quarta-feira, 20 de março de 2013

Royalties: Petróleo, Petrópolis e a Copa do Mundo!

Não sei se seremos campeões do mundo no futebol, mas no campeonato mundial de cinismo e covardia...ah, este está no papo!

Há pouco tempo atrás, infelizmente, quando a tragédia se abateu antes sobre a região serrana, evitei os comentários para não exacerbar o óbvio: Pouco ou nada foi feito, e o modelo de expansão das cidades obedeceu, e continua a obedecer, a pauta da especulação imobiliária criminosa unida às agendas das campanhas eleitorais!

Claro que estes não são os únicos vilões! Temos os moradores-beneficiários-cúmplices, que preferem o atalho de uma propriedade de risco a  debater a disposição espacial destes imóveis dentro de alguma lógica racional!
Preferem a lei do mais forte, ou do mais esperto, até o ambiente mostrar "quem manda, de fato e de direito"!

Mas se procurarmos algum nexo causal, em primeiro lugar estará a omissão/ação "homicida" dos governantes e das elites imobiliárias, cujos interesses se representam nos governos. 
Quem tem poder político outorgado pelos representados TEM que, na maioria das vezes, IMPOR intervenções que PROTEJAM o BOM SENSO quando este for atacado pelo SENSO COMUM.
E por que não fazem? 
Interesse, opção, escolha política!

No caso das encostas da cidade de Pedro II, e do PERIGO PERMANENTE, e das MORTES PERENES, não há como se contentar com a fatalidade das frases: 

"Não tem jeito" ou " A solução é muito cara", ou enfim, "A culpa é da burocracia"! 

Cômico senão fosse dramático é perceber que as causas são sempre intangíveis e impessoais!

Nestes tempos de caça aos royalties, eu me admiro como as pessoas não enxergam que SÃO OPÇÕES POLÍTICAS que definem como e quando agiremos, e no caso trágico em tela, como morreremos: soterrados como na serra, ou infectados por dengue na planície!

Estranho como na Copa do Mundo, burocracia, dinheiro (público), preço, etc, não foram capazes de barrar a "vontade"!

Usaram até a chantagem, dizendo que sem ROYALTIES não haveria Copa, e depois, Olimpíada!

Pois bem, e por que não há prevenção em Petrópolis?

Ou por que a dengue estapeia a cara das autoridades sanitárias locais, em Campos dos Goytacazes?

Afinal, para que serve dinheiro público?

Como um Governador que acaba de "matar" mais tantas pessoas (19 ou 20, não me recordo) fala em prioridades, capacidade de intervenção administrativa?

Como Oswaldo Cruz, sem internet, com pouquíssimo dinheiro, e literalmente, na porrada, acabou com a febre amarela e seus os vetores em uma cidade infecta, e hoje, com tanto dinheiro as pessoas morrem, como em 1900?

Como incas se penduraram nos Andes e tudo ainda está lá, enquanto Petrópolis se esfarela?

Como o Japão consegue evitar mortes por terremotos, totalmente imprevisíveis, enquanto as anunciadas chuvas marcam hora e local para "matar"?


Nenhum comentário: