quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Detalhe...

Se o dinheiro supostamente oferecido pela prefeita de SJB foi de origem lícita, e se o candidato a vereador não tiver oferecido a ela vantagem ilícita ou promessa de praticar ato criminoso, ou se a prefeita, por sua vez, não tiver solicitado a ele vantagem ou que o candidato praticasse algum ato desta natureza, não há crime algum a ser apurado.

Digo e repito: Tudo está suspenso no campo das hipóteses. 

Óbvio que a prefeita de SJB e o candidato a vice falarão ao público em sua defesa, e no exercício deste direito poderão até faltar com a verdade, como lhes garante a Constituição.

Já a Autoridade Policial deveria abster-se de comentar detalhes da investigação sob sua atribuição, até para não ofender o direito de defesa amplo da investigada, e assim contaminar de vícios o procedimento inquisitorial, reservando-se apenas a afastar as "insinuações" sobre a instrumentalização partidária da instituição que presenta e das apurações em curso.

De novo: Esta opinião é de um LEIGO.

O resto é perfumaria...

Nenhum comentário: