terça-feira, 29 de janeiro de 2013

A mídia e sua eterna cretinice!

Uma rápida passada de olhos na mídia corporativa local, e poderemos ver, de forma escancarada como o "cuidado" é sempre seletivo, ou seja, os mesmos valores sempre têm peso distinto, dependendo da cor, gosto ou bolso do freguês.

Quando o radialista sanjoanense foi morto, a mídia de coleira local e a mídia de aluguel(que, às vezes se confundem) gritaram aos quatro ventos que se tratava de um crime com repercussão internacional pelo seu teor de ataque a liberdade de imprensa e do exercício do jornalismo.

Nenhuma cautela. Nenhum pudor. Eis que as apurações deixaram os editorialistas pendurados com a broxa na mão! A realidade puxou a escada!

Agora, no caso de Cicero Guedes, os barões de mídia e seus sabujos de coleira correm a dizer que é preciso cuidado para não açodar "conflitos" fundiários!

Como se o conflito não estivesse lá, expresso na demora da Justiça, instrumentalizada pelo poder econômico!

Mas de todo modo, à soldo da verba que paga o verbo, pedem cuidado!

Claro, todo cuidado é pouco, ainda mais com uma mídia desta natureza!

Não há certezas sobre as causas das mortes. Só há certeza sobre o comportamento cretino deste mídia e a quem ela serve!
Disto, não há dúvidas!

Um comentário:

Anônimo disse...

Caro Douglas, aproveitando o lamentável assunto, gostaria de lhe perguntar:

Por que o PT, PCB, PSTU, PCdoB de Campos dos Goytacazes não se manifestaram publicamente em relação ao crime?



JORNAL DO BRASIL
Investigações da Polícia Civil do Rio de Janeiro apontam que o assassinato de Cícero Guedes dos Santos, um dos principais dirigentes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) em Campos dos Goytacazes, no norte do Estado, tem características de morte encomendada.

O agricultor foi morto a tiros na madrugada de sábado, depois de sair de um assentamento onde estão concentradas as famílias do MST que ocuparam a Usina Cambahyba, um engenho de açúcar desativado composto por sete fazendas e com 3,5 mil hectares de extensão.

Segundo o MST, pelas técnicas agrícolas sustentáveis que utilizava em seu lote, Guedes era considerado uma referência em conhecimento agroecológico tanto pelos militantes da organização como por estudantes e professores da Universidade do Norte Fluminense (Uenf) com os quais colaborava.

"A morte da companheiro Cícero é resultado da violência do latifúndio, da impunidade das mortes dos Sem Terra e da lentidão do Incra para assentar as famílias e fazer a Reforma Agrária", criticou o Movimento em comunicado.

"O MST exige que os culpados sejam julgados, condenados e presos."