terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Kia Motors e a difícil vida fácil!

O merchandising embutido nas novelas não conhece mais limites.

Agora há pouco, a Kia Motors vinculou sua imagem ao tráfico internacional de mulheres, quando uma das personagens exploradas pela quadrilha que age na novela das 21 horas, Salve Jorge, é recrutada para posar em um comercial da fabricante de veículos coreana.

Uma dupla mensagem: 

Primeiro, que é possível se libertar destas quadrilhas sendo "promovida" ao mundo publicitário. 

Depois, como o roteiro induz o interesse do produtor pela personagem escravizada, dá-se a impressão que um "salvador ou príncipe" pode resgatá-las, junto com o "mercado de propaganda".

Depois de todo aquele carnaval no domingo, quando o Fantástico, com "exclusividade", e depois da suposta notícia de uma mãe de uma vítima, inspirada por "assistir a novela", fez do drama e da ação policial um espetáculo em busca de audiência e da legitimação da "ação social" do entretenimento que vendem, agora, cai a máscara e tudo volta aos seus lugares:

That's all business!

Agora, quem dirige um Cerato, um Soul ou outro veículo da marca já poderá se orgulhar de contribuir com as quadrilhas de tráfico humano, por enquanto, simbolicamente.

Mas quem sabe aquelas modelos do salão do automóvel de SP e do resto do mundo não são vítimas também?

E antes que os midiotas e outras espécimes de cretinos digam: "ah, mas na novela os produtores não sabem se tratar de uma modelo-escrava".

Mas aí reside o problema: na vida real, os anunciantes sabem que sua marca estaria vinculada a esta farsa que representa o sofrimento de centenas ou milhares de mulheres ao redor do planeta.

Como se diz, a vida não imita a arte?

Pois é, na globo e com a Kia, a "arte" parece querer imitar a difícil vida fácil.

2 comentários:

Anônimo disse...

Você assiste novela? Da Globo?

douglas da mata disse...

Ué, e como eu poderia criticá-la se não tivesse assistido?

A pergunta(vou te ajudar) é:

Você gosta do que assiste? É o tipo de entretenimento ou informação que pauta sua vida?

Aí eu te respondo: claro que não!

Andar na ponte Rio Niterói não me faz absolver o canalha do Costa e Silva pelos crimes que autorizou!

Celebrar a lei do divórcio não me faz concordar com o período autoritário no qual ela foi promulgada!

Admirar o futebol de Pelé não me faz concordar com as idiotices que ele fala, ou com sua (im)postura de negar sua filha e querer falar para as "criancinhas" no milésimo gol.

E por aí vai...