quarta-feira, 3 de abril de 2013

Porto do Açu: conclusões!

Não há no mundo, seja do lado progressista, seja do lado dos reacionários liberais, aqueles que defendam que as estruturas logísticas sejam prescindíveis a dinâmica de qualquer economia ou sistema  econômico.

Produziu, tem que embarcar, andar, trocar de lugar. Esta lógica, inclusive, é anterior ao capitalismo, embora tenha sido este modo de produção que elevou a categoria logística de meio a quase fim em si mesmo.

Em relação ao dinheiro, o capitalismo conseguiu driblar a barreira física, com o advento da informação telemática.

Já no que tange as mercadorias, ainda não inventaram o teletransporte.

Por isto a importância de portos, aeroportos e outras plataformas modais.

São temas estratégicos, e como tais, não podem ser tratados como foi o caso do Porto do Açu. 

Um erro de avaliação grave do governo Lula, mantido como erro no governo Dilma.

Engolimos a tese da superioridade do setor privado, sua agilidade e eficiência, gerenciados pela mão invisível do mercado.

Um desastre.

Se compararmos a manobra grandiosa ESTATAL que foi pesquisar e explorar as reservas do pré-sal em 07 anos, quando a média do setor privado petroleiro é de 10 a 15 anos, com a construção de um Porto, embora sejam processos diferentes, mesmo assim dá pena dos que ainda defendem a tese da superioridade privada.

Por mais gigantesco e ousado que seja seu conceito, e no caso do Açu, nem foi tanto assim, porque boa parte de seu fracasso foi não avaliar, inclusive, que o sistema porto-indústria estaria fadado ao fracasso pela nova conformação das plantas menores (fragmentadas e de ciclo completo) do sistema siderúrgico, por exemplo.

O Porto do Açu é um monstro de equívocos:

Desapropriações enganosas, com tensão social grave.

Impactos ambientais severos e resultado de arrogância e incapacidade técnica de previsão.

Frouxidão e "pressa" dos órgãos locais e estaduais de licenciamento, revelando a nefasta pressão que o capital faz sobre o setor público e a regulação estatal.

Fracasso de execução.

Fracasso no trato trabalhista.

Como sempre, os agentes privados parecem "forçar" a mão para que o Erário os socorra. 

O episódio da Acciona não pode ser apenas debitado na conta da cínica ineficiência, admitida em nota distribuída a sociedade, embora boa parte seja isto mesmo: Trabalhadores e direitos? Ora, fodam-se!

Mas é mais que isto. Começou um novo jogo, ou seja, deteriorar tudo, aumentar o passivo social e econômico a tal ponto, que o sócio estatal seja obrigado a intervir para evitar danos maiores.

Já dissemos: O porto é fundamental, mas o governo federal, os órgãos judiciais e de fiscalização têm a obrigação de causar reparações severas para serem pagas pelo patrimônio dos aventureiros, caso sejamos (nós, os contribuintes) chamados a pagar a conta!


3 comentários:

Anônimo disse...

O porto quando estiver operando por completo deve movimentar mais de 1 bilhão de dólares por dia de operação. Poucos têm a dimensão do que isso significa.

douglas da mata disse...

Seguindo esta lógica, devíamos investir em guerras.

Só o orçamento estadunidense para seus conflitos movimenta dezenas de trilhões de dólares por ano.

Será que o tamanho do dinheiro em circulação justifica todos os impactos e violações contra trabalhadores e populações locais?

Bom, eu prefiro a guerra: pelo menos podemos matar o inimigo, ao invés de sermos trucidados por quem diz estar do nosso lado!

douglas da mata disse...

Olha o chute dado pelo X-fanático aí de cima:

US$ 1 bi/dia, seria algo em torno de US$ 365 bi/ano.

Com dólar a 2 reais, seriam 730 bilhões de reais ano.

Ué, o nosso PIB de 2012 foi algo em torno de 2,74 trilhão de reais.

Quer dizer que o porto vai movimentar cerca de 1/4 de todo o PIB nacional?

Conta outra meu filho, conta outra...

Que tipo de capim alucinógeno este pessoal anda comendo?