terça-feira, 26 de março de 2013

Google ou o Grande Irmão?

O império contra-ataca.

A maior plataforma de buscas na rede, o Google, que se desdobrou um múltiplas possibilidades e negócios, a partir desta enorme compilação de dados, inclusive esta plataforma onde estamos hospedados, mostra seus tentáculos sobre o acervo cultural a e dinâmica das sociedades onde atua.

A "pedido" da empresa californiana, o Conselho Sueco de Linguagem (Language Council of Sweden), órgão regulador que tem por objetivo "cultivar" o idioma sueco, e suas atualizações, como convém a qualquer língua viva, retirou o termo "oglooglebar", que havia incluído, recentemente em uma lista anual, que define modernizações,  e inclusão de neologismos na língua escandinava.

O termo significa, traduzido ao inglês, algo como disse o jornal inglês:

"(...)[Something] that you can't find on the web with the use of a search engine."

Após uma longa troca de e-mail, os responsáveis pelo órgão decidiram pela retirada do termo.

Os executivos da empresa desejavam que a definição do termo, que em português poderíamos chamar de "ingogleável", mencionasse que tal expressão só poderia ser usada como referência aos produtos da empresa.

Uma absurda tentativa de reduzir a língua e cultura de um país a uma marca e sua empresa.

Por mais maluca que pareça a ideia, uma vez que a retirada da palavra não trará óbice a qualquer sueco que deseje utilizá-la, esta atitude é outro sinal claro das intenções desta poderosa plataforma de absorção de informação e conteúdo.

Um tema que já passou da hora de ser debatido por usuários da rede, mas que não pode se restringir a estes, uma vez que as sociedade estão cada vez mais vinculadas e subordinadas as estratégias corporativas da empresa que parece uma entidade sobrenatural, mas que tem donos, sede, e altíssimos lucros.

(Clique em  The Independent. e leia a matéria na íntegra.)

Nenhum comentário: