sexta-feira, 28 de setembro de 2012

O leitor e os otários.

Provocado por um comentário de um leitor usual e ultra-reacionário, militante da causa Opus Dei, que se autodenomina na esfera pública de debates pela chancela de católico, acabei por despertar para um fato.

Ao defender sua opção pela revista "óia-cachoeira", aludiu ao pequeno número de leitores da revista Carta Capítal, que nossos poucos leitores sabem ser nossa publicação semanal de preferência.

Ninguém tem dúvida que em um ambiente democrático, a maior variedade de veículos de comunicação possibilita que a população faça suas escolhas, ao contrário da tendência nacional permanente que tem sido a concentração em oligopólios.

Isto seria óbvio, se fosse só isto. As mídias nacional e local gostam de dizer que são grandes e hegemônicas pelas suas qualidades editoriais, que resultam em grande quantidade. 

No entanto, o que acontece nas mídias nacional e local é o inverso.

A luta é por se mostrar gigante para auferir dinheiro público, para então chegar ao suposto leitor pela "ocupação do espaço" com o sufocamento do outro.

A mídia brasileira carrega o cacoete disseminado pelo seu maior grupo de mídia, as organizações "grobo", a saber: competem para anular a concorrência, e para tal utilizam o dinheiro público. 

Foi assim que a "grobo" cresceu, na esteira dos acordos do "doutor" roberto com os gorilas verde-oliva.

Oferecia um discurso único e oficial ao regime, que por sua vez ganhava da "grobo" a integração nacional tão cara aos princípios estratégicos militares.

Deste modo, nunca é demais lembrar que os maiores e mais influentes órgãos de mídia em todo Brasil, assim como seus pares que vestem este figurino junto as oligarquias regionais, sempre estiveram estruturados na absorção de enormes fatias do dinheiro público.

Como efeito desta distorção, além da subserviência aos interesses dos grupos dominantes e, ou dos governantes de plantão (com a honrosa exceção do governo federal, que gasta muito para apanhar do "grobo" e seus cúmplices), vamos privatizando o direito de escolha do leitor, estatizando esta privatização com os contribuintes, que nem sempre leem os veículos nos quais os seus tributos são depositados.

Sim, porque com volume cada vez maior de dinheiro público nas contas das agências publicidade, que regam regiamente os cofres dos barões da mídia, as corporações de mídia podem subsidiar seu "prejuízo", ou seja, uma tiragem de números de jornais e revistas que inflam o verdadeiro alcance daquelas mídias, mas que servem para "auditagem"(sempre feita por eles mesmos) de números publicados, e não vendidos, já que dia-a-dia as edições encalham nas bancas.

O círculo se estabelece: quanto mais dizem "vender", mais recebem para aumentar a tiragem, que cada vez mais encalha.

Há outros expedientes mais diretos e descarados, como o volume enorme de edições da revista nacional "óia-cachoeira" que entopem as escolas do governador demotucanopata de SP, em contratos que lesam o Erário a a liberdade de expressão que dizem defender.

Como vemos, no caso das corporações de mídia nacional, principalmente as que mantêm versões escritas, o tamanho em nada reflete qualidade ou uma ampla escolha dos leitores, que no fundo, cedem aos apelos ufanistas pagos pelos impostos de quem não lê estas porcarias.

E os otários?

Ah, os otários somos nós, que pagamos para que estes números encalhem nas bancas, mas sirvam para aumentar as falsas tiragens, que alimentarão mais e mais dinheiro público, que aumentarão as tiragens...e que no fim., deixam satisfeitos seus desavisados leitores que imaginam que eles são grandes porque são os melhores...


4 comentários:

Anônimo disse...

ELEIÇÕES 2012: PT MOBILIZADO EM SUA SEDE EM CAMPOS.

A coligação “Unidos por Campos” (PT - PMDB - PC do B - PSL - PMN - PV) anuncia que estará a partir desta segunda- feira, dia 01/10/2012 até a data da eleição 07/10/2012, em plantão na sede do PT na Avenida Alberto Torres, enfrente a FMC, onde estarão sendo tratados os seguintes temas:
• Fiscalização.
• Delegados.
• Recebimentos de denúncias de abusos eleitorais e compra de votos entre outros.

Qualquer Dúvidas entrar em contato com os membros:

Professor Eduardo Peixoto – Presidente do PT = 9881-3681.
André Cruz – Executiva do PT = 9913-8986.


Fonte: André Cruz (Facebook)

Anônimo disse...

Quase um efeito Tostines...

Anônimo disse...

Ex-governadora do Rio de Janeiro vai responder por ação de improbidade administrativa

O ministro Napoleão Nunes Maia Filho, do Superior Tribunal de Justiça, aceitou o recurso do Ministério Público do Rio Janeiro que pede o andamento de ação por improbidade administrativa contra a ex-governadora do estado, Rosinha Garotinho.

O Ministério Público recorreu ao STJ depois que o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro decidiu extinguir o processo contra Rosinha Garotinho por entender que ela, como governadora, não está sujeita à Lei de Improbidade Administrativa, mas sim à lei que trata de crimes de responsabilidade.

Na decisão, o ministro Napoleão Nunes Maia Filho aplicou o entendimento do Superior Tribunal de Justiça, de que, com exceção do presidente da República, os políticos podem ser processados com base na Lei de Improbidade Administrativa.

Autor(a):Coordenadoria de Rádio/STJ

Anônimo disse...

Não percam este vídeo com humor feito aqui em Campos.

http://www.youtube.com/watch?v=-udBGGUC7tI&feature=player_embedded

https://www.facebook.com/3.TIGRES.TRISTES