segunda-feira, 27 de maio de 2013

Porto do Açu: O monumento à ineficiência privada e os macunaímas do mercado!


Na blogosfera local, principalmente no blog do Roberto do Moraes, como você pode ler aqui, há um intenso debate, que não raro descamba para um acirramento indesejável, mas inevitável quando se trata dos choque de visões de mundo entre setores progressistas, e outros que carregam o estandarte do pior tipo de conservadorismo.

São as viúvas do subprime, aqueles que querem transformar o Brasil, de novo, naquele gordo peru de Natal, a disposição dos apetites especulatórios e predatórios da banca financista! 

O centro da polêmica é o Porto do Açu, e claro, os resultados desastrosos daquilo que se anunciou como o paraíso e a redenção da região. 

No entanto, a polêmica poderia ser sobre qualquer concepção de mundo, de papel do Estado, e da necessidade da subordinação da economia a política, e não ao contrário, como desejam!

Nunca é demais repetir: É bisonha a tentativa de associar aos críticos do empreendimento, como este blog, qualquer sentimento de regojizo com o sofrimento alheio, ou seja, com a degola de vários empregos!

Mas é indispensável que estas pessoas saibam que fazem parte de um ardil, de uma fraude, que se destinou a empenhar grandes somas de recursos públicos para viabilizar um projeto que já nascia sob o signo da desconfiança, da manipulação especulativa, e do cinismo corporativo!

Agora, os demitidos servem a chantagem, onde as demissões acalmam acionistas de um lado, e comovem governos por outro!

Nossa ironia se dirige a quem acreditou e defendeu tais premissas de sucesso infalível, do primado da excelência privada sobre qualquer olhar fiscalizador do público, ainda que as informações estivessem suficientemente disponíveis.

Por isto dizemos com todas as condições e legitimidade para tanto: Não diga que não avisamos!

De outro lado, é assustador assistir o mau caratismo de jornalistas de coleira, de políticos, e de outros tantos interessados em pular do galho do endeusamento das virtudes do capitalismo selvagem, que desprezou alertas ambientais e danos sociais irreparáveis, e os possíveis prejuízos irreversíveis aos cofres públicos, para o galho da defesa do "capitalismo de Estado", reivindicando mais e mais investimento público nesta empreitada suspeita!

Se com todas as facilidades, este monstro corporativo não conseguiu sequer dar um passo, como imaginar que irá fazê-lo em meio a tanta adversidade?

Bom, os sem caráter do liberalismo, nossos macunaímas do mercado, apregoam o fato consumado, algo como "grande demais para quebrar" ou "importante demais para parar".

Pode ser.

Porém, ainda que o governo decida por encampar a consertar a maior cagada empresarial dos últimos tempos, é cada vez mais importante a vigilância da sociedade sobre os negócios que serão celebrados. 

Faz obrigatório que o governo ou o ente estatal que vá socorrer o naufrágio TitaniX exija a correta indenização aos proprietários rurais despejados, bem como todas as medidas para reverter ou mitigar os danos de salinização, dentre tantos outros que forem apurados...Esta fatura deve ser debitada no que o dono da eikelândia tenha por receber!

Como dizem os fundamentalistas neoliberais, não há almoço grátis, então, se quer sócio público para manter os dedos, tem que entregar os anéis.

2 comentários:

Anônimo disse...

Sim sim, ao contrario da ineficiencia privada, encontramos muita eficiencia nas empresas estatais:

http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2013/05/27/nao-tivemos-erro-de-sistema-diz-presidente-da-caixa-sobre-bolsa-familia.htm

Bem, é uma eficiencia interessante, uma vez que serviu até pra uma ministra declarar que foi "coisa da oposição".

É, talvez a eficiencia estatal tenha um significado diferente da do dicionário...voces esquerdofrenicos só fazem a gente rir...rsrsrs

douglas da mata disse...

É bom lembrar ao direitopata que a antecipação dos depósitos feitos pela CEF foram fatos isolados (alguns milhares em determinados Estados) frente aos milhões de cadastros, como resultado de uma atualização deste sistema.

O fato já está esgotado nas redes sociais e blogs progressistas (como Nassif).

No entanto, há indícios suficientes para crer(e a PF continua a investigar)que foram usadas estas informações para disseminar pânico em todo país, em um esquema viral pelo Twitter e com o uso da empresa de telemarketing.

Ao contrário de nós, da esquerda que fizemos milhões de brasileiros miseráveis e todo o resto do País rirem com alguma perspectiva de futuro, você dementes direitopatas só nos fizeram chorar nestes 500 anos de "eficiência" em colocar 90% do país na pobreza enquanto 1% de ricos ria à toa.