos’ ao resto do mundo.
O ‘modelo alemão’, ademais, traz no DNA a singularidade que o torna inimitável: se todos acionarem o moedor de carne de Frau Merkel, quem vai comprar o excesso de salsicha?
O fundo do poço, enevoado neste caso pelo lusco-fusco da retomada norte-americana contrastada pela desaceleração asiática, é o ponto mais perigoso da crise. De qualquer crise.
As fragilidades estão no seu nível máximo. 

E sempre surge alguém para propor que a hora é de escavar o porão com mais arrocho e desmanche social.
Roosevelt ouviu os conselhos dos ‘austeros’, em 1937, quando a economia dos EUA começava a respirar. O rebote depressivo foi tão longe que dele o país só saiu com o keynesianismo de guerra.
O próprio FMI alerta: nas condições atuais, cada unidade adicional de austeridade produz duas vezes mais decrescimento, do que no início do ‘ajuste’.
A ortodoxia acha que nada disso vale para o Brasil.
O país ingressa nesse capítulo do colapso neoliberal equilibrado em trunfos e flancos significativos.
Sua engrenagem econômica se ressente da mortífera sobrevalorização cambial; as contas externas padecem com a erosão nas cotações das commodities; o parque industrial retraído e defasado tecnologicamente é acossado pela invasão dos importados.
A determinação central, porém, é a luta pelo poder.
A disputa eleitoral de 2014 comanda o relógio dos mercados.
Os ponteiros do capital buscam candidaturas ‘amigáveis’.
Não investir na ampliação da oferta, capaz de domar a inflação, faz parte da campanha. 

‘Culpa das incertezas’, justifica a mídia obsequiosa.
A mesma que encoraja a retranca aos investidores:

“Não façam agora o que poderá ser feito depois, lubrificado por ‘reformas desregulatórias’, caso a Dilma intervencionista seja derrotada”.
O BC endossa o cantochão.
Se não há investimento para atender a demanda, o equilíbrio virá pelo arrocho.
Pau nos juros.
A negociação do futuro não pode ficar restrita ao monólogo entre o mercado e o diretório do BC.
O saldo é mundialmente conhecido.
O falso ‘remédio’ agrava a doença e calcifica o recuo do investimento.
Tudo adornado pela guarnição sabida: angu de desemprego com caroço de atrofia fiscal. 

Perigosamente ilusória é a hipótese de curar essa indigestão com saltos nas grandes obras públicas. 

O Brasil já tem uma parte daquilo que as nações buscam desesperadamente (leia o artigo do economista Amir Khair, nesta pág.)
O singular trunfo brasileiro é o binômio ‘pleno emprego e demanda popular de massa’, parcialmente ancorado no Real ‘forte’.
Foi ele que protegeu o país da crise até agora.
Se não dilatar o espaço da política na condução da economia, o governo corre o risco de perder o que já tem, sem obter o que a ortodoxia lhe promete.
Ao contrário da Europa, o Brasil tem forças sociais organizadas; suas centrais sindicais e a inteligência progressista dispõem de propostas críveis e sensatas. 

Não foram desmoralizadas pela rendição ao neoliberalismo.
O governo construiu sólidas políticas sociais, ademais de estruturas de Estado para ampliá-las.
O conjunto permite à Presidenta Dilma negociar rumos e metas do desenvolvimento com a sociedade; bem como preservar seu mercado de massa com o reforço nas políticas sociais.
Acreditar que a ação do BC será suficiente para reordenar a economia no rumo dos investimentos é terceirizar o país à lógica conservadora, até agora restrita à exortação midiática. 

Política é economia concentrada.
O governo Dilma tem escolhas a fazer. E legitimidade para exercê-las.
É a hora.

Nenhum comentário: