segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Os dois lados da moeda.

Não tenham dúvidas os incautos. Os cretinos que festejam a prisão dos policiais e bombeiros como signo de respeito a "ordem constitucional e da autoridade" são os mesmos que comemoram e se aproveitam da ação policial no Pinheirinho, na Cracolândia ou no V Distrito de SJB.


Esta mesma natureza militarizada da polícia, que pune os faltosos, é a que permite que seja usada como guarda pretoriana pelos governadores.


Não dá para nos tratar com animais adestrados,  e depois pedir que hajamos como policiais-cidadãos.


Disciplina militar é para guerra, e pelo que sei não estamos em conflito com nenhum país, a não ser que imaginemos que a nossa polícia está em permanente guerra com a sua sociedade.


Daqui por diante, ou se muda a Constituição, ou se anistia permanentemente os paredistas, ou vão ter que manter todos os policiais presos.

2 comentários:

Blog Católico do Leniéverson disse...

Douglas, leia isso:

Lei nº 12.505, de 11 de outubro de 2011. Confira o artigo 1° e a trinca que subscreve o documento:

É concedida anistia aos policiais e bombeiros militares dos Estados de Alagoas, de Minas Gerais, do Rio de Janeiro, de Rondônia e de Sergipe que participaram de movimentos reivindicatórios por melhorias de vencimentos e de condições de trabalho ocorridos entre o dia 1o de janeiro de 1997 e a publicação desta Lei e aos policiais e bombeiros militares dos Estados da Bahia, do Ceará, de Mato Grosso, de Pernambuco, do Rio Grande do Norte, de Roraima, de Santa Catarina e do Tocantins e do Distrito Federal que participaram de movimentos reivindicatórios por melhorias de vencimentos e de condições de trabalho ocorridos entre a data da publicação da Lei no 12.191, de 13 de janeiro de 2010, e a data de publicação desta Lei.

(…)

Brasília, 11 de outubro de 2011; 190o da Independência e 123o da República.

DILMA ROUSSEFF
José Eduardo Cardozo
Luís Inácio Lucena Adams

douglas da mata disse...

Leniéverson,

Grato pela lembrança. O PIG agora busca desqualificar o instituto da anistia como se este incentivasse a desordem e a quebra de hierarquia.

Primeiro que se diga: Quem cometeu crimes armados e de vandalismo, desde que processados, com contraditório e ampla defesa, com sentença transitado em julgado não merece tal indulto.

No entanto, a anistia recorrente aos policiais que reivindicam e se reúnem, e por isso, rompem o código militar e a CRFB, revela um fato que atenta contra a própria existência do instituto legal de vedação as manifestações:

01- Não é mais possível impedir que trabalhadores policiais, ainda que ameaçados de prisão e outros autoritarismos, se unam e apresentem seus pleitos.

02- Logo, como eu disse, ou se muda a CRFB, ou teremos que ter anistia todo ano, ou prende-se toda a polícia.

Um abraço.