segunda-feira, 15 de abril de 2013

Frei Betto, por que não te calas?

Se um frei pode defender que o Código Penal mantenha como crime o aborto, por que um governador de Estado não pode defender o contrário?

O problema é que o governador quando abre a boca é um desastre, quase sempre. Calado é um poeta.

Associar crime a pobreza é uma estultice.

Mas, por outro lado, se tivesse lido antes de falar besteira, teria feito uma defesa pautada em argumentos científicos.

Leia aqui uma entrevista de um pesquisador brasileiro, Samuel Pessoa, da FGV.  

Em suma ele diz o seguinte: Os índices de mortes por homicídios em cada cem mil habitantes andam junto com o número de gravidez na adolescência monoparentais(mães solteiras).

Ou seja, assim como no livro Freakonomics, onde há muitas famílias desestruturadas, há mais crimes.

Porém, o pesquisador rejeita as interpretações apressadas ou ideologizadas do tema, como ele mesmo afirma na entrevista.

Mas nem o frei sabe o que fala, muito menos o governador, e assim, todos ficamos condenados às reduções do debate.


2 comentários:

Anônimo disse...

Douglas:

Mas pergunto a você que é ligado à questão: se o criminoso padrão é "filho de chocadeira" o que dizer daqueles que tem o mesmo histórico e não o são?

douglas da mata disse...

Caro comentarista:

Não há, em primeiro lugar, um "criminoso padrão".

O estudo do Samuel Pessoa, que na verdade, replica outros estudos ao redor do mundo, revela um dado dentre tantos outras mais.

Ou seja: isto não quer dizer que todos os filhos de famílias monoparentais serão criminosos, mas aponta que este é um fator a mais, dentro de um amplo contexto.

O crime é um evento multi-facetado e não pode ser abordado com teses deterministas ou monotemáticas.

É, mal resumindo, um conjunto de fatores:

- oportunidade/impunidade ou punibilidade (prêmio versus risco)

- necessidade/perspectiva de vida (nível de degradação pessoal).

- valores culturais/exemplos (família, escola, vizinhança, meio social, etc).

-questões econômicas/escolha como meio de ascensão/mobilidade/legitimidade social (estratégia de sobrevivência).

- eficiência penal/reinserção/universalidade da Justiça e persecução policial (extinção dos cortes de classe da aplicação das leis, planejamento, fiscalização, controle da ação policial-judicial).

Pelo que pude observar, com meus filtros embaçados pela minha ignorância, é mais ou menos isto que determina os níveis de criminalidade e sua natureza, mais ou menos violenta.