terça-feira, 2 de abril de 2013

Porto do Açu: O que estão esperando?

O que as autoridades do Ministério do Trabalho estão esperando para fazer uma devassa nas relações contratuais, sistematicamente descumpridas, pela Acciona e, subsidiariamente, pela sua contratante as empresas X?

O troço virou bagunça? Primeiro, mantiveram espanhóis trabalhando aqui, ilegalmente, com visto de turistas, e nada foi feito!

Agora, reduzem os trabalhadores brasileiros a condições adversas, sem a menor cerimônia.

Então, liberou geral?

Ou estão esperando que o conflito chegue às raias do descontrole total, e aconteça alguma tragédia?

São grandes demais para serem fiscalizados?

2 comentários:

Anônimo disse...

Não acho que "ser grande" seja o impedimento da fiscalização. Acho que a preguiça é o grande motivo da inércia do MPT.

Sei muito pouco.
Me contaram que o Ministério Público do Trabalho que fica sediado ali pertinho do Liceu está acostumado a emitir cartas exigindo documentos e respostas das (pequenas) empresas. Quase sempre presenciais.

Os titulares ali, moram no Rio e tem horror a vir a Campos. Passaram no concurso e foram alocados aqui. (que azar!)

Fazem o B-a-Bá dos preguiçosos: emitem cartinhas de exigências no atacado e esperam pelas respostas no varejo. Os que não cumprem são ameaçados com mais papel. Exigem "de um tudo" dos pequenos e negligenciam as grandes empresas.

Hoje teve reunião sobre o caso Acciona. O que vão decidir?
Não sei. Talvez decidam trabalhar. Mas é pouco provável.

douglas da mata disse...

Meu caro, no seu comentário está a ratificação do que eu disse: Aos pequenos a fiscalização, ainda que precária.

Não há, em órgãos públicos, e lato sensu, na ação estatal, este sentimento de "preguiça", a não ser preguiça seletiva.

Um abraço.