segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Infelizes dias, professor!

Nada a comemorar. 

Só resta abolir esta nefasta hipocrisia de reservar um único e mísero dia para lembrar mal e porcamente quem é sempre esquecido, humilhado, desprestigiado e, às vezes, até agredido.

Na Idade Média, os nobres, de quando em vez, motivados por crendices e, ou superstições religiosas, chamavam os famélicos e mais degradados seres humanos que vivam em volta dos castelos, para que, durante um dia inteiro, estes maltrapilhos comessem tudo que coubesse em suas magras barrigas, em um banquete surreal.

Acreditavam os nobres que tais mendigos comeriam seus pecados (os dos nobres).

Depois, após entupirem-nos de comida, mandavam executar estes mulambos humanos. Claro, tinham que despachar os pecados, e não esperar que fossem cagados...

Eu sempre me recordo desta historinha quando vejo tantas homenagens pelos governantes e sua mídia de coleira aos professores.

Com uma pequena e sutil diferença.

Na Idade Média, os nobres eram mais clementes e matavam de uma vez.

Já na modernidade, os novos senhores e seus bobos da corte, que servem na mídia à soldo, a cada ano entopem os professores de ilusões, mas dia após dia, só renovam as vergonhas, mentiras, promessas não cumpridas, enfim uma morte lenta e torturante daqueles cantados e decantados como os responsáveis pelo sucesso (ou fracasso) de uma nação.

Um comentário:

Anônimo disse...

Bom dia...

Venho aqui clamar ao Senhor que faça uma matéria acerca dos contratados do REDA, solicito que informe os verdadeiros culpados por este procedimento que estão deixando centenas de famílias desesperadas...

Quem deu essa ideia inescrupulosa a Prefeita foi a Sra. Ana Lúcia Boynard, nós funcionários desesperados não aguentamos mais essa Secretária que tanto nos humilha...

Thiago Braga Campos